Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 14461 al 14480 
AsuntoAutor
632/12 - NUEVO LIB Noticias
633/12 - Aparición Noticias
Re: NoticiasdelCeH Patricia
Re: NoticiasdelCeH mariela
634/12 - Boletín e Noticias
635/12 - Serie de Noticias
636/12 - Pasajeros Noticias
637/12 - Espacio c Noticias
638/12 - V Jornada Noticias
639/12 - Pasajeros Noticias
640/12 - PROGRAMA Noticias
641/12 - MERIDIANO Noticias
642/12 - VIAJANDO: Noticias
Re: NoticiasdelCeH regina m
643/12 - EL REGRES Noticias
644/12 - O REGRESS Noticias
RE: NoticiasdelCeH Silvia S
CRISTÓBAL COLÓN EN Geóg. Ho
645/12 - VIAJANDO: Noticias
646/12 - REFLEXIÓN Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 14778     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 644/12 - O REGRESSO DE MERIDIANO
Fecha:Jueves, 11 de Octubre, 2012  21:23:41 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCrHu 644/12
 
 

MERIDIANO – Revista de Geografía, número 1, 2012 – versión digital.

http://www.revistameridiano.org/

 

Editorial

MERIDIANO – Revista de Geografía 6

 

O REGRESSO DE MERIDIANO

Há quase duas décadas, no começo da trajetória do Centro de Estudos Alexander von Humboldt (CeHu), fomos protagonistas da experiência editorial da Meridiano – Revista de Geografia, que durante cinco anos marcou os primeiros passos de nossa Organização. Esse foi um momento muito especial. A precocidade dessa experiência foi acompanhada de um grande esforço para torná-la um canal de comunicação privilegiado da construção do CeHu. Nesse trajeto, os primeiros anos combinam com o lançamento dos Encontros Humboldt (EnHu).

Não ocorreu por acaso a descontinuidade desse experimento editorial no final dos anos noventa; constituiu uma expressão material da necessidade, naquele momento, de concentrar os esforços no desenvolvimento da própria organização. Cabe acrescentar que aquela primeira versão de Meridiano não foi considerada uma simples experiência editorial, mas especialmente uma expressão editorial enquadrada e subordinada ao desenvolvimento político do Centro Humboldt. A partir daí, em grande parte, o seu esgotamento resultou de circunstâncias relativamente alheias à saga editorial. Para ser mais preciso, a Revista permitiu integrar o nascimento do CeHu a uma segunda fase no processo de sua construção.

Decorrido mais de uma década do fim daquela Meridiano – uma revista em papel, de desenvolvimento limitado pelas próprias condições materiais que a marcavam – o Centro Humboldt reedita essa experiência, admitida agora pelas novas circunstâncias que nos têm imposto, do mesmo modo, esta tarefa, como atividade central no desenvolvimento da organização. Em princípio, a nova Meridiano é produto da reconfiguração do CeHu. É que depois desse período o Centro tornou-se mais complexo. Enquanto que a primeira experiência ficava decisivamente em Buenos Aires, sua sucessora se fundamenta num esforço conjunto argentino-brasileiro: Buenos Aires, Brasília e Ribeirão Preto, que são partes de um caminho muito mais abrangente que o do anterior.

Ao mesmo tempo, essa engrenagem binacional da revista hoje expressa também a entrada de uma nova geração. Uma geração que não estava no momento da criação do Centro Humboldt. Neste sentido, esta Meridiano é a expressão mesma da renovação do Centro no tempo. Será uma experiência diferente da original. Ajustada ao seu tempo, uma versão Mas também constitui um esforço vital do CeHu por posicionar-se ativamente na “batalha de ideias” da era em que vivemos. E não é um acidente, então, que seu reaparecimento seja contemporâneo ao XIV EnHu, sob o lema de “A hora da ‘Desglobalização’”. Meridiano – Revista de Geografia, regressa para ser parte da contra ofensiva ideológica materialista para enfrentar o pensamento estabelecido, esse que tem dominado ao largo das últimas três décadas. Meridiano – Revista de Geografia retorna hoje para servir como um ponto de apoio para um reagrupamento da esquerda em Geografia. Com ânimos “setentistas”, no contexto de esgotamento da resposta sistêmica setentista; erguida sobre a marca estabelecida nos EnHu em luta aberta contra a ideologia do imperialismo e suas várias projeções e extensões institucionais e para-institucionais.

Incumbe ao Centro de Estudos Alexander von Humboldt uma responsabilidade de envergadura nesta etapa. Cabe também uma enorme responsabilidade aos companheiros argentinos e brasileiros no desenvolvimento desta experiência que, como aquela outra, não será um registro editorial isolado, mas uma experiência editorial, como parte de uma luta política de alcance internacional a partir de uma circunstância sem precedentes, como é a construção de uma organização sem âncoras institucionais estatais, ou seja, como um simples produto da livre associação de pessoas para conformar um sujeito coletivo, a fim de participar na luta político-intelectual num momento de mobilizações que abrange a geografia planetária.

Aos companheiros do Centro nosso agradecimento pelos esforços até agora empenhados. Aos companheiros do decurso da nossa experiência, saudações fraternas. E nada mais que dizer-lhes, nos encontramos ao longo do caminho.

Buenos Aires (Argentina) / Ribeirão Preto (Brasil), outubro de 2012.

Omar Horacio Gejo

Director

Elias Antonio Vieira

Director Adjunto