Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 6321 al 6340 
AsuntoAutor
1387/05 - La impor Centro H
1388/05 - Brasil - Centro H
1389/05 - La nueva Centro H
1390/05 - EL CAMIN Centro H
1391/05 - Retazos Centro H
1392/05 - Argentin Centro H
1393/05 - O saque, Centro H
1394/05 - Argentin Centro H
1395/05 - Brasil l Centro H
1396/05 - Wilma en Centro H
RE: NoticiasdelCeH David Ro
Ref. 1387/05 - Agr Centro H
1397/05 - Territor Centro H
1398/05 - LIBRE C Centro H
1399/05 - Argentin Centro H
1400/05 - Argentin Centro H
1401/05 - Brasil - Centro H
12402/05 - Argenti Centro H
1403/05 - Argentin Centro H
1404/05 - IGU 2006 Centro H
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 6562     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 1401/05 - Brasil - Foco em Milton Santos (Eduardo Bastos)
Fecha:Martes, 25 de Octubre, 2005  21:40:12 (-0300)
Autor:Centro Humboldt <humboldt @...........ar>

NCeHu 1401/05

Brasil
Cinema
Foco em Milton Santos

O diretor Sílvio Tendler lançará em 2006 filme sobre o conceituado geógrafo
baiano

Eduardo Bastos


 
O carioca Sílvio Tendler confirma sua vocação para filmar personalidades
baianas. Depois de fazer filmes sobre Castro Alves, Carlos Marighela e Glauber
Rocha, o cineasta vai levar às telas, no início de 2006, um longa-metragem
sobre o geógrafo Milton Santos.

A confirmação foi dada por Tendler durante sua recente visita a Iraquara, na
Chapada Diamantina, onde participou, como palestrante, do I Festival
Latino-Americano de Vídeo Ambiental.

A película tem como base uma entrevista gravada pelo cineasta pouco antes da
morte do geógrafo, em 2001. “Foi a última entrevista de Milton Santos e ele
falou tudo o que pensava da vida. Percebi que não era só um intelectual, mas,
por causa de sua clarividência, conseguia antever muitas coisas”, constata
Tendler.

Os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001 teriam sido uma delas, na
visão do cineasta. “Em janeiro de 2001, ele disse que não estávamos prestando
atenção nos árabes. Milton Santos tinha uma visão de mundo muito grande e
conseguiu prever coisas como a globalização e a privatização da saúde, que veio
no ano passado”.

A discussão em torno da globalização, uma das principais preocupações do
geógrafo, é o tema determinante do filme, batizado de Milton Santos e o Mundo
Global Visto do Lado de Cá. À entrevista estão sendo acrescentadas imagens
ilustrativas do tema.

“Tudo o que a gente vê vira imagem”, filosofa Tendler. “Em Iraquara, por
exemplo, filmei uma feira com produtos de valores globalizados, um cyber café,
pessoas do interior tendo acesso à internet”.

Há também depoimentos de personalidades como o professor Boaventura Santos, o
estudioso americano Noam Chomsky, o uruguaio Eduardo Galeano, além de imagens
do discurso do escritor português José Saramago no Fórum Mundial e de fatos
como lutas sociais no Uruguai e Argentina.

O geógrafo pernambucano Josué de Castro foi o elo de ligação entre Tendler e
Santos. O cineasta havia ido a Paris, em 1995, entrevistá-lo para um filme e
conheceu pessoalmente o geógrafo baiano, que era discípulo de Castro.

“Ficamos amigos e decidimos fazer algo juntos. Depois de alguns encontros,
Milton foi dar uma palestra no Rio de Janeiro e eu fui filmar, mas ele ficou
doente. Mas concedeu a entrevista em janeiro de 2001”, recorda.

Sílvio Tendler é diretor de filmes como Glauber, O Filme – Labirinto do Brasil e
o média Memória e História em Utopia e Barbárie, que será transformado no longa
Utopia e Barbárie. “Este será um filme autobiográfico, sobre ter 18 anos em
1968”, diz o cineasta.

Tendler recorre a uma metáfora para classificar seu estilo de filmar: “O cinema
que faço é um pouco de sopa de pedra, vou juntando os fragmentos até virar
filme. É um cinema permanentemente em construção, não gosto de um roteiro
preestabelecido, mas de uma idéia”.

Ele considera Utopia e Barbárie e Milton Santos e o Mundo Global Visto do Lado
de Cá como duas faces da mesma moeda: o primeiro é sobre o passado, o segundo,
sobre o futuro. Além desses dois filmes que ainda irão estrear, Tendler revela
“um velho sonho oculto” – de filmar sobre a Revolta dos Alfaiates, a famosa
conjuração baiana.

Casado com uma baiana de Feira de Santana, ele afirma que a fixação por temas da
Bahia não é intencional. “Não tem nada de preconcebido, acho que a Bahia tem
grandes personalidades”.

Considerado por muitos o maior geógrafo brasileiro, o professor Milton Santos
(1926-2001) enfatizou o aspecto humano da geografia e foi um crítico da
globalização perversa. Introduziu importantes discussões na geografia, como a
retomada de autores clássicos, e participou do movimento de renovação crítica
da disciplina.

Foi o único estudioso, fora do mundo anglo-saxão, a receber o mais alto prêmio
internacional em geografia, o Prêmio Vautrin Lud (1994), o equivalente ao Nobel
na geografia.



Fuente: ListaGeografía/Brasil.