Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 18041 al 18060 
AsuntoAutor
319/17 - CATALUNYA Noticias
320/17 - ARGENTINA Noticias
321/17 - La roboti Noticias
322/17 - INDICADOR Noticias
323/17 - A MATERIA Noticias
324/17 - El futuro Noticias
325/17 - A DENSIDA Noticias
326/17 - Conclusio Noticias
327/17 - La tormen Noticias
328/17 - O MOBILIÁ Noticias
329/17 - GEÓGRAFOS Noticias
330/17 - TERCERA C Noticias
331/17 - ANÁLISE D Noticias
332/17 - GEÓGRAFOS Noticias
333/17 - Conectivi Noticias
=?UTF-8?Q?334/17_- Noticias
=?UTF-8?Q?Re=3A_No bertha o
335/17 - Fuera las Noticias
336/17 - GEÓGRAFOS Noticias
337/17 - VIAJANDO: Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 18385     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 331/17 - ANÁLISE DA CONSTITUIÇÃO DO ESPAÇO URBAN O DO EXTREMO OESTE BAIANO A PARTIR DA OCUPAÇÃO DO TE RRITÓRIO E A MORFOLOGIA URBANA DOS MUNICÍPIOS DA R EGIÃO
Fecha:Jueves, 23 de Noviembre, 2017  09:22:03 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 331/17
 
 

XIX Encuentro Internacional Humboldt

“América Latina: balance de una “década

 

Rio Grande/ Pelotas – RS - Brasil

 

11 al 15 de setiembre de 2017

 

 

A ANÁLISE DA CONSTITUIÇÃO DO ESPAÇO URBANO DO EXTREMO OESTE BAIANO

A PARTIR DA OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO E A MORFOLOGIA URBANA DOS MUNICÍPIOS DA REGIÃO

 

 

Nathan Belcavello de Oliveira

Ministério das Cidades / SEEDF / CeHu

Brasília, Distrito Federal – Brasil

 

 

Introdução

A Mesorregião do Extremo Oeste Baiano – porção mais ocidental do atual Estado da Bahia (vide Figura 1) –, bem como toda a parcela do território baiano a partir da margem esquerda do rio São Francisco (dos limites a nordeste com Pernambuco, passando pelos com o Piauí a norte e com Tocantins e Goiás a oeste, até aqueles com Minas Gerais a sul), possui uma dinâmica espacial peculiar ao restante da Bahia, sobremodo quanto a sua gênese enquanto território e constituição espacial pretérita.

https://lh5.googleusercontent.com/c_XCnthoKZAVNTi_MAthrbU6IMmsMyi4_fmuqNC8vm578o0X4xwKv7Awir1qoxOVBmlMc-08GNOoaF7edb_3TGPvBYC7Og2ibwulfUXwbSK0jtttd9YsUsZ_VUp7XseBmv2JQaMrNYNZPy5P

Figura 1. A região baiana da margem esquerda do rio São Francisco, com destaque para a mesorregião do Extremo Oeste Baiano

Fonte: Oliveira (2013).

 

 

Diferentemente da maior parcela do referido Estado, que teve sua lógica de ocupação estabelecida a partir de Salvador, a referida região teve vinculada à lógica da ocupação do território concebida a partir de Olinda e Recife até quase o fim do primeiro quartel do século XIX. Esta lógica se valeu em muito do acesso que o rio São Francisco ofereceu ao interior para o desenvolvimento da pecuária, vital ao abastecimento de alimento à zona de produção açucareira do litoral. Como consequência, o espaço urbano vinculado a este período de ocupação do território apresentará uma morfologia similar e vinculada ao modal hidroviário e à economia que o viabilizaram. Por sua vez, após a mudança na “lógica” da ocupação e tendo a perspectiva as novas tecnologias de transporte para efetivá-la, percebe-se a variação na morfologia urbana. Tais fatos podem servir para o estabelecimento de uma periodização no processo de constituição do espaço urbano do Extremo Oeste Baiano e na análise do mesmo.

Desse modo, o presente trabalho visa analisar a constituição do espaço urbano desta parcela do território baiano a partir da relação entre a ocupação de seu território e a morfologia urbana das áreas urbanas de seus Municípios, por meio da revisão bibliográfica e a observação empírica em trabalho de campo realizado em julho de 2013 (OLIVEIRA; ARAÚJO, 2013).

 

1. A ocupação do território

Mesmo com o primeiro contato oficial de Pedro Álvares Cabral com as terras brasileiras em 1500, somente mais de trinta anos depois surge o interesse efetivo em ocupar as terras que cabiam a Portugal pelo Tratado de Tordesilhas, motivado pelo risco eminente de concretização da posse por parte da França, que já há muito saqueava a costa brasileira. Com isso o rei Dom João III passa a conceder capitanias a nobres a partir de 1534 como alternativa de ocupação sem custos iniciais à Coroa. A primeira foi doada a Duarte Coelho, com 60 léguas de terras no litoral, do rio de Santa Cruz, ao norte, à foz do rio São Francisco, ao sul (BIBLIOTECA NACIONAL, 1929, p. 69), nomeada por seu donatário de Nova Lusitânia, mas conhecida popularmente como Pernambuco.

https://lh4.googleusercontent.com/RPY-2HEQQhodttJaz_pUyqU-nVBsQv04HBAxotm86bkvY7D-u_wfeC-zmWY0Hgm_DXuzYM48VZB8LUtTJbnFUsTzoGy0VeZoVaNl4R9fAUoXEpr6QULXUAfcO48MJT2gS0CW2qH_EA-kLmLI

Figura 2. As primeiras capitanias do Brasil segundo o que é difundido e a partir da leitura e interpretação das cartas de doação

Fonte: Oliveira (2013).

 

 

Contudo, distintamente do que se convencionou dispor nos mapas históricos ou naqueles presentes nos livros didáticos, peculiaridades presentes já nas cartas de doação das capitanias apontavam para diferenças e possíveis conflitos na ocupação do território, conforme pode ser visto em mapa elaborado por Oliveira (2013) apresentado na Figura 2.

Considerando o fracasso quase completo do projeto de ocupação do território por meio das capitanias hereditárias, salvo alguns êxitos como o de Duarte Coelho, o conflito generalizado que poderia surgir da sobreposição das doações, oriunda do desconhecimento do território, acabou não criando maiores vultos inicialmente. A nosso ver, o próprio sucesso relativo da ação de Duarte Coelho, aliado ao desconhecimento proposital da localização do meridiano de Tordesilhas [...], acabou por sedimentar o rio São Francisco como limite meridional da capitania de Pernambuco (OLIVEIRA, 2013, p. 4).

Desse modo, seguindo a deliberação que a carta de doação concedia a Duarte Coelho e a seus herdeiros e contando com a situação favorável dos afluentes da margem esquerda do rio São Francisco, Pernambuco procede a ocupação do território que lhe cabia. Estabelece a exploração, primeiramente, da extração do pau brasil e, consecutivamente, da cultura da cana-de-açúcar no litoral. Concomitantemente se interioriza com as trilhas do gado, atividade acessória à produção açucareira como aponta Prado Júnior (2012), mas vital, juntamente com as bandeiras, oriundas de São Paulo, para ocupação do sertão.

[...] O gado avança aos limites ocidentais do sertão nordestino rumo ao Piauí e Ceará, na direção oeste, e aos limites do planalto central, através da calha do rio São Francisco, na direção sul. [...] Tal como no caminho dos bandeirantes, uma diversidade de pontos de parada vai dando origem a manchas de cultivos e de vilas de onde irão brotando os centros de referência da ocupação do território (MOREIRA, 2012, p. 11 – grifo nosso).

Moreira (2012) e Andrade (2011) apontam para a importância de Pernambuco na tarefa de ocupação do vasto território da região em análise e de outras parcelas dos chamados sertões. Contudo, como sublinha Andrade (2011, p. 185), devido à ameaça constante de invasão francesa à jovem colônia portuguesa e à possibilidade de pastagens para o gado em pleno litoral, o esforço pernambucano relacionado à expansão do gado é desviado ao norte, seguindo a linha litorânea. Assim, a importância de Olinda e, posteriormente, Recife na ocupação territorial dessa região, mesmo se mantendo, vai declinando no decurso da história. Entretanto, não se perde por completo devido, principalmente, às restrições ambientais presentes na parcela do território que vai da margem direita do rio São Francisco ao litoral da Bahia, sobremodo ligadas à distribuição hídrica e às características da vegetação da caatinga. “Tais aspectos ambientais são descritos por vários viajantes que se aventuraram pelas terras ressentidas de água que configuram a caatinga e o semiárido brasileiro” (OLIVEIRA, 2013, p. 7), desde o padre capuchinho francês Martin de Nantes, no século XVII, relatado por Lima Sobrinho (1986, p. 305-306), até, séculos mais tarde, por Spix e Martius (1938). “Dessa maneira, [...] podemos considerar o sertanejo, criador de gado, transportador de cargas no São Francisco, tanto de Pernambuco quanto da Bahia, como pioneiro deste vasto e, muitas vezes, hostil espaço” (OLIVEIRA, 2013, p. 6). A região vai ganhando melhor atenção das autoridades com as criações das Comarcas, primeiramente, do Sertão de Pernambuco, em 1810, e um decênio depois, do Rio São Francisco, abrangendo, respectivamente, a partir de Cimbres e Flores, no atual Sertão Pernambucano, e de Barra até Carinhanha, conformando esta última comarca praticamente a região analisada. A partir da independência surge um movimento que procurava dar mais protagonismo à região, buscando sua pequena elite, inclusive, a possibilidade, via Assembleia Constituinte, de elevá-la à condição de província do Império recém-criado.

[Contudo,] [...] com a dissolução da Assembleia Constituinte, a imposição da Constituição Imperial e seus desdobramentos sobre as relações políticas entre o governo central e as elites locais, que culminaram com a proclamação da Confederação do Equador em 1824, a então Comarca do Rio de São Francisco é anexada primeiramente à Província de Minas Gerais, permanecendo desta maneira até 1827, quando passa a ser território da Província da Bahia, situação que se sedimenta até os dias de hoje (OLIVEIRA, 2013, p. 9).

Uma vez formalmente ligada politicamente à lógica de ocupação do território de Salvador e a partir do desenvolvimento de novas tecnologias de transporte – do ferroviário ao rodoviário – a integração da região à Bahia ganha contornos vultosos com o avanço do agronegócio e a produção em larga escala de muitas commodities, tornando, sobremodo o Extremo Oeste Baiano, crucial para a economia do Estado.

Toda essa evolução da ocupação do território da região deixou marcas claras no desenho de seus núcleos urbanos. Conforme veremos a seguir.

 

2. As morfologias urbanas das áreas urbanas dos Municípios da região

Por meio de trabalho de campo realizado em junho de 2013 (OLIVEIRA; ARAÚJO, 2015), ficou patente que o desenvolvimento da ocupação do território da região analisada, principalmente considerando os distintos modais de transporte utilizados em cada período, refletiu de maneira substancial na organização interna de seus núcleos urbanos.

https://lh3.googleusercontent.com/SE31LTx8GZALCBrdRpAAhwO7uqW8ybR_B5FtD9O6nwL-9ffM853tr655r901ZdxGUY5a1Q6BAPNFfiu7ZhOBJI5i2pochrr32YYqu5DfdX8c_SYi8BjiJXQfHFTturtq1OZqPukl3GwrRC1w

Figura 3. Esquemas de morfologia urbana da região

Fonte: elaboração própria.

 

 

Um primeiro conjunto de núcleos urbanos do povoamento mais antigo se caracteriza por seu vínculo aos rios, como via de comunicação com o exterior, e à pecuária, enquanto atividade econômica predominante, encontrando-se em um atual período de declínio relativo ou total – caso da antiga cidade de Campo Largo, núcleo urbano pioneiro da região, hoje denominado Taguá e figurando como vila do Município de Cotegipe. Acerca disso nos asseveram Oliveira e Araújo (2015, p. 107) quando descrevem a área central da cidade de Correntina:

Era possível perceber que o rio até um passado próximo foi a principal via de comunicação do núcleo urbano, mesmo sendo relativamente raso. Um prédio – provavelmente de um mercado municipal construído bem ao lado do rio – apresentava rampas de acesso, conforme se pode ver na figura 12. Além disso, a praça central e a igreja estavam dispostas de frente para o rio, fato que se aferiu em todos os núcleos urbanos de ocupação mais antiga na região, demonstrando a importância que a rede fluvial representou para a ocupação deste território (grifo nosso).

Um segundo conjunto é de transição, agrupando núcleos urbanos surgidos ainda na primeira grande fase da ocupação do território a partir dos rios, mas que acabaram se apoiando no posterior desenvolvimento rodoviário para ganhar protagonismo econômico regional, bem como os surgidos a partir do próprio desenvolvimento rodoviário na região. É o caso de Barreiras:

Sua ocupação antiga fica patente próximo à área central, com um prédio que aparenta ter sido o Mercado municipal, a praça com a igreja voltada para o rio e uma área ampla de acesso ao rio Grande.

Contudo, a cidade é cortada pela BR 242, que passa por trás da igreja em plena área central. Há uma série de empresas de prestação de serviços automotivos – oficinas, lojas de autopeças, borracharias, entre outras – ao longo da rodovia convertida em avenida principal da cidade (OLIVEIRA; ARAÚJO, 2015, p. 117).

Por fim, um conjunto caracterizado por núcleos urbanos surgidos, ou que estão em formação, a partir do agronegócio e a consolidação das rodovias como solução de transporte da região. Entre os consolidados temos Luís Eduardo Magalhães, onde Oliveira e Araújo (2015, p. 118) observaram que:

É marcante a presença do agronegócio, com várias empresas de comercialização de insumos, ferramentas e maquinários agrícolas. Também ficou patente a presença da desigualdade social, com um grande assentamento com casas de alvenaria sem revestimento e infraestrutura aparentemente precária.

Já considerando aqueles núcleos urbanos que começam a se constituir, Rosário, vila do distrito homônimo do Município de Correntina, expressa muito bem as características desse conjunto. Além da presença marcante de empresas de venda de insumos e maquinário agrícolas e comercialização da produção e prestação de serviços automotivos, também um grande loteamento já com infraestrutura implantada – inclusive parquinhos infantis – em lotes com nenhuma ocupação e muita propaganda, em “uma clara exemplificação da intencionalidade proposta àquela fração do espaço, numa clara tentativa de materializar um futuro ainda concebido e explícito nos anúncios estrategicamente colocados no loteamento, de maneira a induzir sua dinâmica espacial” (OLIVEIRA; ARAÚJO, 2015, p. 105).

 

 

Referências Bibliográficas

ANDRADE, Manuel Correia de. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

BIBLIOTECA NACIONAL. Documentos Históricos. Volume 13. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1929.

CABRAL, Alfredo do Valle. Etymologias Brazilicas. Annaes da Bibliotheca Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, v. 8, p. 215-219, 1881.

DIAS, Demosthenes de Oliveira. Formação territorial do Brasil: origem e evolução. Rio de Janeiro: Luiz Franco, 1956.

LIMA SOBRINHO, Barbosa. Assuntos pernambucanos. Recife: FUNDARPE; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1986.

MOREIRA, Ruy. Formação espacial brasileira: uma contribuição crítica à geografia do Brasil. Rio de Janeiro: Consequência, 2012.

OLIVEIRA, Nathan Belcavello de. O rio, o gado e o sertão: a gênese pernambucana do Extremo Oeste Baiano. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM GEOGRAFIA, 10., 2013, Campinas. Anais do... Campinas: ANPEGE, 2013.

OLIVEIRA, Nathan Belcavello de; ARAÚJO, Gilvan Charles Cerqueira de. (Re)Conhecendo o Extremo Oeste Baiano e parte do Além São Francisco: relatório de viagem prospectiva. Revista Discente Expressões Geográficas, Florianópolis: UFSC, n. 10, p. 99-119, dez. 2015. Disponível em: <http://www.geograficas.cfh.ufsc.br/arquivo/ed10/ed10_rel06.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017.

PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. 43. ed. São Paulo: Brasiliense, 2012.

SPIX, Johann Baptist von; MARTIUS, Carl Friedrich Philipp von. Através da Bahia: excertos da obra Reise in Brasilien. Tradução de Pirajá da Silva e Paulo Wolf. 3. ed. Rio de Janeiro: Nacional, 1938.

 

 




Avast logo

El software de antivirus Avast ha analizado este correo electrónico en busca de virus.
www.avast.com