Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 8780 al 8799 
AsuntoAutor
201/07 - TORRENS, Noticias
Expedición al cent FRANCESC
curso gis Nora Luc
202/07 - Haití - A Noticias
203/07 - Desafíos Noticias
204/07 - "Los subu Noticias
205/07 - VEGA, Lui Noticias
206/07 - CONVENCIÓ Noticias
207/07 - Mulheres Noticias
208/07 - As contra Noticias
209/07 - Etanol: c Noticias
210/07 - VICH, Alb Noticias
Comienza el Año Po FRANCESC
211/07 - CONVOCATO Noticias
212/07 - Cuarta Ci Noticias
El penúltimo muro FRANCESC
213/07 - VILLAGRA, Noticias
214/07 - De la Asa Noticias
215/07 - Entrevist Noticias
La campaña del mil FRANCESC
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 9021     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 209/07 - Etanol: combustível da exploração do trab alho no campo (Eduardo Sales de Lima)
Fecha:Miercoles, 7 de Marzo, 2007  22:12:30 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticiasdelcehu @..................ar>

NCeHu 209/07


Etanol: combustível da exploração do trabalho no campo

Lucros dos usineiros são alimentados pelo desrespeitos aos direitos trabalhistas; Ministério Público quer acabar com salário a partir da produção

 

Eduardo Sales de Lima


Crescem os negócios e diminuem os direitos. O argumento dos empresários e dos países ricos para o aumento da produção do etanol é o de aliviar, de uma só vez, dois grandes males do século 21: a escassez do petróleo e o efeito estufa. Além das contradições deste discurso (leia mais aqui), essa proposta não parece nada "sustentável" do ponto de vista da situação dos "corta-cana" - trabalhadores dos canaviais. "Historicamente, a produção de açúcar está associada com o trabalho escravo de índios e negros", afirma Plácido Júnior, coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Pernambuco.

A senhora Maria Neusa Borges, de 54 anos, faleceu no dia 24 de julho e trabalhava como "corta-cana" na Fazenda Santa Cruz, em Ariranha, São Paulo. A causa de sua morte foi dada como desconhecida. As jornadas extenuantes dos cortadores de cana também são ignoradas pela mídia corporativa, que aderiu à animação com o etanol.

Segundo dados da Comissão Pastoral do Migrante (CPM), desde 2004 foram 15 óbitos, só no estado de São Paulo. A maioria é de migrantes de Minas Gerais e do Nordeste, quase todas relacionadas ao excesso de trabalho em usinas e canaviais.

Jornadas extenuantes

O salário de um cortador de cana gira em torno de R$ 300 a R$ 400, dependendo da região do Brasil. Ganha-se por produção. "Trabalham de oito a nove horas diárias, intensivamente, de segunda a sábado. Perdem 6 quilos no final da safra e são obrigados a cortar, no mínimo, 12 toneladas de cana. A cada 10 toneladas, são 9.700 golpes sob um calor intenso e utilizando calça comprida, caneleira, sapatão, luvas, blusa de manga comprida e boné com lenço", relata a socióloga Maria Aparecida de Moraes Silva.

Ao lado do excesso de esforço físico, que pode causar paradas respiratória e cardiovasculares, a inalação de gás cancerígeno liberado quando se corta a cana queimada é outro fator que contribui para os óbitos. O corte manual é muito barato porque o lucro dos empresários é resultado, entre outros fatores, da exploração do trabalhador.

Segundo Aparício Quirino Salomão, procurador do Ministério Público do Trabalho (MPT) de Campinas, o que dificulta o processo de luta dos trabalhadores é o fato de a grande maioria ser formada por migrantes safristas (temporários) que não se vinculam aos sindicatos e vivem segmentados estrategicamente, por mando dos patrões. "Alojamento de maranhense só tem maranhense, de paraibano só paraibano", completa.

Para a socióloga Maria Aparecida, esses casos estão bastante próximos daqueles descritos por Marx em "O Capital", referentes às indústrias da Inglaterra no século XIX. Em seu artigo, "Em busca do passado para conhecer o presente - trabalhadores migrantes na região de Ribeirão Preto", ela faz a comparação: "Muitas vidas foram ceifadas em função das longas jornadas e das péssimas condições de trabalho. Na expressão marxiana, o capital era o vampiro que se alimentava do sangue dos trabalhadores", cita a professora.

Salário por produção

Segundo o Ministério Público do Trabalho de Campinas, existem, aproximadamente, 148 procedimentos ativos na Procuradoria Regional do Trabalho da 15ª Região, envolvendo usinas de cana-de-açúcar. Mais de 140 empresas foram fiscalizadas e autuadas em 2006, em cidades como Piracicaba, Ribeirão Preto e Bauru. A principal batalha dos Ministério Público é acabar com o trabalho por produção.

Os sindicalistas apóiam esse movimento. "A posição da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agrcultura (Contag) é que o trabalhador deveria ter um salário justo e atuasse dentro de uma quantidade de esforço que não prejudicasse sua saúde", diz Aristides dos Santos, presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Pernambuco (Fetape), que completa: "aqui no Nordeste, em vez do período de corte de cana ser de 5 ou 6 meses, ele é de três. Essa exploração é uma forma de as usinas moerem uma quantidade maior de cana e usarem um contigente menor de trabalhadores. Os empresários roubam até no peso".


Fuente: www.brasildefato.com.br , 22/2/07.