Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 17561 al 17580 
AsuntoAutor
288/16 - VIAJANDO: Noticias
289/16 - SEMINARIO Noticias
290/16 - Três Sécu Noticias
291/16 - Brasil - Noticias
292/16 - "La situa Noticias
293/16 - III CONFE Noticias
294/16 - ¿Qué está Noticias
295/16 - La decisi Noticias
296/16 - Más allá Noticias
297/16 - O mito de Noticias
298/16 - ARGENTINA Noticias
299/16 - VIAJANDO: Noticias
300/16 - I Congres Noticias
301/16 - EE.UU. se Noticias
302/16 - ARGENTINA Noticias
303/16 - ARGENTINA Noticias
304/16 - Ameaças ( Noticias
305/16 - Un juicio Noticias
306/16 -ARGENTINA Noticias
307/16 - ARGENTINA Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 17891     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 291/16 - Brasil - Lançamento - 17 contradições e o f im do capitalismo, de David Harvey
Fecha:Domingo, 9 de Octubre, 2016  11:09:46 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 291/16

El "retorno" de la Geografía
Brasil
Lançamento - 17 contradições e o fim do capitalismo, de David Harvey

O livro mais perigoso de David Harvey

Karl Marx descreveu o capital como um sistema permeado de contradições internas; David Harvey listou e destrinchou dezessete delas

“Não sou anticapitalista por um estranho defeito do meu DNA. Não sou anticapitalista porque sofri lavagem cerebral na juventude (li O capital pela primeira vez quando tinha trinta anos!), porque fui seduzido pelas bajulações de algum partido marxista-leninista ou trotskista/maoista (nunca fui membro de partido nenhum), ou porque em algum momento da minha vida sofri um trauma físico ou mental causado por algum malefício capitalista. Na verdade, admiro (mas não acriticamente) muito do que o capital produziu, e não só as novas tecnologias. Não, sou anticapitalista por razões puramente racionais. Depois de pensar muito no assunto, cheguei à conclusão de que o capital se tornou perigoso demais para ele mesmo, bem como para nós e para todos os outros. É simplesmente insano o que está acontecendo hoje. Qualquer pessoa razoável que analise as evidências, desde que esteja em seu juízo perfeito, necessária e racionalmente se torna anticapitalista.

É um tanto incomum hoje em dia apelar para a racionalidade. Fazer isso parece antiquado, ou mesmo uma falha séria. Talvez não seja por acaso que os apelos à racionalidade sejam criticados exatamente no estágio em que o capital só pode sobreviver por meios insanos. Para tomarmos apenas um exemplo, por que nos empenhamos tanto na construção de cidades para os ricos investirem, em vez de nos empenharmos em construir cidades para as pessoas viverem de maneira adequada, quiçá felizes? Todos deveríamos subir no topo do próximo prédio de apartamentos de luxo que estiver sendo construído para ninguém morar, ou num daqueles prédios absurdos de Dubai, e estender uma faixa dizendo: “ISTO É INSANO”. Antigamente, esse tipo de loucura acontecia uma vez ou outra e tinha o claro objetivo de ser uma loucura, mas hoje é a regra. Para onde mais pode ir a superacumulação do capital excedente?”

David Harvey, no apêndice “O livro mais perigoso que já escrevi”


Para a sociedade ocidental moderna, o capital parece tão natural como o ar que se respira, e quase ninguém pensa em questioná-lo. Mas saber o que faz o capital funcionar – e o que, por outro lado, pode abalar suas bases – é crucial para compreender sua saúde em longo prazo, bem como as vastas implicações de qualquer mudança para a economia global.

É o que faz o geógrafo britânico David Harvey nesta obra incisiva, ao revelar a vanguarda de suas análises das dinâmicas do capital e destrinchar as contradições internas desse motor econômico.

Escrito em linguagem acessível, 17 contradições e o fim do capitalismo coroa o “Projeto Marx”, que orienta a obra de Harvey há vinte anos, repensando Karl Marx em época de mutação e crise do capitalismo. A decisão de focar a análise nas contradições se deve em parte aos escritos do filósofo alemão, que enfatizou diversas vezes que crises do tipo que o mundo viveu em 2007-2008 são manifestações superficiais de contradições internas do capital. O objetivo de Harvey é inverter o uso da ideia de contradição como ponto final da reflexão e torná-la o início da conversa, em particular sobre o que seria uma política anticapitalista e como poderíamos entender as crises.

Ao longo dessa análise sistêmica, Harvey constata que, embora a forma de manifestação de algumas contradições tenha se desenvolvido desde a época de Marx, a estrutura das contradições do capital é surpreendentemente constante. Além disso, tais contradições são interligadas e interagem (às vezes se apoiam) mutuamente; e revelam um retrato muito mais descentralizado do capital do que se costuma pintar.

“A exposição ganha complexidade à medida que parte para as contradições mutáveis, abrindo as contradições do capital para a interação com as do capitalismo e avaliando suas formas no tempo e no espaço. Como geógrafo, o autor dá justo destaque ao desenvolvimento desigual das regiões e aborda como o Estado legitima e apoia a acumulação por espoliação”, diz o economista e professor da Unicamp, Pedro Paulo Zahluth Bastos. Harvey aborda por último as contradições perigosas, que podem provocar uma degradação progressiva da terra e um empobrecimento em massa, aumentando radicalmente a desigualdade social e a desumanização de grande parte da humanidade.

Ao final do livro, vemos um dos mais influentes marxistas da atualidade sintetizar sua experiência de compreensão das dinâmicas do capital em dezessete “ideias para a prática política”, um explosivo manifesto humanista revolucionário com orientações efetivas para quem busca desafiar o regime capitalista de uma vez por todas. Para cada contradição do capital revelada e destrinchada, Harvey rebate com uma proposta formulada de maneira clara e direta. Não é à toa que considere este o “livro mais perigoso” que já escreveu.

Ficha técnica
 
Título: 17 contradições e o fim do capitalismo
Autor: David Harvey
Título original: 17 contradictions and the end of capitalism
Tradutor: Rogério Bettoni
Orelha e revisão técnica: Pedro Paulo Zahluth Bastos
Quarta capa: Leonardo Sakamoto
Páginas: 304
Preço: R$ 69,00
ISBN: 978-85-7559-502-2
Editora: Boitempo



Avast logo

El software de antivirus Avast ha analizado este correo electrónico en busca de virus.
www.avast.com