Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 14561 al 14580 
AsuntoAutor
705/12 - España - Noticias
706/12 - 14N - La Noticias
707/12 - Portugal Noticias
708/12 - Pasajeros Noticias
709/12 - Pasajeros Noticias
710/12 - Gaza - La Noticias
711/12 - Israel co Noticias
712/12 - El ocaso Noticias
713/12 - Pasajeros Noticias
714/12 - Hamas se Noticias
715/12 - XXII Encu Noticias
716/12 - Repudiamo Noticias
717/12 - Alto a la Noticias
718/12 - Salto cua Noticias
719/12 - As Israel Noticias
Re: NoticiasdelCeH jorge pa
720/12 - Israel ap Noticias
721/12 - ¿Bombarde Noticias
722/12 - Pasajeros Noticias
723/12 - El interi Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 14880     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 720/12 - Israel aprendeu algo com a Operação Chumbo Fu ndido? (Amira Hass)
Fecha:Sabado, 17 de Noviembre, 2012  20:46:06 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 720/12

Israel aprendeu algo com a Operação Chumbo Fundido?

Israel não aprendeu lição alguma com a Operação Chumbo Fundido, em 2008. Está fixado no conceito de que a morte do braço armado do Hamas e de seus líderes políticos pode acabar com a organização. O Hamas é um movimento de massa e uma organização com instituições, disciplina e leis. Ao contrário do Fatah, o Hamas não depende de uma figura carismática. Até os opositores do Hamas estão convencidos de que Israel não é apenas o ocupante, mas o agressor. Então, quando o ataque terminar, o Hamas estará provavelmente mais forte.

Diferentemente da Operação Chumbo Fundido, na qual o exército de Israel bombardeou lugares populosos, como postos policiais próximos a escolas desde o primeiro dia de ataque, desta vez parece claro que o IDF tenta impedir perdas pesadas entre os palestinos. Essa conclusão não pode consolar as famílias cujos membros foram mortos ou feridos até agora. Nem alivia o medo do que ainda pode acontecer.

Até a tarde de quinta-feira (15), ao menos quatro civis palestinos haviam sido mortos em ataques aéreos – um menino de 11 anos e uma menina de 3, uma jovem grávida e um senhor de 60 anos. Dezenas de civis foram feridos.

Embora Israel renuncie à responsabilidade pelas mortes palestinas na Operação Chumbo Fundido, prefere agora reduzir o número dos espetáculos sangrentos. Esses espetáculos, que não eram mostrados na televisão israelense em 2008-2009, foram vistos em todo o mundo e levantaram protestos sem precedentes.

Em contraste com a lição de relações públicas que Israel aprendeu depois da Operação Chumbo Fundido, o país não aprendeu lição alguma, desta vez. Está fixado no conceito de que a morte do braço armado do Hamas e de seus líderes políticos pode acabar com a organização.

O Hamas é um movimento de massa e uma organização com instituições, disciplina interna e leis. Ao contrário do Fatah, o Hamas não depende de uma figura carismática ou de personalidade de um líder forte. Sua política e seus debates são marcados pela continuidade, mesmo que dirigentes mais velhos sejam mortos por um míssil ou uma bomba israelense.

Os líderes de Israel poderiam ter aprendido essa lição há muito tempo, se quisessem. Eles também poderiam concluir que ataques militares contra toda a população palestina a une em torno de seus líderes e silencia a crítica.

A população de Gaza tem muitas razões para reclamar do Hamas, o qual merece a sua reputação de ser um poder opressor. Mas até os opositores do Hamas estão convencidos de que Israel não é apenas o ocupante, mas o agressor. Então, quando o ataque terminar, o Hamas estará provavelmente mais forte.

O Hamas está fazendo tudo o que pode para provar que é melhor que o Fatah como partido da situação e para acabar com a ocupação (um termo que às vezes se refere ao país inteiro e, às vezes, aos territórios ocupados em 1967).

Para alcançar esse objetivo, o Hamas não se preocupa em transformar Gaza num pseudo-estado, aprofundando assim as diferenças políticas e sociais com a Cisjordânia. Para o Hamas, os laços com o mundo muçulmano e árabe são mais importantes do que uma passagem segura para Ramallah.


Tradução: Katarina Peixoto