Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 16349 al 16368 
AsuntoAutor
583/14 - Cámara ca Noticias
584/14 - Bolivia d Noticias
585/14 - Es terror Noticias
586/14 - Llamamien Noticias
587/14 - Rumbo al Noticias
=?UTF-8?Q?CIUDAD_D Elias An
588/14 - La Socied Noticias
590/14 - VIAJANDO: Noticias
589/14 - Congreso Noticias
591/14 - FORMAÇÃO Noticias
592/14 - Aniversár Noticias
593/14 - Israel-Pa Noticias
584/14 - Ambigüeda Noticias
595/14 - El fracas Noticias
596/14 - En Gaza, Noticias
597/14 - Argentina Noticias
598/14 - Argentina Noticias
599/14 - "Si las é Noticias
600/14 - Ucrania: Noticias
601/14 - Noticias Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 16675     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 591/14 - FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM GEOGRAFIA/UFGD: O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA
Fecha:Sabado, 2 de Agosto, 2014  11:36:16 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 591/14
 
 

FORMAÇÃO DE PROFESSORES EM GEOGRAFIA/UFGD:

 O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

                                                                                                                         

 

Profª Drª Silvana de Abreu

Prof. Dr. Adauto de Oliveira Souza

Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)

Dourados – Estado de Mato Grosso do Sul - Brasil

 

 

O objetivo deste trabalho foi analisar o processo formativo dos professores de Geografia considerando políticas de governo instaladas recentemente no Brasil, cujas proposições pretendem melhorar a prática do professor, o que significa um esforço para atuar na formação do professor e na formação do sujeito, no Ensino Básico. Consideramos para análise, nossa prática como professores de Prática de Ensino/Estágio Supervisionado, no curso de graduação que forma licenciados em Geografia. Entre nós, professores-supervisores dos estagiários, é comum relatos sobre saberes geográficos propagados, na maioria das escolas, que ainda resultam da tentativa de transposição de estudos/discursos decorrentes dos cursos de graduação e/ou, com maior frequência, aqueles padronizados, organizados e tornados conhecidos pelos livros didáticos. Ao mesmo tempo questiona-se o que precisa fazer o estagiário na escola? O usual tem sido: observação/regência. A reprodução do conhecimento e o processo formativo pautado na sala de aula, também na formação universitária, é aspecto importante para compreendermos a prática reprodutora/transmissora de informações que parte importante dos professores ainda assumem e que estagiários, futuros professores, “praticam”. Dessa forma, nos voltamos para a experiência promovida pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID), criado como política governamental para promover melhorias na educação básica. O Programa concede bolsas de pesquisa para alunos das licenciaturas participantes de projetos de Iniciação à Docência, orientados por professor que elabora e exerce a coordenação do Projeto, bem como bolsas para professor-tutor nas escolas envolvidas, para dedicar-se aos projetos aprovados, dos quais também é sujeito. Dessa forma os acadêmicos passam a ter de fato a vivencia das questões que envolvem a escola, a formação (fora da sala de aula), inclusive participando do planejamento escolar. Na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), no tocante ao projeto PIBID, o ganho para a formação do futuro professor, no curso de Geografia tem se retratado em experiências registradas e também em monografias por esses alunos/alunas. A experiência que vivenciamos no curso de Geografia da UFGD representa a incorporação de práticas formadoras que tem buscado superar o uso do livro didático sem, contudo, desprezá-lo, mas permitindo que ele seja instrumento de ensino. Acompanhamos relato de trabalho de acadêmica que se dedicou a analisar trabalho desenvolvido em duas escolas de nível médio da cidade, em que a “visão” dos alunos, por meio das lentes (fotografia), registrou a cidade, o bairro e a própria escola. O trabalho apresentou o cotidiano que vivem os alunos, mas que não enxergavam. Houve debate e crítica, inclusive, porque revelar a escola é revelar processos contraditórios inerentes ao processo ensino-aprendizagem que se pretende construir pela “missão escolar”, mas nem sempre realizada. A Prática de Ensino/Estágio Supervisionado não tem conseguido superar o aulismo. O PIBID parece ter estrutura que permite caminhar nessa direção. Crítica possível é que as bolsas não atingem todos os alunos da licenciatura, de modo, que muitos tem somente acesso ao Estágio Supervisionado como possibilidade de vivência escolar. Conclui-se que enquanto política educacional, o PIBID poderia, com as devidas avaliações e ajustes necessários, ser um formato a ser universalizado aos alunos de cursos de licenciaturas nas Instituições de Ensino Superior.

 


Esta ponencia será expuesta durante el XVI Encuentro Internacional Humboldt, a desarrollarse entre los días 06 y 10 de octubre próximos en San Carlos de Bariloche, provincia de Río Negro, Argentina.