Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 11324 al 11343 
AsuntoAutor
754/09 - Perú - Tr Noticias
755/09 - Colombia Noticias
756/09 - VI Seminá Noticias
757/09 - Luján es Noticias
758/09 - El triunf Noticias
759/09 - El retorn Noticias
760/09 - El señor Noticias
Z<zfruttero@ambien Raul Edm
753/09 - Navidad y Noticias
761/09 - Felicidad Noticias
Curso de Extensão/ Charles
Feliz final del 20 Gabriel
762/09 - VI Jornad Noticias
763/09 - Turicienc Noticias
764/09 - POR UN MU Noticias
Re: NoticiasdelCeH MARTA AL
1/10 - XII ENCUENT Noticias
2/10 - VI Seminári Noticias
Curso de Extensão/ Charles
3/10 - La geografí Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 11611     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 15/10 - Mobilização popular no Haiti. Exigem saída d as tropas estrangeiras principalmente dos EUA e Brasil
Fecha:Viernes, 19 de Febrero, 2010  14:29:25 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 15/10

www.centrohumboldt.org


Mobilização popular no Haiti
Exigem saída das tropas estrangeiras principalmente dos EUA e Brasil



Indiferentes à dor do povo haitiano, as televisões procuraram dar a imagem de um Haiti mergulhado num ambiente de caos e de crime generalizado. Isto “apesar da dignidade demonstrada pelas vítimas do terramoto, e da evidência de grupos de cidadãos a trabalhar sem ajuda para resgatar as pessoas com dificuldades…” [ver o Sequestro do Haiti, John Pilguer, odiario.info de 3 de Fevereiro de 2010].
Agora censuram o despacho da IAR/Europa Press onde se noticia que os haitianos exigem a saída das tropas de ocupação, principalmente as dos EUA e do Brasil.




 
 
IAR Noticias/Europa Press - 18.02.10

Os seguidores do ex-presidente haitiano Jean-Bertrand Aristides iniciaram uma campanha de mobilizações para exigir a saída das tropas estrangeiras, principalmente estadunidenses e brasileiras, implantadas no país após o terramoto de 12 de janeiro, que custou mais de 150.000 vidas [notícias recentes apontam mais de 200 mil – N.T.], segundo estima o Governo.

A oposição à presença militar internacional se nutre, principalmente, dos seguidores de Aristide, derrotado em 2004 e 1991 em meio a interrupções da ordem constitucional que atribuem à influência de Washington, e tem sua base em bairros como Cite Soleil ou Bel Air, onde as pinturas com a cara de Aristide convivem com grafites de Bob Marley ou Martin Luther King.

“Arístides construiu tudo aqui, os brasileiros destruíram”, afirmou um homem chamado Jean em uma das ruinosas ruas de Bel Air em declarações ao correspondente do jornal brasileiro ‘Folha de São Paulo’. Os brasileiros constituem o principal contingente da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (MINUSTAH).

Uma das principais tarefas da MINUSTAH foi desarmar grupos relacionados a Aristide entre 2004 e 2007. Os soldados brasileiros “não são nossos amigos’. “Matam o nosso povo”, lamentou um dirigente da Massa Popular, Vanel Louis Paul.

Outros setores da população são mais favoráveis à presença da MINUSTAH, cuja direção militar depende do Brasil, mas o enviado especial da ‘Folha’ destaca que esse “setor radicalizado” existe, algo que tem muito presente na missão internacional.

“Não deixemos de vigiar atentamente e com preocupação a atuação dos partidários de Aristide, pese a sua posição de debilidade”, explicou o chefe de comunicação do batalhão brasileiro da MINUSTAH, o coronel Alan Santos.

Todos os anos os seguidores de Aristide se manifestam no dia 28 de fevereiro em Porto Príncipe para recordar o golpe de Estado contra Aristide de 2004 e pedir a saída da MINUSTAH e, este ano, contarão com cerca de 5.500 antigos integrantes de grupos armados que puderam escapar das prisões no terremoto de 12 de janeiro.

O próprio ex-presidente, que se encontra exilado na África do Sul e reclama, desde ali, seu retorno ao Haiti sob a promessa de não se apresentar nas eleições presidenciais. Entretanto, seu partido, Fanmi Lavalas, segue contando com uma importante influência, sobretudo entre os haitianos mais pobres. “Estamos em todo o país. Nosso partido é o da maioria”, sustenta a presidenta do partido, Maryse Narcisse.

A ex-ministra é mais diplomática ao falar dos brasileiros, ainda que peça um calendário para sua retirada, algo que a ONU sustenta que não ocorrerá dentro de “muitos anos”.

“Não podemos crer que a MINUSTAH vá ficar para sempre. Necessitamos da solidariedade internacional, mas tem de haver dignidade para nós”, afirmou.

Esta notícia foi distribuída pelas agências acima indicadas em 2 de Fevereiro de 2010.