Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2721 al 2740 
AsuntoAutor
181/04 - QUINTAS J Humboldt
182/04 - Field Stu Humboldt
183/04 - Globaliza Humboldt
180/04 - La irrupc Humboldt
179/04 - La famili Humboldt
187/04 - I SEMINAR Humboldt
184/04 - CENTRO FR Humboldt
185/04 - Delimitac Humboldt
186/04 - Eventos n Humboldt
188/04 - X REUNIÓN Humboldt
192/04 - Las inver Humboldt
193/04 - Haití: un Humboldt
196/04 - Revista Humboldt
191/04 - O desmata Humboldt
189/04 - Puerto Ri Humboldt
190/04 - España: E Humboldt
197/04 - Informe G Humboldt
195/04 - La global Humboldt
194/04 - Sao Paulo Humboldt
201/04 - "Repensa Humboldt
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 2941     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 194/04 - Sao Paulo tem 77 microclimas diferentes
Fecha:Lunes, 16 de Febrero, 2004  00:34:42 (-0300)
Autor:Humboldt <humboldt @............ar>


 NCeHu 194/04



                                     A divisão, que está no Atlas Ambiental do município, leva em conta fatores
                                                                como uso e ocupação do solo e áreas verdes

                                             São Paulo tem 77 microclimas diferentes


Em 1554, o planalto de Piratininga, onde Anchieta construiu o colégio que deu origem a São Paulo, era uma região de temperaturas estáveis, mais fria, onde, além dos pinheiros (daí o nome do rio que corta a cidade), predominavam quatro climas que se dividiam, por causa de fatores como relevo, altitude e circulação dos ventos, em 26 microclimas.
Passaram-se 450 anos, e os paulistanos hoje vivem num mosaico de 77 microclimas (restritos a áreas específicas) que reflete uma urbanização e ocupação do solo desigual, desordenada e ambientalmente despreocupada.
A divisão está no Atlas Ambiental do Município de São Paulo, feito pelas secretarias municipais do Verde e do Meio Ambiente e do Planejamento, com financiamento da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Ela foi além do conceito tradicional de clima, somando a ele características sociológicas.
Na atualização do mapa dos climas naturais, foram fundamentais fatores como o tipo dominante de construção (vertical ou horizontal), a presença de bairros-jardins, a predominância de comércio ou indústria, a existência de importantes vias de tráfego, favelas, grandes parques ou áreas de proteção ambiental (APAs).
As principais distinções entre os microclimas dizem respeito à temperatura e ao conforto térmico (muito calor no verão e muito frio no inverno). "Mas as pessoas também podem sentir diferenças na ventilação, na umidade e na concentração de poluição", diz Patricia Marra Sepe, chefe da assessoria técnica da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente.
 
Grande unidades climáticas
Para efeito de climas urbanos, a cidade foi dividida em quatro grandes unidades, mais homogêneas no tipo de ocupação e nos atributos naturais. No interior delas, ocorrem as subdivisões.
A Unidade Climática Urbana Central abrange todo o centro expandido, mais distritos que estão fora do anel formado pelas marginais Tietê e Pinheiros, como Morumbi, Butantã, Pirituba, Tucuruvi, Vila Maria, Vila Guilherme e Santana. Nela, os principais fatores condicionantes do clima são as densidades de prédios, carros e atividades econômicas. É dentro dela que
estão as ilhas de calor.
Na Unidade Climática Urbana Periférica estão as regiões mais afastadas do centro, onde se concentram as favelas e os conjuntos habitacionais populares, nos extremos leste, norte e oeste, além dos distritos à beira das represas Billings e Guarapiranga. Quem vive nesses locais enfrenta principalmente o desconforto térmico.
À Unidade Climática do Urbano Fragmentado pertence o extremo sul da cidade (Marsilac e Parelheiros), onde a ocupação é rarefeita e predomina um clima mais frio e úmido -o mesmo que domina a Unidade Climática Não-Urbana, onde
está apenas a APA Capivari-Monos, também no extremos sul da cidade.
Para chegar ao mapa dos 77 microclimas, o geógrafo José Roberto Tarifa, professor aposentado da USP, sobrepôs no mapa dos climas naturais os dados de uso e ocupação do solo, além de informações sobre qualidade do ar, dados resultantes de medições de temperatura in loco e imagens de satélite do calor superficial.
(MARIANA VIVEIROS)

Fuente: Folha de Sao Paulo, 15 de febrero de 2004.
Gentileza de Patricia Vasconcelos Frota; listageografía@yahoogroups.com .