Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 3500 al 3519 
AsuntoAutor
889/04 - " Crisis Humboldt
890/04 - China y A Humboldt
891/04 - Acerca d Humboldt
894/04 - Bolivia : Humboldt
895/04 - México : Humboldt
893/04 - La soci Humboldt
892/04 - No es una Humboldt
896/04 - Los Bush, Humboldt
897/04 - COLOMBIA- Humboldt
898/04 - ESCOLARID Humboldt
899/04 - El Desarr Humboldt
900/04 - Accionar Humboldt
901/04 - La Transf Humboldt
INVITACIÓN A CURSO Pablo Ca
902/04 - PLANIFICA Humboldt
903/04 - Crisis en Humboldt
RE: NoticiasdelCeH ariel lo
904/04 - ESCOLARID Humboldt
905/04 - SEMINARIO Humboldt
906/04 - 100 BECAS Humboldt
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 3717     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 895/04 - México : perto do inferno
Fecha:Lunes, 7 de Junio, 2004  00:43:28 (-0300)
Autor:Humboldt <humboldt @............ar>

 
NCeHu 895/04

 
México: perto do inferno 
 
Emir Sader
JB Online


O México está menos longe de Deus - depois de várias décadas, o governo restabeleceu relações com a Igreja, rompidas na revolução mexicana - mas continua muito perto dos Estados Unidos. Trata-se da única fronteira entre o Primeiro e o Terceiro mundos. Quando alguém consegue cruzá-la, sai do Terceiro e chega ao mais rico país do Primeiro Mundo.
Um mexicano que faz todo esse esforço, correndo tantos riscos diante do muro quilométrico que separa os dois países, chega a Estados que foram mexicanos - Califórnia, Texas ou Flórida -, até que os EUA os anexasse. Foi uma perda tão grande e traumática que, na Primeira Guerra Mundial, quando a Alemanha quis obter o apoio do México contra os EUA, lhe prometeu a devolução desses territórios. Os mexicanos pensaram bem e chegaram à conclusão de que era melhor não voltar a mexer no problema: se os alemães perdiam a guerra, os EUA poderiam anexar o resto do território mexicano.
Hoje o México vive outro fracasso que também tem a ver com seu poderoso vizinho do Norte. O fracasso do governo de Vicente Fox, ex-gerente geral da Coca-Cola. Tendo ainda quase a metade do mandato pela frente, o governo está completamente paralisado. Primeiro foi uma das vítimas dos atentados de setembro de 2001 nos EUA, porque Fox havia alegado suas boas relações com o xerife texano recém-eleito presidente, George Bush, para normalizar a situação dos milhões de mexicanos que trabalham ilegalmente do outro lado da fronteira. O endurecimento no controle da entrada de pessoas bloqueou totalmente as pretensões de Fox. Segue assim o drama da fronteira: há 2 mil detenções diárias de mexicanos tentando cruzar clandestinamente para os EUA e a policia norte-americana considera que para cada mexicano detido há outro que tem sucesso na tentativa. Acumula-se a quantidade de mortos, alvejados pela policia ou na dura travessia do deserto.
Fox disse que resolveria a questão de Chiapas em poucas horas. Depois de fracassar rotundamente, tem que assistir aos zapatistas consolidarem seus governos locais.
Tendo sido eleito presidente sem maioria no Congresso, Fox teve de negociar com o PRI, Partido Revolucionário Institucional, deslocado por ele do governo, depois de mais de 70 anos, e com o esquerdista PRD, Partido da Revolução Democrática. Não pôde avançar nas reformas neoliberais prometidas e foi derrotado nas eleições parlamentares de julho do ano passado, que decretaram praticamente o esgotamento do governo.
Com isso, os EUA perderam aquele que era sua principal aposta como liderança continental vinculada a Washington. O clima eleitoral se instalou definitivamente no país, tanto no PRI, que sonha com a possibilidade de voltar ao governo, como no próprio partido governamental, o PAN, e no PRD, que conta com o prestígio do governador do Distrito Federal, Andrés Manuel Lopez Obrador, favorito nas pesquisas até aqui.
A estagnação da economia mexicana, que havia crescido ao compasso da expansão norte-americana e a acompanha na recessão, teve ainda de sofrer a fuga das empresas instaladas no Norte do país para explorar mão-de-obra barata (foram para a China, onde os salários são ainda mais baixos). O balanço do neoliberalismo na América Latina, feito pela Unctad para sua reunião de São Paulo, entre os dias 13 e 20 próximos, toma o México como melhor exemplo do fracasso neoliberal. Nos 10 anos de vigência do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), o salário real da maioria dos trabalhadores diminuiu, aumentou a desigualdade e os trabalhadores do campo viram recair sobre suas costas o preço mais duro dos ajustes fiscais.
O que fracassa também com a crise mexicana é a política norte-americana de integração. O que é a Nafta para os mexicanos, seria a Alca para nós. Razão a mais para avançar na proposta de integração sul-americana do novo Mercosul, única via para fugirmos dos males que o México sofre e desenvolvermos um projeto de desenvolvimento regional que promova simultaneamente a soberania nacional, a da região e a justiça social de que tanto necessitamos.

Fuente: ListaGeografía/Brasil, 6 de junio de 2004.