Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2701 al 2720 
AsuntoAutor
=?utf-8?Q?163/04_- Humboldt
164/04 - Valoració Humboldt
161/04 - Curso Int Humboldt
162/04 - VI Promoc Humboldt
166/04 - Geografía Humboldt
Re: NoticiasdelCeH Susana C
171/04 - AÑO DE LA Humboldt
170/04 - MAESTRÍA Humboldt
169/04 - " A confi Humboldt
168/04 - "Mercosul Humboldt
167/04 - Los últim Humboldt
165/04 - ' Ellos Humboldt
181/04 - QUINTAS J Humboldt
182/04 - Field Stu Humboldt
183/04 - Globaliza Humboldt
176/04 - Haití: su Humboldt
180/04 - La irrupc Humboldt
179/04 - La famili Humboldt
178/04 - Inmigraci Humboldt
177/04 - El desafí Humboldt
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 2913     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 169/04 - " A configuracao de uma nova realidade geopol ítica na Asia "
Fecha:Miercoles, 11 de Febrero, 2004  13:26:06 (-0300)
Autor:Humboldt <humboldt @............ar>

 
NCeHu 169/04

 
A configuração de uma nova realidade geopolítica na Ásia

                                                                                                                         Paulo Fagundes Vizentini


    A evolução da Ásia a partir do encerramento da Guerra Fria e do desaparecimento da União Soviética foi rápida e profunda, gerando uma nova realidade ainda não devidamente avaliada. Hoje, é preciso pensá-la num contexto mais amplo, pois nos últimos anos suas diversas regiões constitutivas, que se encontravam compartimentadas, têm se encaminhado para a fusão em um único cenário estratégico. De fato, o continente asiático esteve, neste século, submetido a uma série de divisões, cujas formas e abrangência se alteraram, sem que o problema desaparecesse. A Guerra Fria não fez senão tornar ainda mais herméticas as fronteiras entre as regiões, tais como o anel insular sob controle norte-americano, a massa continental socialista (dividida desde os anos 60 entre a RP da China e a Sibéria e Ásia central soviéticas), o sub-continente indiano influenciado pelo neutralismo, o sudeste asiático em conflito e em disputa, o que também era o caso de outra região asiática, o Oriente Médio.
      Com o fim da Guerra Fria, vários "muros" asiáticos ruíram. A normalizaçãosino-soviética, realizada durante o Novo Curso diplomático da Perestroika deGorbachov, aprofundou-se ainda mais com a desintegração da URSS em fins de 1991. Desde então, a cooperação entre a Rússia e a RP da China tem sido intensa nos campos econômico-comercial, tecnológico-militar, diplomático e de segurança. Especialmente importante têm sido as vendas de armamento sofisticado e a transferência de tecnologia avançada no campo aero-espacial e nuclear. Independente das possíveis mudanças que venham a ocorrer na política interna russa, esta cooperação tende a se manter. A queda do "muro sino-soviético", por outro lado, também permitiu a integração progressiva da Sibéria ao dinamismo econômico da Ásia-Pacífico, seja diretamente ao capitalismo oceânico transnacionalizado, seja via cooperação bilateral com o socialismo de mercado chinês. A implantação de um grande número de joint-ventures, envolvendo as mais curiosas parcerias (por exemplo, sino-sul-coreanas), está transformando estruturalmente a geografia econômica da região siberiana e, conseqüentemente, a geopolítica da Ásia.
     A normalização política que se seguiu aos acordos de paz do Camboja em 1992, por sua vez, terminou com o isolamento da Indochina em relação ao restante do sudeste asiático. Esta nova dimensão diplomático-estratégica, associadam ao dinamismo econômico da região, propiciou o acercamento sino-vietnamita e uma crescente cooperação de Beijing com a ANSEA. Embora se ressalte muito na mídia uma tendência ao "expansionismo chinês" na região e exagere-se o litígio das ilhas Spratli, tanto os interesses econômicos como a criação de um diálogo permanente no campo da segurança, têm criado uma situação de crescente cooperação entre a China e o sudeste asiático. Desta forma, não apenas desapareceu o fosso que separava a Indochina da ANSEA, como também se iniciou um crescente relacionamento econômico e político do gigante chinêscom toda a área, na qual, anteriormente, o conflito indochinês contribuía
para isolar os atores regionais.
    Outra região que possuía uma dinâmica própria e uma inserção internacional específica, e que hoje começa a vincular-se ao dinamismo da Ásia Oriental, é o sub-continente indiano. A Índia caracterizava-se por uma industrialização substitutiva e auto-centrada, e era aliada de Moscou no plano estratégico (vale dizer, anti-chinesa), apesar de sua diplomacia neutralista voltada ao não-alinhamento e ao Terceiro Mundo. Tudo isto projetava a Índia mais para o cenário do Oceano Índico do que para a Ásia-Pacífico. O colapso da União Soviética, a ascensão econômica da Ásia Oriental e sudeste, os efeitos da
globalização econômica e da Revolução Tecno-científica, a normalização das relações da China com seus vizinhos e as novas ameaças à segurança indiana, levaram Nova Delhi tanto a abrir sua economia, como a concertar algo mais que um simples modus vivendi com a China e a integrar-se ao ciclo de desenvolvimento asiático. Evolução idêntica, mas mais radical, ocorreu com Myanmar, onde a junta militar fomenta a captação de investimentos internacionais e a inserção na economia mundial, enquanto consolida um regime autoritário e busca o apoio da China.
    Quase simultaneamente, o espaço geopolítico asiático ampliava-se ainda mais com o surgimento de novos Estados, resultantes do desmembramento da URSS. A antiga Ásia Central Soviética, detentora de uma posição estratégica
privilegiada e de imensos recursos naturais, entre os quais o petróleo, inicialmente manteve sua dependência em relação à Rússia, nos quadros da Comunidade de Estados Independentes. Mas o rápido declínio econômico,
militar e diplomático de Moscou levaram o Cazaquistão (que solicitou sua adesão a ANSEA), Usbequistão, Tadjiquistão, Quirguistão e o Turcomenistão a buscar novas alternativas, inclusive porque as potências médias da região,
Irã, Turquia, Arábia Saudita, Paquistão, Índia e China, por razões econômicas, políticas e por determinadas vinculações históricas, étnicas e religiosas, não permaneciam passivas frente ao vácuo de poder criado na
região, projetando sua diplomacia em direção a esta área. Assim, além de ampliado, o conjunto asiático tornou-se mais diversificado, com a abertura de uma "nova fronteira" econômica e política.
   A independência dos países muçulmanos da antiga Ásia Central Soviética, por outro lado, afetou diretamente o Oriente Médio, ampliando seu interland e colocando-o em contato direto com a Ásia. Como foi mencionado anteriormente,
potências médias da região, como Turquia, Irã, Arábia Saudita e Paquistão, lutam por estender sua influência à Ásia Central, sendo o interminável conflito afegão um dos pivôs do novo jogo geopolítico. Além disso, a fronteira impermeável que antigamente separava a URSS do Oriente Médio, desapareceu com a formação dos novos Estados. Assim, se por um lado o fator islâmico hoje consegue projetar-se para o interior do território da CEI, por outro, este constitui um caminho de mão dupla, pois também significa a abertura de um corredor de dificílimo controle entre a Rússia industrial e os países árabes e leste-africanos. Hoje, por esta região sensível, definida em fins dos anos 70 por Zbigniew Brzezinski como o Arco das crises, circulam armas convencionais e não-convencionais russas, muitas vezes à margem dos governos.
   Esta é uma das lógicas da presença americana na região desde a Guerra do Golfo, as quais conferem sentido à intervenção (fracassada) na Somália e o apoio dos Estados Unidos (via Paquistão) aos Talibãs no Afeganistão. Washington busca não apenas ter um acesso direto aos recursos econômicos da Ásia central, como procura evitar que a região torne-se uma espécie de zona de contato entre a Ásia e a Europa. A reabertura da Rota da Seda, antiga ligação terrestre entre a Europa e a Ásia anterior à Era das navegações, é bem mais do que um episódio vinculado ao turismo. Contudo, de momento, o mais importante é que o potencial conflitivo da região e a dimensão de cerco, real ou potencial, que a estratégia norte-americana provoca (sobretudo em relação à China), fazem com que a noção de segurança asiática seja ampliada para a Ásia Central e, através dessa, ao próprio OrienteMédio. Assim, embora essa última região possua vínculos econômicos relativamente modestos com a Ásia, novos problemas têm permitido o estabelecimento de um contato mais sistemático entre os dois cenários, anteriormente distantes. Lentamente, a Ásia política começa a se identificar com a Ásia geográfica e, ainda mais importante, progressivamente esboça-se a noção de Eurásia, analisada adiante.

fonte:
http://educaterra.terra.com.br/cgi-bin/index_frame/vizentini/artigos/artigo_148.htm


Extraído de: listageografía@yahoogroups.