Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 13208 al 13227 
AsuntoAutor
967/11 - Pasajeros Noticias
968/11 - ¿Dónde es Noticias
RE: Notici asdelCe Raul Edm
969/11 - VIAJANDO: Noticias
970/11 - XIII ENCU Noticias
971/11 - Argentina Noticias
RE: Notici asdelCe Hernan C
coloquio geografía Pablo Do
972/11 - Coloquio Noticias
Re: NoticiasdelCeH Monica G
973/11 - O DESCALA Noticias
974/11 - Exposição Noticias
975/11 - XIII ENCU Noticias
976/11 - Argentina Noticias
977/11 - XIII ENCU Noticias
978/11 - Pasajeros Noticias
979/11 - VIAJANDO: Noticias
=?utf-8?B?OTgwLzEx Alexande
981/11 - Fallecimi Alexande
=?utf-8?B?OTgyLzEx Alexande
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 13501     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 973/11 - O DESCALABRO DO ENSINO
Fecha:Lunes, 19 de Septiembre, 2011  10:19:30 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 973/11
 
Estimados colegas  professores,
     todos nós sabemos da grave crise que atinge a educação brasileira e, curiosamente, num momento em que nunca se teve tanto recurso para Educação. Esse fato é inegável.  Os alunos recebem merenda escolar, fardamento, cadernos , livros caríssimos, há computadores aos montes em muitas escolas ( não em todas, obviamente), DVD etc.  Contudo , os salários dos profs, em todo o país, são baixíssmos. A nossa profissão, em termos relativos , é a que é pior remunerada no País. Mas será que o fracasso da Educação brasileira é só uma decorrência  dos baixíssimos salários que o prof. recebe?  E`evidente que outros fatores estão envolvidos  nesse fracasso constatado. Incluo aqui entre esses fatores: 1- a quebra da hierarquia em sala de aula, 2- a indisciplina generalizada nas escolas  privadas e sobretudo públicas, (com atos frequentes de agressões físicas a profs.)  que impede a tranquilidade do docente para ministrar aulas 3- a ausência de uma legislação mais rígida que permita o reestabelecimento da disciplina  nas escolas e 4- a formação dos docentes em universidades brasileiras, sobretudo públicas..
     A revista VEJA traz na edição de  21/ de setembro de 2011 um pequeno, mas interessante, artigo intitulado " O descalabro do ensino", que aborda, generalizadamente, essa questão que mencionei. E´um alerta! E´um chamamento extremamente oportuno.  Reproduzo-o aqui e  lhes envio para que façam uma reflexão isenta de ranços ideológicos  sobre esse problema cuja resolução é crucial para a nossa Pátria.
     Saudações
     Lucivãnio



 
O descalabro do ensino 
CARTA AO LEITOR 
REVISTA VEJA

Em sua coluna em VEJA da semana passada, Gustavo Ioschpe alertava os pais com filhos em escolas privadas para o fato de que as altas mensalidades e o esforço familiar para pagá-las davam a falsa ilusão de que isso era o bastante para proporcionar aos rebentos uma vantagem inicial na luta pela vida. "Tenho más notícias", escreveu Ioschpe, e continuou: "Os tempos mudaram, e a arena de competição desta geração não é mais o Brasil, mas o mundo. (...) seu filho vai perder o emprego para um indiano, australiano ou chinês". Esta edição de VEJA traz uma reportagem coordenada por Monica Weinberg, chefe da sucursal no Rio de Janeiro, que faz o retrato em números da situação calamitosa apontada por Ioschpe, concentrando-se nas causas do fracasso do ensino médio público e privado no Brasil.

O principal fator é o despreparo dos professores, produto de escolas de pedagogia dominadas pelo proselitismo ideológico embalado em teorias tão arcanas quanto inúteis. Apenas 20% do tempo é dedicado às questões práticas de sala de aula. Passa da hora de inverter essa fórmula maligna que forma, no jargão da esquerda, "parteiros da história" e dedicar 80% do tempo a treinar os professores para ensinar matemática, português, ciências e lógica aos alunos.

Os espantosos resultados do mais recente Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, divulgados na semana passada, reforçam os diagnósticos da reportagem, que se conclui com um artigo do economista Claudio de Moura Castro.

"Temos escola única com currículo único. É estarrecedor", escreveu Moura Castro. A tabulação das provas do Enem feitas por 3,2 milhões de estudantes brasileiros traduz em números uma realidade que, de tão perversa, exigiria que de uma vez por todas a educação de qualidade fosse colocada como a grande prioridade nacional: apenas 6% das escolas - 1500 de um total de 23900 que participaram do exame - poderiam ser listadas como instituições de ensino que formam alunos preparados para os imensos desafios propostos pela economia global e digital do século XXI. É muito pouco. É quase nada. É um desastre. Urge mobilizar as energias do país para começar a reverter esse trágico descalabro.
 

listageografia - Brasil - pazera@terra.com.ar