Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 6701 al 6720 
AsuntoAutor
52/06 - Argentina Centro H
55/05 - Y por casa Centro H
56/06 - "SE ESTÁ D Centro H
54/06 - Ambientali Centro H
53/06 - Buenos Air Centro H
Re: NoticiasdelCeH Adelmo R
57/06 - Las Heras, Centro H
58/06 - PRÓXIMOS E Centro H
59/06 - Brasil - V Centro H
60/06 - Argentina Centro H
61/06 - Maestría e Centro H
62/06 - Monocultur Centro H
63/06 - Cultures a Centro H
64/06 - CARRERAS D Centro H
65/06 - CURSOS DE Centro H
66/06 - PORTAL CEH Centro H
70/06 - Foro Inter Centro H
69/06 - PÁGINA CEH Centro H
68/06 - XIV Jornad Centro H
67/06 - ESTADISTIC Centro H
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 6938     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 62/06 - Monocultura da soja provoca esgotamento das nascen tes dos rios no Maranhão (Gisele Barbieri)
Fecha:Sabado, 11 de Febrero, 2006  20:04:30 (-0300)
Autor:Centro Humboldt <humboldt @...........ar>

NCeHu 62/06

Brasil
Monocultura da soja provoca esgotamento das nascentes dos rios no Maranhão
9/2/2006


A monocultura da soja se espalha rapidamente por todas as regiões brasileiras. Com o crescimento deste cultivo, impulsionado pelo alto preço de mercado da saca, cresce também a cobiça dos latifundiários. Mas o que pouco se fala é sobre os prejuízos ambientais que essa monocultura projetará futuramente no Brasil.
É o caso da região do Baixo Parnaíba, no Maranhão, onde centenas de comunidades tradicionais sobrevivem do extrativismo. A pouca fiscalização dos órgãos competentes deixa exposta aos latifundiários uma área de grande extensão de terras utilizadas por trabalhadores rurais para a criação de animais e pesca.
Na tentativa de coibir a ação dos sojeiros, a Plataforma DESCH Brasil (rede nacional de articulação de organizações da sociedade civil) fez uma investigação no local e elaborou um documento sobre o caso. O relatório denuncia violação dos direitos humanos das comunidades atingidas pela expansão da monocultura da soja e pelo desmatamento. As lagoas de onde os trabalhadores rurais tiravam peixes para alimentar suas famílias, foram privatizadas. As nascentes dos rios estão se esgotando, ou por causa do desmatamento ou devido aos agrotóxicos dos grãos de soja transgênica.
O Relatório feito pela DESCH foi entregue em setembro de 2005 à Casa Civil, que recebeu no mês seguinte, os relatores. Desde então, nenhuma providência foi tomada. A Justiça do Maranhão ainda contribuiu com a impunidade, afastando o juiz da Comarca de Santa Quitéria, município do Baixo Parnaíba, que questionou as irregularidades cometidas pelos plantadores de soja.
No Rio Grande do Sul, estado que serviu como porta de entrada para o cultivo da soja no país há 40 anos, já se percebe áreas devastadas e desgaste do solo.


De Brasília, da Agência Notícias do Planalto, Gisele Barbieri, 08/02/2006 14:18

EcoDebate, www.ecodebate.com.br, 09/02/2006


Extraído de ListaGeografia/Brasil.