Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 19301 al 19320 
AsuntoAutor
=?utf-8?Q?364/21_- Centro H
365/21 - HABITA«√O Centro H
366/21 - Conferenc Centro H
367/21 - XIII Jorn Centro H
368/21 - "CONOCER Centro H
369/21 - POSGRADOS Centro H
370/21 - VULNERABI Centro H
371/21 - Milton Sa Centro H
372/21 - VIAJANDO: Centro H
373/21 - LA ENFERM Centro H
374/21 - China: el Centro H
375/21 - A PANDEM Centro H
Fwd: programas pub ana mari
376/21 - PROGRAMA Centro H
377/21 - SE REALIZ Centro H
378/21 - A RELA«√O Centro H
379/21 - GEOGRAFIA Centro H
380/21 - Tercera J Centro H
381/21 - PROGRAMA Centro H
382/21 - POSSIBILI Centro H
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
PŠgina principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 19646     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu =?utf-8?Q?364/21_-_AS_RELA=C3=87=C3=95ES_ENTRE_URBAN?= =?utf-8?Q?IZA=C3=87=C3=83O_E_INDUSTRIALIZA=C3=87=C3=83O_NO_RIO?= =?utf-8?Q?_GRANDE/RS_NOS_PRIMEIROS_ANOS_DO?= =?utf-8?Q?_S=C3=89CULO_XX__?=
Fecha:Miercoles, 3 de Noviembre, 2021  16:07:08 (-0300)
Autor:Centro Humboldt <noticias @..............org>

NCeHu 364/21

 

AS RELA√á√ēES ENTRE URBANIZA√á√ÉO E INDUSTRIALIZA√á√ÉO NO RIO GRANDE/RS NOS PRIMEIROS ANOS DO S√ČCULO XX¬†

 

Andrea Maio Ortigara

Universidade Federal de Pelotas

Rio Grande - Brasil

 

 

INTRODUÇÃO

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† No presente estudo constitu√≠mos um panorama sobre como a sociedade do munic√≠pio do Rio Grande, cidade portu√¡ria localizada no extremo sul do Rio Grande do Sul, se inseriu no mercado cultural e econ√īmico mundial nos primeiros anos do s√©culo XX. Para tanto, analisamos a expans√£o urbana do Rio Grande no final do s√©culo XIX e in√≠cio do s√©culo XX, influenciada diretamente pelo estabelecimento de complexos industriais na cidade. Fundamentamos a pesquisa em Lefebvre, ao afirmar que ‚Äúo urbano eŐĀ a simultaneidade, a reuni√£o, eŐĀ uma forma social que se afirma‚ÄĚ (1976, p. 159), enquanto a cidade ‚ÄúeŐĀ um objeto espacial que ocupa um lugar e uma situa√ß√£o‚ÄĚ (2002, p. 65) ou ‚Äúa proje√ß√£o da sociedade sobre um local‚ÄĚ (2001, p. 56).

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Neste estudo, o espa√ßo √© compreendido como espa√ßo social, um espa√ßo vivido, em estreita rela√ß√£o com a pr√¡tica social, n√£o devendo ser compreendido como ‚Äúum espa√ßo vazio e puro, lugar por excel√™ncia dos n√ļmeros e das propor√ß√Ķes‚ÄĚ (LEFEBVRE, 1976, p. 29). Trata-se de uma produ√ß√£o em sentido amplo, ou seja, produto das rela√ß√Ķes sociais e reprodu√ß√£o de determinadas rela√ß√Ķes.¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Analisamos o hist√≥rico sobre como a sociedade rio-grandina se inseriu na din√Ęmica do mercado econ√īmico mundial entre os s√©culos XIX e XX, para compreender as repercuss√Ķes na produ√ß√£o do espa√ßo urbano, de modo a refletir sobre a efervesc√™ncia social e cultural e o modo como a sociedade vivenciou cotidianamente o referido per√≠odo, apontando caracter√≠sticas da √©poca. E ainda, refletimos a respeito da presen√ßa de vest√≠gios da cultura da Fran√ßa, com o objetivo de constatar a tend√™ncia de determinadas cidades em assimilar e incorporar h√¡bitos dessa cultura, que s√£o identificados nas suas urbaniza√ß√Ķes. Assim, procuramos demonstrar a rela√ß√£o entre a industrializa√ß√£o, o urbano e os h√¡bitos culturais, a partir das transforma√ß√Ķes que redefiniram a imagem do Rio Grande e de seus habitantes.

 

OBJETIVOS

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† O objetivo geral da pesquisa eŐĀ analisar as rela√ß√Ķes estabelecidas entre a urbaniza√ß√£o e a industrializa√ß√£o no munic√≠pio do Rio Grande.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Os objetivos espec√≠ficos que orientam este estudo podem ser assim definidos: Contextualizar o munic√≠pio do Rio Grande no final do s√©culo XIX e in√≠cio do s√©culo XX, do ponto de vista geogr√¡fico, hist√≥rico e cultural; estabelecer um panorama do Rio Grande na din√Ęmica econ√īmica do mercado mundial entre o final do s√©culo XIX e as primeiras d√©cadas do s√©culo XX;¬† analisar como a sociedade rio-grandina vivenciou a cidade no in√≠cio do s√©culo XX; contribuir para a produ√ß√£o e sistematiza√ß√£o do conhecimento sobre o espa√ßo urbano no Rio Grande.

 

METODOLOGIA

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Para realizar esta pesquisa fizemos levantamento bibliogr√¡fico objetivando constituir um hist√≥rico sobre como a sociedade rio-grandina se integrou aŐÄ din√Ęmica do mercado econ√īmico mundial entre os s√©culos XIX e XX. Reunimos refer√™ncias te√≥ricas e an√¡lises de fontes secund√¡rias ‚Äď livros e artigos cient√≠ficos ‚Äď sobre os efeitos do processo de industrializa√ß√£o na produ√ß√£o do espa√ßo urbano do Rio Grande, com vistas a entender a efervesc√™ncia cultural da √©poca, e ainda para compreender a instala√ß√£o de complexos industriais no munic√≠pio e a decorrente expans√£o urbana ocorrida entre 1870 e 1930, que modificaram o espa√ßo urbano no munic√≠pio.¬†

 

DISCUSS√ēES

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Nos primeiros anos do s√©culo XX, emergiu em diversas cidades latino americanas um novo modo de viver o cotidiano urbano, enraizado na Europa burguesa, particularmente em Paris. Sendo assim, a constru√ß√£o de alguns espa√ßos ‚Äď tais como: teatros, cinemas, confeitarias, pra√ßas e bulevares ‚Äď se fizeram necess√¡rios para que os benef√≠cios do progresso pudessem ser plenamente vivenciados pelos sujeitos de posi√ß√£o social privilegiada.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Ao analisar os primeiros anos de 1900 no Rio Grande, observamos que esse cen√¡rio n√£o era privil√©gio do munic√≠pio, mas sim, revelador do modelo cultural das principais cidades do Rio Grande do Sul e do Brasil. A partir de 1880, diversas cidades situadas na Am√©rica Latina passaram por um processo de mudan√ßas, tanto na estrutura social, quanto na fisionomia. Estas mudan√ßas eram vinculadas aos grandes centros urbanos e aŐÄ transforma√ß√£o da estrutura econ√īmica que repercutiu sobre as capitais, as cidades portu√¡rias e, sobre as cidades que concentravam a produ√ß√£o de certos bens de demanda mundial. Neste caso, permitimo-nos aproximar essa afirma√ß√£o do munic√≠pio do Rio Grande.

            A concentração de uma população crescente e variada, em diversas cidades da América Latina, foi estimulada pela preferência do mercado mundial por países produtores de matéria-prima e demandantes de produtos manufaturados. Assim, novas frentes de trabalho foram geradas, o que desencadeou novas formas de vida, acelerando o desejo de apagar o passado colonial e instaurar um modo de viver moderno e urbano.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† O impacto na Am√©rica Latina do estreitamento dos v√≠nculos com os grandes pa√≠ses industrializados fez com que algumas cidades prosperassem aceleradamente. As negocia√ß√Ķes de importa√ß√£o e exporta√ß√£o e as opera√ß√Ķes financeiras aumentaram o movimento em cidades que detinham o com√©rcio e os investimentos. Essa prosperidade era tumultuada e as cidades passavam a ter um perfil peculiar. A sociedade percebia as influ√™ncias estrangeiras, por√©m ‚Äúera original o processo social e cultural que se desenvolvia nestas cidades. Metr√≥poles de imita√ß√£o aŐÄ primeira vista, cada uma delas escondia um matiz singular que se manifestaria pouco a pouco‚ÄĚ (ROMERO, 2009, p. 286).

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Por certo, as riquezas entravam e sa√≠am pelos portos, que na segunda metade do s√©culo XIX haviam crescido. Algumas cidades tornaram-se fortes emp√≥rios comerciais, reunindo uma burguesia mercantil de recursos consolidados, a exemplo do Rio Grande. O perfil das cidades portu√¡rias, que se viram fortalecidas pela intensa atividade comercial, se modificou devido aŐÄ predomin√Ęncia da burguesia portu√¡ria e das atividades subsidi√¡rias que a vida do porto estimulava. As sociedades que se renovavam demandavam uma transforma√ß√£o do seu ambiente f√≠sico. Dessa forma, diversas cidades da Am√©rica Latina, a partir das √ļltimas d√©cadas do s√©culo XIX, renovaram a sua fisionomia. O crescimento populacional impulsionou a ocupa√ß√£o de novas √¡reas, tanto para que fossem estabelecidas novas moradias, quanto para o desenvolvimento industrial, de modo semelhante ao que ocorreu no Rio Grande.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† A origem do desenvolvimento industrial no Rio Grande estaŐĀ vinculada aŐÄ instala√ß√£o de empresas do setor t√™xtil, que constitu√≠ram os primeiros parques fabris estabelecidos no munic√≠pio. Estes faziam uso de equipamentos importados e utilizavam t√©cnicas atualizadas, significando um grande montante de capital fixo instalado.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Entre os anos de 1874 e 1930, estabeleceram-se na cidade cerca de 15 f√¡bricas, que produziam desde tecidos de l√£ e algod√£o a alimentos diversos, charutos e cal√ßados, bem como oficinas e estaleiros navais. A expans√£o urbana no Rio Grande, nessa √©poca, evidentemente decorreu da instala√ß√£o desses empreendimentos, e se deu por meio dos mais variados tipos de moradias que se edificavam em torno das ind√ļstrias. O munic√≠pio na d√©cada de 1920 possu√≠a aproximadamente novecentas casas comerciais e outras tantas de servi√ßos, e computava cerca de 50.500 habitantes, a maioria residindo em √¡reas urbanas.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† O parque industrial estabelecido no Rio Grande atendia al√©m do mercado regional, estados como Rio de Janeiro e S√£o Paulo e pa√≠ses do exterior. A localiza√ß√£o do munic√≠pio, junto a um porto mar√≠timo, era estrat√©gica para esse tipo de investimento. A industrializa√ß√£o no Rio Grande foi decisiva para os processos de expans√£o da malha urbana, e consequentemente para o progresso econ√īmico e cultural do munic√≠pio. A moderniza√ß√£o urbana do Rio Grande n√£o gerou mudan√ßas significativas no tra√ßado municipal, preservando muitas caracter√≠sticas da expans√£o natural, realizada de modo an√¡rquico e marcada pelo ritmo de seus avan√ßos no campo do com√©rcio e da ind√ļstria.¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Os fatos ocorridos no Rio Grande entre os anos de 1874 e 1930 foram determinantes na urbaniza√ß√£o do munic√≠pio. Por√©m, com a proximidade da d√©cada de 1930, as mudan√ßas na economia mundial estremeceram as atividades fabris do munic√≠pio, que dependiam cada vez mais do mercado internacional ‚Äď ent√£o desestruturado devido aŐÄ Grande Depress√£o e aŐÄ Segunda Guerra Mundial ‚Äď, e tais abalos atingiram o dinamismo industrial do Rio Grande.

            Por outro lado, no mercado nacional surgiam parques industriais no estado de São Paulo e no noroeste do Rio Grande do Sul, ou seja, em locais mais próximos dos seus consumidores. A década de 1930 balizou a economia do município do Rio Grande, freando a expansão urbana e determinando um novo modo de vida para as classes anteriormente abastadas.

           

CONCLUS√ēES

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Este estudo buscou responder aŐÄ sua quest√£o norteadora ‚Äď analisar rela√ß√Ķes existentes entre a produ√ß√£o do espa√ßo urbano e a industrializa√ß√£o no munic√≠pio do Rio Grande, nos primeiros anos do s√©culo XX. Para tanto, analisamos o contexto hist√≥rico do Rio Grande do in√≠cio do s√©culo XX, observamos uma tend√™ncia aŐÄ incorpora√ß√£o de h√¡bitos da cultura francesa na sua urbaniza√ß√£o, marcada na constru√ß√£o de bulevares, teatros, confeitarias e outros espa√ßos de lazer.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† No que concerne √†s caracter√≠sticas dos setores produtivos da cidade, percebemos uma inclina√ß√£o √†s atividades industriais e comerciais vinculadas ao Porto do Rio Grande, e uma tend√™ncia dos sujeitos envolvidos com essas atividades aos h√¡bitos burgueses de lazer. Associamos tais h√¡bitos aŐÄ vida social efervescente da √©poca, expressa nos saraus liter√¡rios e musicais, assim como nas sociabilidades desfrutadas nos clubes, associa√ß√Ķes, espet√¡culos itinerantes e teatros. Esse contexto n√£o se limitava aŐÄ sociedade burguesa rio-grandina, mas antes, definia uma tend√™ncia de europeiza√ß√£o de diversas cidades na Am√©rica Latina. Esse contexto cultural revelou a cidade como um lugar privilegiado para a coletividade, fato que nos permite aproximar determinadas transforma√ß√Ķes sociais do munic√≠pio com o estado de esp√≠rito que definiu os primeiros anos do s√©culo XX nas cidades industrializadas.

¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬†¬† Por fim, entendemos que no Rio Grande, o processo de industrializa√ß√£o propiciou o aumento da malha urbana e o desenvolvimento econ√īmico e cultural influenciando as viv√™ncias cotidianas dos sujeitos burgueses. No entanto, inexistiu um projeto que propiciasse condi√ß√Ķes para a prosperidade social. A explora√ß√£o de m√£o-de-obra n√£o especializada e de baixa remunera√ß√£o, a desigualdade na distribui√ß√£o de renda, o incha√ßo populacional e a prolifera√ß√£o de favelas e corti√ßos na cidade tamb√©m emergiram, nos primeiros anos do s√©culo XX, no Rio Grande, temas estes que possivelmente possibilitam futuras pesquisas.

 

REFERÊNCIAS

 

LEFEBVRE, Henri. A revolucŐßaŐÉo urbana. Belo Horizonte: Humanitas, 2002.

________________. Espacio y poliŐĀtica. Barcelona: PeniŐĀnsula, 1976.

________________. O direito aŐÄ cidade. SaŐÉo Paulo: Centauro, 2001.

ROMERO, JoseŐĀ Luis. AmeŐĀrica Latina: as cidades e as ideŐĀias. 2. ed. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 2009.

 

 

 

Trabajo expuesto durante el XXIII Encuentro Internacional Humboldt ‚ÄúLa Cuesti√≥n China‚ÄĚ ‚Äď Florian√≥polis, Brasil - 20 al 24 de septiembre de 2021. MODALIDAD VIRTUAL

Para acceder al video de presentaci√≥n ingresar al canal del Centro Humboldt: https://www.youtube.com/channel/UCyfxfhPdmoy3nWbFYs4E_nQ