Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 3321 al 3340 
AsuntoAutor
752/04 - El trabaj Humboldt
750/04 - ESPECIALI Humboldt
751/04 - Popper, H Humboldt
758/04 - La crisis Humboldt
757/04 - Rumbo al Humboldt
756/04 - China y e Humboldt
755/04 - Natureza Humboldt
754/04 - Primer Fo Humboldt
753/04 - Proyecció Humboldt
759/04 - " América Humboldt
760/04 - El 21 de Humboldt
761/04 - LA DIÁSPO Humboldt
762/04 - ESPECIALI Humboldt
765/04 - ESPECIALI Humboldt
764/04 - ¿ De dónd Humboldt
7ma Conferencia Sociedad
763/04 - Jornadas Humboldt
Re: NoticiasdelCeH rschilan
766/04 - GESTION A Humboldt
767/04 - "METROPOL Humboldt
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 3535     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 755/04 - Natureza da globalizacao ( Eduardo Geraque )
Fecha:Lunes, 17 de Mayo, 2004  23:50:46 (-0300)
Autor:Humboldt <humboldt @............ar>

NCeHu 755/04

 
Natureza da globalização  

  
De volta à USP nesta quarta-feira, onde é professor emérito, Fernando Henrique Cardoso proferiu a conferência do mês no Instituto de Estudos Avançados sobre a nova ordem internacional.
Eduardo Geraque


Manter uma relação estável com os EUA, apesar da política externa unilateral do presidente George W. Bush. Investir em parceriais multilaterais regionais com os parceiros latino-americanos. Olhar para o mundo e procurar novas
oportunidades econômicas
e não apenas buscar o poder pelo poder.

A saída para que o Brasil continue com chances de não se tornar irrelevante no cenário internacional desse início de milênio passa por esses três caminhos.

A assinatura da receita é do sociólogo e ex-presidente da República, Fernando Henrique Cardoso, que esteve nesta quinta-feira de volta à USP, onde tem o cargo de professor emérito.

Durante a conferência do mês do Instituto de Estudos Avançados (IEA), Cardoso falou por mais de uma hora - sobre política, apenas nas entrelinhas. Coerente com o título da conferência, Desafios da Ordem Internacional, procurou mostrar como o mundo mudou, principalmente nos últimos dez anos.

Para ele, não adianta mais competir com a China e a Índia pelo investimento externo. 'Essa competição o Brasil já perdeu', disse. Olhar para os vizinhos brasileiros é um destino e não deve ser apenas uma circunstância qualquer.

'Vejam casos positivos, como a compra de petróleo da Argentina e da Venezuela ou o gasoduto Brasil-Bolívia'.
Continuar olhando para o norte é também essencial, mas isso não significa a ausência de conflitos entre Brasil e EUA.

Dentro do conjunto de forças nacional, regional e global, Cardoso, que falou para um auditório quase lotado, não tem dúvidas.

'É preciso estar preparado para participar, com agressividade, nas instituições de decisão global, como é o caso da Organização Mundial de Comércio', alerta. Bancos internacionais, como o FMI, já estariam ultrapassados.

'Não se toma uma decisão no Fundo, hoje, sem o aval dos EUA
. O FMI, criado em um contexto totalmente diferente, no pós-guerra, precisa se modernizar. É preciso que exista mais independência e transparência em órgãos como esse', afirmou.

Cardoso não acha também que a Área de Livre Comércio das Américas (Alca) seja algo sem importância. 'Em relação às nossas exportações, vendemos manufaturas apenas para a América Latina e EUA. Para a Europa e China, o que exportamos, na verdade, são commodities. Isso mostra que a discussão da Alca é muito importante.'

No
contexto do mundo assimétrico desenhado pelo ex-presidente, aproximações do Brasil com a China devem ser consideradas estratégias essenciais. 'Temos que ser negociadores, sempre.

E, ainda mais, termos em mente que uma estratégia errada, tomada em determinado ponto, poderá ter conseqüência terríveis. Não agora, mas daqui a 30 anos', disse.
(Agência Fapesp, 6/5)

Fuente: ListaGeografía/Brasil.