Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2721 al 2740 
AsuntoAutor
181/04 - QUINTAS J Humboldt
182/04 - Field Stu Humboldt
183/04 - Globaliza Humboldt
180/04 - La irrupc Humboldt
179/04 - La famili Humboldt
187/04 - I SEMINAR Humboldt
184/04 - CENTRO FR Humboldt
185/04 - Delimitac Humboldt
186/04 - Eventos n Humboldt
188/04 - X REUNIÓN Humboldt
192/04 - Las inver Humboldt
193/04 - Haití: un Humboldt
196/04 - Revista Humboldt
191/04 - O desmata Humboldt
189/04 - Puerto Ri Humboldt
190/04 - España: E Humboldt
197/04 - Informe G Humboldt
195/04 - La global Humboldt
194/04 - Sao Paulo Humboldt
201/04 - "Repensa Humboldt
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 2938     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 191/04 - O desmatamento na Amazonia
Fecha:Domingo, 15 de Febrero, 2004  21:49:59 (-0300)
Autor:Humboldt <humboldt @............ar>

 
NCeHu 191/04

 
PECUÁRIA É A PRINCIPAL CAUSA DE DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA, DIZ ESTUDO



Grande parte do desmatamento recente na Amazônia brasileira tem como principal causa a pecuária de médio e grande porte. Essa é a principal conclusão do estudo intitulado Causas do Desmatamento da Amazônia Brasileira, do economista ambiental Sérgio Margulis, apresentado nesta quinta-feira (12) aos ministros da Integração Nacional, Ciro Gomes, e do
Meio Ambiente, Marina Silva, na sede do Banco Mundial, em Brasília (DF).

O estudo mostra que hoje 12% da Amazônia Legal, cerca de 600 mil km², são áreas de atividade agropecuária. A atividade também seria responsável por 75% das áreas desmatadas na região amazônica. A grande lucratividade da pecuária foi apontada como o maior empecilho para a conscientização dos pecuaristas para evitar o aumento das derrubadas. Segundo o estudo, um pecuarista ganha, em média, US$ 75 por ano por hectare desmatado, mas os custos sociais seriam ainda maiores, de US$ 100 dólares por ano por cada hectare.

Esse seria, segundo Margulis, um forte argumento para que o governo negociasse com os pecuaristas uma forma de compensação que evitasse o desmatamento desordenado da floresta.

Para o ministro Ciro Gomes, é necessário criar alternativas econômicas viáveis para as áreas que já foram desmatadas e criminalizar os desmatamentos futuros. "Existem vastas extensões desflorestadas que estão subtilizadas ou abandonadas que devem ser ocupadas para desestressar a fronteira adiante do desflorestamento e para mostrar a possibilidade de um
manejo florestal inclusive mais rentável e mais lucrativo do que destruir a floresta para criar boi", afirmou.

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, lembrou que o manejo florestal, ou uso das riquezas da floresta de maneira sustentável, pode ser uma alternativa em substituição à derrubada da floresta. "Além do mais não se precisa ter toda uma estrutura para coibir o desmatamento ilegal ou o uso ilegal da floresta", disse a ministra.

Marina Silva lembrou que já estão em andamento duas ações governamentais importantes para evitar o desmatamento, o programa Amazônia Sustentável, que trabalha políticas de desenvolvimento para a região pensando os programas de
infra-estrutura voltados para o desenvolvimento sustentável, tecnologias avançadas, inclusão social e ordenamento territorial, e o Programa de Combate ao Desmatamento, coordenado pela Casa Civil com a participação de 11 ministérios, cujo trabalho está prestes a ser concluído e que propõe políticas focalizadas nas áreas de desmatamento.

"Não é uma tarefa fácil, não se consegue inverter um processo como esse da noite para o dia, mas há um esforço integrado de governo pela primeira vez, já que a tarefa de combater o desmatamento na Amazônia não é uma tarefa apenas do Ministério do Meio Ambiente, se constitui num esforço de governo e uma parceria muito forte com os governos estaduais", disse a ministra.

Marina Silva informou ainda que estudos recentes mostram que o atual governo conseguiu evitar em 2003 cerca de 30% do que foi devastado na Amazônia em 2002. (Agência Brasil)


Fuente: Patricia Vasconelos Frota, de listageografía@yahoogroups.com , 15/2/04.