Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2901 al 2920 
AsuntoAutor
348/04 - SEMINARIO Humboldt
III Conferencia Ge VDC
349/04 - Irak: 'Ge Humboldt
350/04 - Consenso Humboldt
351/04 - PANEL INS Humboldt
352/04 - PRESENTAC Humboldt
353/04 - ALTITUD A Humboldt
354/04 - Rutas de Humboldt
Geografia Criolla VDC
355/04 - LA DINAMI Humboldt
Re: NoticiasdelCeH dante
Fw: NoticiasdelCeH Pedro An
356/04 - El precio Humboldt
357/04 - El mapa g Humboldt
358/04 - La más gr Humboldt
359/04 - Los acont Humboldt
360/04 - "Hay que Humboldt
361/04 - La global Humboldt
362/04 - Sobre la Humboldt
364/04 - Acto Home Humboldt
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 3126     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 362/04 - Sobre la sustentabilidad
Fecha:Sabado, 20 de Marzo, 2004  17:10:09 (-0300)
Autor:Humboldt <humboldt @............ar>

 
 
NCeHu 362/04
 
NRNCeHu: algunas reflexiones de un compañero brasileño sobre la 'contaminación economicista' del término sustentabilidad, vertidas a la lista de los colegas del Brasil.
 
 

El concepto de Sustentabildad
 
Patrícia e companheiros,

    A questão da sustentabilidade, conforme tenho colocado para meus alunos, parece estar muito mais relacionada com a retomada do sentido primeiro da palavra economia. Como geógrafos, todos sabemos que a economia, via atividades econômicas e via trabalho humano, é o motor das transformações espaciais. O que é preciso retomar do conceito é a sua função original: prover!
    A economia globalizada está muito distante de prover as necessidades básicas de quase toda a humanidade. Na verdade, o interesse ( ou função) dessa super estrutura não é esse. Entretanto, o poder que tem de interferir no meio-ambiente (inclua-se a humanidade) é assustador. Por essa razão, nós geógrafos precisamos embarcar em um projeto de economias locais, dentro deste conceito novo, a sustentabilidade. Quando pensamos em Amazônia, por exemplo, logo vemos dois ou mais tipos de economia que se antagonizam: por um lado, a dos grandes projetos governamentais que visam a "integração" (ou
entregação, como diz o prof. Ariovaldo Umbelino) ao restante do território brasileiro e ao grande esquema globalizatório (globalizotário?). Por outro lado, a das comunidades tradicionais, adaptadas ao meio, que com ele coexistem e a ele se adequam provendo suas necessidades com a maior dignidade, mas sem o luxo da civilização ocidental "classe-média". Aí, ao
invés do capital grosseiro e insensível que - curiosamente - parece arrastar para todos os lados o deserto das atividades homogeneizadoras (como a soja, o eucalipto, os pastos...), podemos nos referir aos índios, aos seringueiros, a populaçào ribeirinha, como os portadores do conhecimento necessário para impor uma nova dinâmica à economia global, à partir da
local.
   É hora de virar o jogo pois, como alguem já dizia, pode vir a barbárie por aí...

Andrè Bossan

Extraído de la Listageografía/Brasil, 20 de marzo de 2004.