Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 6341 al 6360 
AsuntoAutor
por los textos La Elina Ma
Re: NoticiasdelCeH Mónica A
Re: NoticiasdelCeH MARIA EL
Re: NoticiasdelCeH Daniela
Fw: NoticiasdelCeH Pedro Fe
Re: NoticiasdelCeH Marina L
1405/05 - Desgraba Centro H
1406/05 - Argentin Centro H
Re: NoticiasdelCeH
Re: NoticiasdelCeH Vânia
Re: NoticiasdelCeH Carvajal
1407/05 - Argentin Centro H
1408/05 - Brasil - Centro H
1409/05 - Argentin Centro H
Re: NoticiasdelCeH Cristina
GRACIAS José Arm
1410/05 - Argentin Centro H
1411/05 - El Estad Centro H
1412/05 - The 2006 Centro H
1413/05 - ARGENTIN Centro H
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 6578     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 1408/05 - Brasil - XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu - MG, 18 a 22 de setembro de 2006.
Fecha:Jueves, 27 de Octubre, 2005  21:45:54 (-0300)
Autor:Centro Humboldt <humboldt @...........ar>

 
NCeHu 1408/05

 
Brasil

XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais
DESAFIOS E OPORTUNIDADES DO CRESCIMENTO ZERO

18 a 22 de setembro de 2006
Caxambu- MG



Tema Central:
DESAFIOS E OPORTUNIDADES DO CRESCIMENTO ZERO

 Ao completar 30 anos, a ABEP está, de certa forma, voltando às origens. No momento de surgimento da Associação, as preocupações centrais dos estudos populacionais brasileiros estavam muito voltadas para o que podemos chamar de "núcleo duro" da demografia. A dinâmica demográfica do país passava por transformações rápidas e diversificadas, tanto no que se refere ao crescimento e à composição como à distribuição espacial da população. Nesse contexto, era preciso fazer um grande esforço para dimensionar e quantificar melhor as novas tendências nas diferentes áreas. Para isso, era necessário também aperfeiçoar as técnicas e os instrumentos de medição, além de melhorar a abrangência e a qualidade das informações.

Tais preocupações predominaram durante os primeiros Encontros da Associação, assim como nos vários workshops técnicos que foram realizados durante a década de 70 e inícios da década de 80. Entretanto, no contexto de uma sociedade civil que, embora amordaçada pela ditadura militar, mostrava os primeiros sinais de ebulição, preocupações "científicas" da área demográfica foram sendo complementadas por inquietações mais "políticas". Graças à grande sensibilidade e ao comprometimento social e político de alguns associados, e graças à receptividade entusiasta da maioria, a ABEP passou a incorporar uma série de questões mais abrangentes nas suas discussões. Logo, a ABEP se transformou numa praça de debate dos temas sociais e políticos os mais diversos, onde o fator populacional não deixava de figurar, mas sem marcar limites ou constrangimentos.

Embora não existam informações comparativas, parece bastante segura a afirmação de que a ABEP passou a ser a mais heterogênea das associações de pesquisadores em estudos demográficos. Essa diversificação emprestou um grande dinamismo à ABEP, tornando seus encontros mais interessantes e atraindo associados e colaboradores das mais diversas ciências. Os abepianos adquiriram, nesse processo, uma cultura social mais extensa e puderam dar uma contribuição importante aos processos políticos e sociais que transformaram a sociedade brasileira. Especificamente, tiveram importante papel na alimentação de alguns dos posicionamentos mais liberais que foram adotados na Constituição de 1988 e, internacionalmente, nas deliberações das Conferências de Cairo e Beijing.

Na atualidade, observa-se um crescente consenso entre os associados de que o momento histórico dos estudos populacionais, junto com as novas mudanças no padrão demográfico, exige da ABEP um retorno às suas origens e ao seu "núcleo duro" de pesquisa. Por exemplo, em março deste ano, foi realizado um Workshop com todos os coordenadores de GT da ABEP; para surpresa geral, as discussões apresentaram uma extraordinária convergência em torno da necessidade de retomar aos eixos centrais e às vantagens comparativas da área demográfica na organização das atividades de cada grupo.

Os nossos especialistas anunciam por esses dias a passagem de um evento demográfico histórico para o Brasil: a taxa de fecundidade, que estava em torno de 5 filhos por mulher quando a ABEP foi concebida, deverá logo ficar abaixo do nível de reposição (2.1 filhos por mulher). Em conseqüência, o crescimento populacional deverá logo cair para menos de 1% ao ano. Assim, nas primeiras décadas do século XXI, o Brasil deverá apresentar um menor crescimento populacional, famílias com menor número de filhos, população mais móvel e mais urbanizada, menores taxas de dependência demográfica, uma maior proporção de pessoas em idade produtiva, vivendo em média mais tempo e com melhores níveis educacionais. Evidentemente, o impacto desta nova realidade demográfica só apresentará resultados práticos relativos à elevação da qualidade de vida da população e à redução da pobreza se forem criadas as condições adequadas para o aproveitamento desses novos condicionantes demográficos.

Este é o contexto dentro do qual pretendemos organizar o Encontro "ABEP Mais 30". Celebraremos os avanços conseguidos nesse período, mas convocamos a nossa comunidade a se debruçar também sobre os desafios e as oportunidades que a dinâmica demográfica dos próximos 30 anos vai proporcionar para o país. Temos uma grande responsabilidade no que se refere à compreensão e interpretação das implicações políticas dos fatos em curso. A análise desses novos cenários demográficos e de suas conseqüências exige a atualização do nosso instrumental técnico e metodológico, assim como da forma pela qual dialogamos com a sociedade. A preparação dos futuros demógrafos também requer uma adequação às transformações substantivas e tecnológicas.

Nesse sentido, pretendemos que o próximo Encontro conjugue o passado e o futuro. Ao mesmo tempo em que celebramos nossas conquistas, assim como a nossa expansão substantiva e numérica durante os últimos 30 anos, queremos centrar-nos na análise dos desafios e das oportunidades que teremos que enfrentar nos próximos 30. Para sermos eficientes na compreensão e interpretação do futuro, julgamos ser necessário retornar às nossas origens, à nossa especificidade, à nossas vantagens comparativas, ao nosso "núcleo duro".

 
Chamada de Trabalhos

XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais
DESAFIOS E OPORTUNIDADES DO CRESCIMENTO ZERO

Prezad@s Coleg@s
Como nos Encontros anteriores, a Diretoria da ABEP está tratando de organizar da melhor forma possível o XV Encontro em 2006. Conforme anunciado anteriormente, o eixo central do Encontro será “Desafios e Oportunidades do Crescimento Zero”.
Cumprindo as etapas iniciais de preparação do Encontro, recebemos dos associados e dos Grupos de Trabalho sugestões sobre possíveis temas. Após discussões com o Comitê Científico e com os Coordenadores de GTs e Comitês foi elaborada a seguinte agenda para orientar os interessados na preparação de seus trabalhos para o próximo Encontro.
É muito importante que os associados e demais interessados examinem bem as ementas e sigam rigorosamente o calendário aqui proposto; desta colaboração dependerá o êxito do nosso Encontro.


Temas para submissão de trabalhos

Tema 1 - Desafios e Oportunidades do Crescimento Zero
Tema 2 - Fecundidade, Nupcialidade, Comportamento Reprodutivo, Juventudes
Tema 3 - Mortalidade, Morbidade, Saúde, Programas e Serviços de Saúde
Tema 4 - Gênero, Família, Conjugalidade
Tema 5 - Migrações, Deslocamentos Populacionais
Tema 6 - População e Meio Ambiente, Dinâmica Urbana, Impactos Ambientais, Uso e Ocupação do Solo
Tema 7 - Mercado de Trabalho, Ocupação, Desigualdade Social, Pobreza
Tema 8 - Demografia Histórica
Tema 9 - Povos Indígenas, Demografia da Educação
Tema 10 - Demografia Aplicada, Planejamento, Geodemografia
Tema 11 - Sistema de Informações, Censos, Pesquisas
Tema 12 - Metodologias
Tema 13 - Jovens Pesquisadores


Gentileza de Nathan Belcavello.