Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 14437 al 14456 
AsuntoAutor
613/12 - Historian Noticias
614/12 - VIAJANDO: Noticias
=?utf-8?B?TGlicmUg Jeronimo
615/12 - Brasil - Noticias
616/12 - Buenos Ai Noticias
consulta s obre re Alejandr
Re: NoticiasdelCeH Lic. Ana
617/12 - Pasajeros Noticias
Re: NoticiasdelCeH Estela N
618/12 - VIAJANDO: Noticias
619/12 - El Siglo Noticias
620/12 - Pasajeros Noticias
621/12 - España - Noticias
622/12 - Pasajeros Noticias
623/12 - Eric Hobs Noticias
624/12 - Hobsbawm: Noticias
625/12 - Seminario Noticias
626/12 - La moda s Noticias
627/12 - Pasajeros Noticias
628/12 - FALTAM ME Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 14757     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 628/12 - FALTAM METAS DE PRODUTIVIDADE AOS DOCENTES DAS UN IVERSIDADES PÚBLICAS (JOSÉ MARIA ALVES DA SILVA)
Fecha:Domingo, 7 de Octubre, 2012  12:58:54 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 628/12
 
Brasil y Argentina, una misma geografía

 
 
FALTAM METAS DE PRODUTIVIDADE AOS DOCENTES DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS??
prof. JOSÉ MARIA ALVES DA SILVA

NÃO

No Brasil, as universidades estão entre as instituições públicas mais submetidas a avaliações externas de desempenho. Além de contrariar o princípio da autonomia, previsto no artigo 207 da Constituição Federal, tal excesso de cobrança também pode ser considerado anômalo por induzir desvios de função, em detrimento da geração de bens públicos que não podem ser adequadamente aferidos por meio de indicadores quantitativos.

Em contraste com as atividades produtivas agrícolas e industriais, ou nas áreas de segurança, saúde, transporte e energia, os "inputs" e "outputs" mais essenciais da "função de produção acadêmica" envolvem coisas intangíveis como pensamentos e ideias científicas, políticas ou artísticas.

Podem-se somar quantidades de diplomas concedidos ou de artigos publicados em revistas indexadas, mas não os conteúdos dos diplomados e das publicações. Além disso, atividades como as filosóficas e científicas são caracterizadas por períodos de gestação longos e variáveis, incompatíveis com os objetivos imediatistas subjacentes à ação dos órgãos avaliadores.

Desde o início da peregrinação científica de Charles Darwin, no navio Beagle, até a publicação da "Origem das Espécies", passaram-se 18 anos. Pelos critérios de avaliação vigentes hoje nas universidades brasileiras, esforços científicos de grande fôlego, como o de Darwin, estão completamente fora de cogitação.

Durante o tempo que levou para concluir a teoria da relatividade geral, Albert Einstein publicou alguns artigos em revistas científicas, mas não com intuitos "carreiristas" e sim porque precisava se comunicar com os colegas, para melhor conduzir suas investigações.

Outro bom exemplo é Sócrates, que não deixou nada escrito. Sua atividade consistia em pensar e formar ideias que expressava apenas oralmente, pois considerava que escrever era desperdício de tempo.

No entanto, através dos discípulos, suas ideias contribuíram para a formação de parte substancial do acervo cultural da humanidade.

Se vivesse hoje como professor da universidade pública brasileira, ele seria apenas mais um dos atirados na vala comum dos improdutivos, por causa de metodologias de avaliação insufladoras de um "produtivismo" que, no longo prazo, tende a levar a resultados piores do que os que naturalmente ocorreriam se elas nunca tivessem existido.

Em consequência do excesso de avaliações e cobranças de produtividade, presencia-se hoje nas universidades públicas brasileiras um ambiente extremamente competitivo, estressante e direcionado para a produção de bens de mercado.

Tirando o que é gasto na elaboração de projetos, produção em massa de artigos, preenchimento de relatórios, atualização de currículos, participações cada vez mais frequentes em bancas, reuniões etc., sobra pouco tempo para pensar e outras finalidades importantes, como aperfeiçoar metodologias de ensino ou enriquecer conteúdos disciplinares.

Quando o "produtivismo" impera na academia, aulas, conferências e palestras brilhantes ou qualquer outro tipo de comunicação fora dos meios reconhecidos não contam, por mais que sirvam para solucionar problemas, enriquecer espíritos ou abrir novos caminhos de pensamento.

Esse é o cenário de uma universidade heterônoma, que está sendo conduzida por interesses consorciados de empresas que demandam serviços tecnológicos, famílias que almejam mais oportunidades de acesso a vagas gratuitas no ensino superior, "oligarquias científicas" que legitimam seus privilégios impondo sistemas de avaliação ad hoc e governantes mais comprometidos com o projeto de poder de seus partidos do que com o futuro na nação.


JOSÉ MARIA ALVES DA SILVA
, 60, doutor em economia, é professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV)