Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 15203 al 15222 
AsuntoAutor
348/13 - Raízes hi Noticias
349/13 - No Brasil Noticias
351713 - Brasil - Noticias
350/13 - Crónica d Noticias
352/13 - El nuevo Noticias
353/13 - Brasil - Noticias
354/13 - El proble Noticias
355/13 - Raízes hi Noticias
356/13 - Brasil - Noticias
357/13 - Brasil -L Noticias
358/13 - INVITACIÓ Noticias
Nova postagem: (I) Elias An
359/13 - Brasil: l Noticias
360/13 - El otoño Noticias
361/13 - Egipto - Noticias
362/13 - Las prote Noticias
363/13 - João Pedr Noticias
364/13 - O Estado Noticias
365/13 - Hacia otr Noticias
366/13 - Egipto cl Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 15514     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 349/13 - No Brasil as massas alarmam o poder
Fecha:Lunes, 24 de Junio, 2013  19:55:16 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 349/13
Nota dos Editores

No Brasil as massas alarmam o poder

www.odiario.info
Os Editores
23.Jun.13 :: Editores


No Brasil a tensão social que se vinha acumulando explodiu, assumindo proporções gigantescas.

A História ensina-nos que os povos, quando a opressão politica e económica ultrapassa determinados limites, tomam as ruas desafiando o poder.

O estopim do protesto popular nas grandes cidades brasileiras foi o aumento do preço (vinte cêntimos) dos transportes públicos. O governo cometeu o erro de reprimir com brutalidade, o que aumentou a contestação. As manifestações ganharam amplitude, adquirindo o carácter de crítica global à política de Dilma Roussef. À indignação provocada pelos gastos milionários com a construção de estádios e outras infra-estruturas para o Campeonato do Mundo de Futebol e as Olimpíadas (o equivalente a 9,4 mil milhões de euros) somaram-se protestos contra a corrupção desenfreada, as privatizações, a carestia, os leilões do petróleo, o projecto de emenda constitucional que reduz os poderes do Ministério Público, a exigência de um serviço digno de saúde pública, de reformas na educação, a demissão do ministro da Fazenda, etc.

A Presidente da Republica, em viagem pela Europa, não comentou os acontecimentos durante dias.

No dia 21, as manifestações, atingiram o auge. Aproximadamente 1.300.000 pessoas saíram às ruas em 75 cidades. No Rio, segundo a polícia, foram 300.000; em São Paulo 200.000.

A direita infiltrou-se. Grupos de provocadores queimaram bandeiras vermelhas, agrediram os representantes de partidos de esquerda, e em Brasília tentaram assaltar o Palácio do Planalto (sede do governo) e o Congresso Nacional, destruindo carros e saqueando estabelecimentos comerciais. Em Ribeirão Preto, o condutor de um veículo investiu contra uma barricada, matando um estudante e ferindo uma dezena de pessoas.

O dólar subiu, os juros não param de aumentar, os preços dos alimentos básicos sobem, a inflação cresce. A máscara da farsa democrática caiu.
Finalmente, na sexta-feira à noite, Dilma dirigiu ao país uma mensagem apaziguadora.

Sem criticar explicitamente o protesto popular, cuja voz diz ouvir, a Presidente, em dez minutos de um discurso populista prometeu ao povo brasileiro tudo o que Lula e ela lhe negaram nos últimos anos: luta sem quartel contra a corrupção, um «grande pacto social com os governadores dos estados» para melhorar os serviços públicos, contratação de milhares de médicos estrangeiros, mais e melhores escolas, uma política agrária diferente, uma redistribuição da riqueza nacional que atenda ao clamor popular dos trabalhadores e dos excluídos.

No fim-de-semana centenas de milhares de pessoas voltaram a sair às ruas. Houve confrontos com a polícia, sobretudo em Belo Horizonte e em Salvador. Mas a grande vaga do protesto popular refluiu. O Movimento «Passe Livre» que mobilizara multidões através das redes sociais, alarmado com os actos de violência esporádicos, informou que não voltaria a convocar manifestações; posteriormente, porém, voltou atrás e esclareceu que não abandona a luta.

O mal-estar social persiste e a contestação à política de Dilma Roussef vai continuar. A sua popularidade caiu para um nível muito baixo.

É imprevisível o rumo da crise nas próximas semanas. No espontaneísmo das grandes manifestações de protesto transpareceu a fragilidade do desafio ao poder.

No Brasil não existe ainda um partido politico com forte implantação entre os trabalhadores capaz de mobilizar as massas para a luta de modo permanente e organizado, identificadas com objectivos concretos de um programa revolucionário.

OS EDITORES DE ODIARIO.INFO






DeepSkyColors en Facebook!
Imagenes de nuestro planeta y del Universo desde los ojos de un fotógrafo español Visita la página en Facebook y dale a ME GUSTA!