Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 12221 al 12240 
AsuntoAutor
68/11 - El ciudada Noticias
69/11 - PRESENTACI Noticias
70/11 - NUEVO LIBR Noticias
71/11 - México - E Noticias
72/11 - Pasajeros Noticias
73/11 - Tombando o Noticias
74/11 - O Povo do Noticias
76/11 - Oriente Mé Noticias
75/11 - O gigante Noticias
79/11 - Se fue Mub Noticias
78/11 - O silêncio Noticias
80/11 - O 1848 ára Noticias
77/11 - "É preciso Noticias
82/11 - El Berlín Noticias
81/11 - Alain Badi Noticias
83/11 - Triunfa la Noticias
84/11 - Pasajeros Noticias
85/11 - Curso sobr Noticias
Re: NoticiasdelCeH Liliana
86/11 - Brasil - I Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 12489     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 73/11 - Tombando o autocrata (Tariq Ali)
Fecha:Sabado, 12 de Febrero, 2011  06:50:59 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 73/11

Tombando o autocrata

 Tariq Ali [*]
12/2/11

Uma noite alegre no Cairo. Que felicidade estar vivo, ser egípcio e árabe. Na Praça Tahrir estão a cantar: "O Egipto está livre" e "Vencemos!"

A remoção de Mubarak por si só (e levando o grosso dos seus US$40 mil milhões saqueados do tesouro nacional), sem quaisquer outras reformas, seria considerada na região e no Egipto como um enorme triunfo político. Isto colocará novas forças em movimento. Uma nação que testemunhou milagres de mobilizações de massa e uma enorme ascensão na consciência política popular não será fácil de esmagar, como o demonstra a Tunísia.

A história árabe, apesar das aparências, não é estática. Logo após a vitória israelense de 1967 que assinalou a derrota do nacionalismo secular árabe, um dos grandes poetas árabes, Nizar Qabbani, escreveu:

Crianças árabes,
Grãos de milho do futuro,
Vocês romperão nossas cadeias.
Matem o ópio nas nossas cabeças,
Matem as ilusões.
Crianças árabes,
Não leiam acerca da nossa geração sufocada,
Somos um caso sem esperança,
Tão sem valor quanto uma casca de melão.
Não leiam acerca de nós,
Não nos macaqueiem,
Não nos aceitem,
Não aceitem nossas ideias,
Somos uma nação de vigaristas e trapaceiros.
Crianças árabes,
Chuva da Primavera,
Grãos de milho do futuro,
Vocês são a geração que ultrapassará a derrota.

Quão feliz ele teria sido se visse a sua profecia ser cumprida.

A nova onda de oposição em massa aconteceu num momento em que não há partidos nacionalistas radicais no mundo árabe, e isto ditou as tácticas: enormes assembleia em espaços simbólicos que colocam um desafio imediato à autoridade – como que a dizer, estamos a mostrar nossa força, não queremos testá-la porque não estamos organizados nem preparados para isso, mas se você nos picar recorde que o mundo está a observar.

Esta dependência da opinião pública global está a mudar, mas também é um sinal de fraqueza. Tivesse Obama e o Pentágono ordenado ao exército egípcio que limpasse a praça – ainda que a alto custo – os generais provavelmente teriam obedecido às ordens, mas teria sido uma operação extremamente arriscada para eles, se não para Obama. Isto poderia ter dividido o alto comando dos soldados comuns e oficiais júnior, muitos do quais têm parentes e famílias a manifestarem-se e muitos do quais sabem e sentem que as massas estão do lado certo. Isso teria significado um levantamento revolucionário de uma espécie que nem Washington nem a Irmandade Muçulmana – o partido do cálculo frio – desejavam.

A demonstração de força popular foi suficiente para despedir o actual ditador. Ele só ia se os EUA decidissem tirá-lo. Depois de muita hesitação, ele fez isso. Eles não tinham qualquer outra opção séria. A vitória, contudo, pertence ao povo egípcio cuja coragem e sacrifícios infindáveis tornaram tudo isto possível.

Hillary e Mubarak. E assim isso acabou mal para Mubarak e o seu homem de confiança. Tendo lançado bandidos da segurança só há quinze dias atrás, o fracasso do vice-presidente Suleiman para desalojar os manifestantes da praça foi mais um prego no caixão. A maré ascendente das massas egípcias, com trabalhadores entrando em greve, juízes a manifestarem-se nas ruas e a ameaça de multidões ainda maiores na semana seguinte, tornou impossível para Washington suportarem Mubarak e seus cúmplices. O homem a que Hillary Clinton se referiu como sendo um amigo leal, na verdade "família", foi jogado no lixo. Os EUA decidiram cortar as suas perdas e autorizaram a intervenção militar.

Omar Suleiman, um velho favorito do Ocidente, foi seleccionado por Washington como vice-presidente, endossado pela UE, para supervisionar uma "transição ordeira". Suleiman sempre foi encarado pelo povo como um torturados brutal e corrupto, um homem que não só dá ordens como também participa no processo. Um documento da WikiLeaks contem um antigo embaixador dos EUA a louvá-lo por não ser "melindroso". O novo vice-presidente advertiu as multidões de manifestantes terça-feira passada que se não se desmobilizassem voluntariamente o exército estava à espera: um golpe podia ser a única opção restante. Foi ela, mas contra o ditador que eles haviam apoiado durante 30 anos. Era o único meio de estabilizar o país. Dali não podia haver retorno à "normalidade".

A era da razão política está a retornar ao mundo árabe. Os povos estão fartos de serem colonizados e intimidados. Enquanto isso, a temperatura política está a subir na Jordânia, Argélia e Iémen.

[*] Escritor. Seu último livro: "The Obama Syndrome: Surrender at Home, War Abroad", ed. Verso.

O original encontra-se em
http://www.counterpunch.org/tariq02112011.html






Crea tu propia Red de Noticias
O participa en las muchas ya creadas. ¡Es lo último, es útil y divertido! ¿A qué esperas?
es.corank.com