Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 12221 al 12240 
AsuntoAutor
68/11 - El ciudada Noticias
69/11 - PRESENTACI Noticias
70/11 - NUEVO LIBR Noticias
71/11 - México - E Noticias
72/11 - Pasajeros Noticias
73/11 - Tombando o Noticias
74/11 - O Povo do Noticias
76/11 - Oriente Mé Noticias
75/11 - O gigante Noticias
79/11 - Se fue Mub Noticias
78/11 - O silêncio Noticias
80/11 - O 1848 ára Noticias
77/11 - "É preciso Noticias
82/11 - El Berlín Noticias
81/11 - Alain Badi Noticias
83/11 - Triunfa la Noticias
84/11 - Pasajeros Noticias
85/11 - Curso sobr Noticias
Re: NoticiasdelCeH Liliana
86/11 - Brasil - I Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 12517     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 100/11 - Egito: a revolução cooptada? (Pepe Esco bar)
Fecha:Miercoles, 16 de Febrero, 2011  22:33:24 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 100/11

www.centrohumboldt.org


Egito: a revolução cooptada?

Um grupo de sete jovens revolucionários do 25 de Janeiro, entre os quais Wael “o Gandhi da Google” Ghonim, reuniram-se com dois membros do Conselho Supremo das Forças Armadas. O exército egípcio parece estar tentando operação de melhores Relações Públicas “ouvindo mais do que fala”. Até agora o papel do exército egípcio continua ambíguo – para dizer o mínimo. O estado de emergência continua como sempre foi e os presos políticos não foram libertados. O artigo é de Pepe Escobar.

“I take my hat to the new constitution
Take a bow for the new revolution”

The Who, Won't Get Fooled Again (*)

Se fosse um anúncio, a frase seria “o som de uma nova geração”. Um grupo de sete jovens revolucionários do 25 de Janeiro, entre os quais Wael “o Gandhi da Google” Ghonim, reuniram-se com dois membros do Conselho Supremo das Forças Armadas. Para o blog The Arabist, foi “os meninos do Facebook reúnem-se com os generais”, ou a Geração Y reúne-se com o Ancien Regime (que acontece de ser também o novo regime...)

O resultado, com as posições de Ghonin e Amr Salama, foi postado inicialmente na página Facebook “We Are All Khaled Said” [http://www.elshaheeed.co.uk/], em árabe, e depois traduzido, circulou pela internet[1].

O exército egípcio parece estar tentando operação de melhores Relações Públicas “ouvindo mais do que fala”. Seja como for, a nova geração não deveria ter perdido a oportunidade de dizer ao major-general Mahmoud Hijazi e ao major-general Abdel que têm de melhorar a estratégia de comunicações – por exemplo, livrando-se do fetiche (mas que coisa tão 1970!) dos comunicados.

Ghonin e Salama, como eles próprios admitem, optaram por acreditar no que os generais disseram. Ainda é cedo para saber se foram ingênuos demais, ou se foram só ingênuos. O Conselho Supremo, em teoria, é favorável a um governo civil, ao mesmo tempo em que se mantém intacto o atual gabinete do mubarakismo, pelo menos por hora.

Os generais prometeram formar uma comissão constitucional – de juristas de prestígio – a ser formado nos próximos 10 dias, para identificar os artigos da constituição que devem ser alterados. Assim se obterá uma primeira minuta de nova constituição. E depois, o creme sobre o bolo: uma nova constituição a ser legitimada por referendum no prazo alucinadamente curto de dois meses.

Os generais também são favoráveis à formação de novos partidos políticos e supervisionarão uma campanha para arrecadar 100 bilhões de libras egípcias (cerca de 17 bilhões de dólares) em doações para “reconstruir o país”.

A ofensiva de sedução do exército deixa sem responder muitas questões importantes – dentre outras, se têm intenção de investigar com seriedade as muitas acusações de corrupção massiva e levar a julgamento os acusados. Principalmente, se têm planos para negociar com os sindicatos e organizações de trabalhadores. No Egito, todas as greves são proibidas.

A grande maioria dos egípcios que querem mudanças no Egito não têm conta Facebook, nem tuíta. Querem salário pelo menos decente, para começar. E se nada acontecer, jornalistas, motoristas de ambulâncias, oficiais de política, trabalhadores dos transportes, todos, continuarão indefinidamente em greve, como estão.

Alerta vermelho
Pode haver um perigo nesse estágio, de que a (declinante) classe média egípcia – na qual se incluem a maioria dos jovens revolucionários – passe a privilegiar a “estabilidade”, descuidando da concentração e da mobilização das três últimas semanas. O autodesignado “Comitê de Sábios”, por exemplo, tenta a todo custo sequestrar todo o duro trabalho dos jovens revolucionários, apoiando qualquer mínima “reforma” da Constituição.

Pode estar em andamento algum confronto aberto com a classe trabalhadora – e o campo. Os meninos do Facebook não são exatamente políticos astutos. Agora, é preciso arrancar da junta militar compromissos institucionalizados – liberdade de imprensa, por exemplo, e a ser garantida imediatamente; e abolição de todas as leis de emergência. Para tudo isso os rapazes do Facebook têm de aprender a negociar – da posição de alta autoridade moral que lhes deu a rua.

Tio Marx – especialista em revoluções – descobriu que a Comuna de Paris fracassou porque não marchou sobre Versailles, o que deu tempo à contrarrevolução para preparar a contraofensiva. Assim também, os jovens revolucionários egípcios têm de aproveitar o momentum e manter a pressão.

Até agora o papel do exército egípcio continua ambíguo – para dizer o mínimo; e há casos documentados de tortura nas unidades da inteligência militar. Para não falar da última deles – proibiram a imprensa nacional e estrangeira de transmitir da praça Tahrir. Além do mais, a TV al-Arabiyyah – porta-voz da Casa de Saud – relata que ofereceram o ministério da Informação a Imad Ad-Din Adib, um dos que ajudaram a lançar a campanha do hoje ex-presidente Hosni Mubarak, quando candidato; e íntimo da Casa de Saud.

É ainda muito cedo para dizer se a junta militar que está no poder fará o que tem dito que fará, nesse novo remix local do mantra de Washington – “transição ordeira”, ou se se perpetuará no poder com melhores ternos, dividindo a opinião e sem parar de receber “presentes” dos suspeitos de sempre: Washington, Telavive e Riad.

Como o Dr. Aida Seif El-Dawla, do Centro Nadeem para Vítimas de Tortura no Cairo, disse ao Institute for Public Accuracy dos EUA: “Ainda temos o mesmo Gabinete nomeado por Mubarak. O estado de emergência continua como sempre foi. Ainda há muitos presos antigos, além de muitos novos, depois de 25 de janeiro. E ainda há muitos desaparecidos. Até aqui, ninguém foi acusado pelos assassinatos.”

Todos devem manter-se em alerta máximo. Pode acontecer de, dia desses, até Nosferatu – Omar “Sheikh al-Tortura” Suleiman – reerguer-se dos mortos.

(*) Pode ser ouvido em http://www.youtube.com/watch?v=zydAs5bRW1U.

[1] Há matéria sobre isso no NYT de hoje (http://www.nytimes.com/2011/02/15/world/middleeast/15egypt.html?_r=1), reproduzida em vários jornais: “Dois generais sentaram-se domingo à noite [13/2] para discutir o futuro do Egito com sete dos jovens animadores da revolução egípcia – entre os quais o gerente de marketing da Google no Qatar, o egípcio Wael Ghonim e Amr Salama – e os ativistas postaram suas notas da reunião diretamente na internet, para serem divulgadas: “Todos nós sentimos neles um desejo sincero de preservar os ganhos da revolução e respeito jamais visto por os jovens estarem manifestando seus pontos de vista” – escreveram no Facebook Mr. Ghonim e Mr. Amr Salama, esclarecendo que aquelas são opiniões pessoais suas. Para eles, não se viu na fala dos generais “nada daquele tom de pai para filho (‘você não sabe o que é melhor para você, filho’)”; escreveram que “é a primeira vez que um militar egípcio dá sinais de mais interesse em ouvir, do que em falar” [NTs].

Texto originalhttp://www.atimes.com/atimes/Middle_East/MB16Ak01.html

Tradução: Vila Vudu








Crea tu propia Red de Noticias
O participa en las muchas ya creadas. ¡Es lo último, es útil y divertido! ¿A qué esperas?
es.corank.com