Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 11227 al 11246 
AsuntoAutor
672/09 - APERTURA Noticias
671/09 - Se realiz Noticias
Re: NoticiasdelCeH VDC
674/09 - HOMENAJE Noticias
673/09 - Geografía Noticias
675/09 - O CONCEIT Noticias
678/09 - Wikipedia Noticias
676/09 - ¿Para qué Noticias
679/09 - A RELEVÂN Noticias
677/09 - Wikipedia Noticias
680/09 - Organizaç Noticias
681/09 - XII ENCUE Noticias
682/09 - A CHEGADA Noticias
683/09 - Bajo el v Noticias
684/09 - A históri Noticias
685/09 - Colòmbia Noticias
686/09 - Homenaje Noticias
687/09 - Análise t Noticias
688/09 - CRISE? Noticias
Charla-debate: tra Jeronimo
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 11486     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu 680/09 - Organizações Internacionais e sua significâ ncia enquanto espaço geográfico
Fecha:Domingo, 8 de Noviembre, 2009  00:10:54 (-0300)
Autor:Noticias del CeHu <noticias @..............org>

NCeHu 680/09
 

Organizações Internacionais e sua significância enquanto espaço geográfico.

 

William Torres Laureano da Rosa1

1 Mestrando em Relações Internacionais pela UNICAMP – Programa “San Tiago Dantas” de Pós-graduação em Relações Internacionais (UNESP, UNICAMP, PUC-SP) e pesquisador do Instituto Nacional de Estudos sobre os Estados Unidos (INEU).

Orientador: Andrei Koerner (UNICAMP)

 

RESUMO

A questão do espaço geográfico é de grande importância para a geografia. É, para alguns, o conceito chave que determina todo o estudo desse campo de conhecimento. Esse mesmo espaço pode ser entendido como a sociedade inserida em fluxos no interior da rede. As Organizações Internacionais também ganham sua existência a partir de relações sociais e comunicacionais que, em parte, são passíveis de análise a partir da categoria de espaço geográfico. Essa aproximação permite uma melhor compreensão do processo atual do capitalismo global e do papel que essas organizações ganham depois da crise.

Palavras chaves: Organizações Internacionais, redes, fluxos, espaço geográfico.

 

ABSTRACT

The question of the geographic space is important for geography. It is, for someone, the concept key that determines all the study of this part of knowledge. This same space can be understood as the society inserted in flows that exist in the interior of the net. The International Organizations also gain its existence from social and communicational relations that, in part, are possible to understand starting with the category of geographic space. This approach allows an better understanding of the current process of the global capitalism and the paper that these organizations earn after the crisis.

Keywords: International Organizations, nets, flows, geographic space.

 

 

INTRODUÇÃO

As Relações Internacionais, enquanto ciência, passam por grandes alterações de cunho epistemológica e ontológico no final da década de 1980 e início da década de 1990. Durante todo o século XX, esse campo de estudo foi dominado por autores que procuraram o seu lugar nas Ciências Sociais exatamente pela diferenciação. Vertentes denominadas de realistas e de liberais, ou, na década de 70 e 80, de neo-realistas e neo-liberais, passaram a criar categorias próprias de análises. Os debates giravam entorno da disputa entre essas duas vertentes. Mesmo a possibilidade de uma teoria marxista das Relações Internacionais foi negligenciada.

Somente na virada da década de 1980 para a década de 1990 os autores voltados para as Relações Internacionais se permitiram um maior contato com os debates e com as categorias das demais ciências. Isso ocorre, principalmente a partir de trabalhos de autores como Onuf, Kratochwil e Wendt, que são os responsáveis por isso.

Essa corrente ficou conhecida como Construtivismo. Não existe, necessariamente, um mesmo arcabouço teórico para todos os autores que se pretendem construtivistas. Wendt é responsável por uma discussão teórica baseada na sociologia e no debate entre agente e estrutura. Por outro lado, Kratochwil e Onuf são aqueles que fizeram em Relações Internacionais, a chamada “virada lingüística”, a análise a partir da comunicação e a proeminência da análise de discurso.

Ao fazer essa aproximação, Wendt compreende que é um cientista político que busca uma teoria baseada em um conhecimento com o qual pouco tem contato e que foi trabalhado de forma ampla e sem uma orientação específica (WENDT: 1999, 1). Da mesma forma, ao se utilizar questões relativas à Geografia e a conceitos e categorias muito próprios desse campo, este trabalho o faz de forma abrangente, não seguindo a teoria como um todo, mas se aproveitando de determinadas idéias para a aproximação dos dois campos (da mesma forma, ver Mathais ALBERT, 1999, em relação a Luhmann).

O presente trabalho, da mesma forma como esses autores fizeram, tem a pretensão de pensar as Relações Internacionais a partir de outras categorias, a dizer, as geográficas. Não se presta a buscar uma nova geopolítica, mas sim de analisar a formação de Organizações Internacionais do ponto de vistas das redes, dos fluxos e do conceito de espaço geográfico.

Partindo do reconhecimento da “condição pós-moderna”, em que a aproximação entre os espaços do globo levaria à sensação de diminuição do próprio globo e levando em consideração que os pólos se organizam a partir da sua inserção na rede globalizada do capitalismo atual, a tentativa que se faz é de compreender o papel das Organizações Internacionais e qual poderia ser a sua significação a partir das categorias geográficas. Em primeiro lugar, procura-se desenvolver o conceito de espaço geográfico e como alguns autores trataram desse conceito, passando pela compreensão das redes e fluxos. Depois, uma tentativa de conceituar a questão dos regimes internacionais e suas organizações para, por fim, buscar aproximar os dois conceitos e mostrar quais os ganhos analíticos essa aproximação pode gerar.

Aqui vale a mesma ressalva apresenta por Wendt. Assim como ele, o contato com a geografia ocorreu de forma ampla. No mais, é a visão de alguém fora da área, mas que pretende uma análise a partir dela.

 

ESPAÇO, FLUXO E REDE

O conhecimento geográfico, segundo Ruy Moreira (2004), é aquele próximo das pessoas de forma costumeira, uma vez que moram em lugares e se relacionam com pessoas de outros lugares. Os recursos vêm de diferentes lugares que se transformam em objetos úteis. Há uma combinação entre esses lugares e as diversas relações entre lugares que teceria uma unidade de espaço geográfico, que constituiria o espaço de existência dos homens (MOREIRA: 2004, 57).

Ainda segundo Moreira, “pessoas, objetos e idéias fluem entre esses diferentes lugares, entrecruzam-se através das artérias que os põem em comunicação. Ajudam-se ou ignoram-se.” (MOREIRA: 2004, 57). Ruy Moreira apropria-se do conceito de espaço geográfico a partir da idéia de processo do trabalho. Existiria uma relação de aparência entre os dois conceitos, uma vez que o espaço é a aparência de processos historicamente concretos do trabalho organizado (MOREIRA: 2004, 85). Essa organização se dá, uma vez que o processo do trabalho necessita de uma organização, no espaço. Só existe continuidade, porque existe reprodução do processo do trabalho. O espaço gerado por esse mesmo processo deixa de ser efêmero, se transforma, acompanhando e condicionando a evolução das sociedades (MOREIRA: 2004, 88). Mais do que isso, o espaço é a própria sociedade:

“Produto histórico, e por conseguinte tendo um conteúdo histórico, o espaço é a própria sociedade. [...] O espaço é a sociedade pelo simples fato de que é a história dos homens produzindo e reproduzindo sua existência por intermédio do processo do trabalho.[...]” (MOREIRA: 2004, 90).

Milton Santos observa que a idéia de espaço seria o campo específico da geografia. “Se queremos alcançar bons resultados nesse exercício indispensável, devemos centralizar nossas preocupações em torno da categoria – espaço – tal qual ele se apresenta, como um produto histórico” (SANTOS: 1978, 117). Ao conceituar o espaço, M. Santos o faz a partir das relações sociais que se manifestam em processos e funções. Seria um campo de forças cuja aceleração é desigual, gerando formas espaciais desiguais nos diversos lugares (SANTOS: 1978, 120).

O autor continua sua análise mostrando que a centralidade do seu estudo se faz no sentido do fato social enquanto um fato histórico, produtor e produto, como

“um revelador que permite ser decifrado por aqueles mesmos a quem revela; e, ao mesmo tempo, em que adquire uma significância autêntica, atribui sentido a outras coisas. Segundo essa acepção o espaço é um fato social, um fator social e uma instância social” (SANTOS: 1978, 130).

Comentando sobre a importância de Por uma nova Geografia de Milton Santos, Ruy Moreira mostra como o conceito de espaço geográfico se torna central. Seria ao longo desse livro que M. Santos descobriria que “a sociedade é o seu espaço geográfico e o espaço geográfico é a sua sociedade” (MOREIRA: 2007, 27).

Ainda compreende o autor que em Por uma geografia nova, desperta-se para a interação sociedade-espaço como uma relação histórica em que cada sociedade se organiza na medida da organização do seu próprio espaço. (MOREIRA: 2007, 28). O período do meio técnico-científico e informacional de Milton Santos é aquele em que o componente internacional ganha expressão e organiza as sociedades no âmbito de uma divisão internacional do trabalho.

Em Milton Santos, percebe-se que “chegamos à fase histórica em que a noção de espaço global se impõe com mais força porque as variáveis que ajudam a tecer o

seu contexto têm uma origem cada vez mais longínqua e um alcance mundial” (SANTOS: 1978, 167). Assim como M. Santos, David Harvey observa o processo do trabalho e como ele se alterou chegando à “condição pós-moderna” (HARVEY: 1992), partindo da idéia de acumulação flexível.

“A acumulação flexível, como vou chamá-la, é marcada por um confronto direto com a rigidez do fordismo. [...] Caracteriza-se pelo surgimento de setores de produção inteiramente novos, novas maneiras de fornecimento de serviços financeiros, novos mercados e, sobretudo, taxas altamente intensificadas de inovação comercial, tecnológica e organizacional. A acumulação flexível envolve rápidas mudanças dos padrões do desenvolvimento desigual, tanto entre setores como entre regiões geográficas [...]. Ela também envolve um novo movimento que chamarei de „compressão do espaço-tempo no mundo capitalista – os horizontes temporais da tomada de decisões privada e pública se estreitaram, enquanto a comunicação via satélite e a queda dos custos de transporte possibilitaram cada vez mais a difusão imediata dessas decisões num espaço cada vez mais amplo e variegado” (HARVEY: 1992, 140).

O mundo se apresenta, portanto, cada vez mais próxima e cada vez mais a realidade internacional está presente nas transformações sociais e do trabalho. D. Harvey observa que houve dois desenvolvimentos de grande importância.

O primeiro desenvolvimento refere-se à valorização da informação precisa e atualizada como mercadoria importante, sendo que o acesso a essas informações e a capacidade de analise instantânea tornaram-se essenciais para a “coordenação centralizada de interesses corporativos descentralizados” (HARVEY: 1992, 151).

O segundo desenvolvimento seria o “da completa reorganização do sistema financeiro global e a emergência de poderes imensamente ampliados de coordenação financeira” (HARVEY: 1992, 152). Foi um movimento de concentração de poder financeiro global por um lado e por outro de descentralização de atividades e fluxos financeiros, sendo que

“a formação de um mercado de ações global, de mercados futuros de mercadorias (e até de dívidas) globais, de acordos de compensação recíprocas de taxas de juros e moedas, ao lado da acelerada mobilidade geográfica de fundos, significou, pela primeira vez, a criação de um único mercado mundial de dinheiro e de crédito.” (HARVEY: 1992, 152).

O autor também se preocupa com a questão do espaço em outro trabalho. Argumenta que se faz necessário trabalhar uma nova teoria do desenvolvimento geográfico desigual, e, dessa forma, se depara com o conceito do espaço. Para ele, a própria questão do desenvolvimento geográfico desigual se baseia na concepção de o que é a espacialidade.

Segundo o autor, muitos geógrafos procuram rever os argumentos filosóficos de Lefebvre, enquanto outros tendem a ver a espacialidade de outra maneira, como ativamente produzida e como um momento ativo no interior do processo social. Tratando o espaço como algo relacional e relativo, mais do que como um quadro absoluto (absolute framework) para a ação social, torna-se possível ver os caminhos em que a acumulação de capital, por exemplo, cria não somente espaços, mas diferentes formas de espacialidades (através de alguns movimentos, como a organização do mercado financeiro no ciberespaço) (HARVEY: 2006, 77).

O autor rememora algumas passagens existentes em Social Justice and the City, para desenvolver a sua idéia de espaço. Para ele, faz-se necessário voltar os estudos de filosofia da ciência para melhor desenvolver essa idéia. Assim ele escreve:

“If we regard space as absolute it becomes a „thing in itself with an existence independent of matter. It then possess a structure which we can use to pigeon-hole or individuate phenomena. The view of relative space proposes that it be understood as a relationship between objects which exists only because objects exist and relate to each other. There is another sense in which space can be viewed in the manner of Leibniz, as being contained in objects in the sense that an object can be said to exist only insofar as it contains and represents within itself relationships to other objects” (HARVEY: 2006, 121 e em HARVEY: 1976, 13).

Passa então, a desenvolver a idéia do espaço enquanto tripartite através da filosofia e da física. No fim, pergunta se o espaço (entendido como espaço e tempo) seria absoluto, relativo ou relacional, chegando a sua idéia original de que seria os três ao mesmo tempo. (HARVEY: 2006, 125-6 e em HARVEY: 1976, 13-14).

De H. Lefebvre, em The production of Space, Harvey observa como o autor trabalha a questão. A divisão tripartite do espaço se daria em espaço material – espaço experimentado – (o espaço da experiência e da percepção aberto ao toque e sensação física), a representação do espaço – espaço conceituado – (espaço como conceived e representado) e espaços de representação – espaço vivo – (o espaço vivo de sensações, imaginação, emoções e significados incorporados em como vivemos no dia-a-dia) (HARVEY: 2006, 130).

Essas idéias levariam a uma matriz em que a divisão tripartite de Harvey e a divisão tripartite de Lefebvre se relacionariam e em que o encontro, a intersecção das categorias de Harvey com as de Lefebvre sugeririam diferentes significados de espaço e de espaço-tempo.

Dessa forma, diferentes espacialidades podem ser encontradas na intersecção dos conceitos. Paredes, pontes e ruas, por exemplo, seriam tanto Espaço absoluto, quanto Espaço Material (espaço experimentado). O surrealismo, assim como as descrições de Leibniz e de Benjamin, estaria na intersecção entre o Espaço relacional, entendido enquanto tempo, e a representação do espaço (espaço conceituado) e as visões e fantasias no encontro do espaço relacional e do espaço vivo, entre outras representações que a matriz permitiria.

A idéia de espaço pode ser bem compreendida se a isso observarmos a idéia do espaço no interior da rede. Manuel Castells também parte da idéia de que há uma transformação no espaço tempo decorrente dos novos paradigmas da informação e de novas formas sociais introduzidas (CASTELLS: 1999, 467).

Assim ele observa que no interior das redes (entendida enquanto estruturas comunicacionais abertas e ilimitadas que podem incluir novos nós, desde que esses novas estruturas consigam se comunicar no interior da rede, ou seja, compartilhem valores e objetivos comuns), as regiões se estruturariam de forma a competir na economia global, sob o impulso de governos e de elites empresariais (CASTELLS: 1999, 471).

Para Castells, a importância está nos fluxos. Os espaços são espaços de fluxos e todo o tipo de fluxo (de capitais, informação, tecnologia, interação organizacional, imagens, sons e de símbolos) representam os processos que dominam a vida econômica, política e simbólica. “O espaço de fluxos é a organização material das práticas sociais de tempo compartilhado que funcionam por meio de fluxos”. Os fluxos são seqüências intencionais, repetitivas e programáveis de intercâmbio entre posições fisicamente desarticuladas, mantidas nas estruturas política, simbólica e econômica da sociedade. (CASTELLS: 1999, 501).

O espaço de fluxos seria constituído de pelo menos três camadas. A primeira camada se referiria ao suporte material do espaço de fluxos, entendida enquanto um circuito de impulsos eletrônicos. A segunda camada seria “constituída por nós e por centros de comunicação”. A terceira refere-se à “organização espacial das elites gerenciais dominantes” (CASTELLS: 1999, 501-504).

A geografia, portanto, permite observar como a estrutura do capitalismo atual se estrutura criando novos espaços geográficos. A questão do espaço e a forma como ele é socialmente construído permite que se observem construções institucionais que se comunicam com os outros nós da rede e como a partir desses espaços os fluxos criados alteram as estruturas no plano internacional. Entre essas estruturas, encontramos as Organizações Internacionais que bem podem se adequar ao conceito de espaço geográfico e que existem nos fluxos da rede.

 

ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS E ESTRUTURAS DE LINGUAGEM

Existem diversas formas de estruturas internacionais. O processo de diferenciação dessas estruturas leva a maior institucionalização das mesmas que, a partir de um regime internacional, parte para uma Organização centralizada e permanente. É por isso que, em geral, compreendendo o regime como o processo e as Organizações como o resultado final, trata-se mais daquele do que destas.

S. Krasner apresenta artigo, posteriormente editado, em que o regime internacional é definido como um conjunto de “principles, norms, rules, and decision making procedures around which actor expectations converge in a given issue-area”, sendo esse conceito a tônica dos artigos que foram reunidos juntamente com o do próprio autor (KRASNER: 1983). Acredita-se que, quando todos cooperam a soma do jogo é maior do que zero, seguindo os trabalho da teoria dos jogos.

R. Keohane, partindo de perspectiva considerada liberal, entende que estudar os regimes internacionais é entender a ordem no mundo político. Segundo o autor, os regimes funcionam em um sistema multilateral como facilitador de acordos que de outra forma seriam muito difíceis de serem acordadas. As questões tornam-se cada vez mais densas e demandam a estrutura de regime que podem ou não se tornar uma Organização Internacional. (KRASNER: 1983, 171).

Para F. Kratochwil, os regimes internacionais seguem a lógica habermasiana da ação comunicativa (HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004, 176). Os autores, dessa forma, fazem a mesma distinção que Habermas quanto às ações estratégicas e as ações comunicativas (HABERMAS: 2003). As ações estratégicas são instrumentais e estão ligadas ao controle eficiente da sociedade, de tal forma que as pessoas respeitem as normas. O regime internacional, por sua vez, buscaria conduzir o comportamento dos Estados segundo as normas e regras estabelecidas.

O constrangimento externo garantiria que os atores seguissem as normas pelo tempo em que fosse interessante para eles. Essa seria a idéia por trás de teóricos racionalista de regimes, entre os quais o próprio Keohane (HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004,176).

Em contraposição está a ação comunicativa que busca a aceitabilidade racional, coordenando as ações dos atores através de argumentos persuasivos. A

questão central é a do discurso em que as normas e a interpretação dessas se dariam por meio do debate entre os próprios membros.

Quando se analisa a partir da ação comunicativa, os regimes deixam de ter a características apresentadas por Krasner, e passa a ser apresentado como o produto de um processo em que a comunidade tem a possibilidade de se interpretar e se definir, em resposta ao contexto de mudança (“the product of an on-going process of community self-interpretation and self-definition in response to changing context”) (HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004, 179).

O sucesso ou fracasso de um regime estaria ligado, aos acontecimentos durante o próprio discurso internacional, uma vez que “the parties, themselves must interpret each others moves and constantly renegotiate the reality in which the operate” (HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004, 179). Os autores utilizam-se de Habermas para apresentar as condições de sucesso de um discurso e, assim, do regime.

Haveria dois pontos fundamentais. O primeiro ponto refere-se ao às normas de interação social que fazem parte da dinâmica do discurso, como por exemplo, a igualdade entre as partes. Segundo, sendo o discurso uma questão de interpretação e avaliação das ações particulares, não é cabível que argumentos incontestáveis existam como pano de fundo sobre como é a melhor maneira no plano internacional HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004, 180).

Os autores ainda mostram que as ações devem ser explícitas e com normas claras, tornando mais claro qual é o comportamento que os Estados estão compartilhando (HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004, 181), facilitando a necessária constante renegociação da realidade internacional (HASENCLEVER, MAYER, RITTBERGER: 2004, 185).

Em seu trabalho, F. Kratochwil busca mostrar a questão epistemológica por trás da teoria de relações internacionais e, então, quais as implicações para o estudo dos regimes internacionais. A partir da crítica às condições impostas por K. Popper, procura mostrar que a experiência do plano internacional ocorre a partir de “três mundos”: “o mundo dos fatos observáveis, o mundo das intenções e o mundo dos fatos institucionais.” (KRATOCHWIL: 1988, 263ss). Para cada mundo, o autor vislumbra um critério epistemológico diferente, compreendendo que somente quando o terceiro mundo, dos fatos institucionais, é constituído, abre-se a possibilidade de acessar a realidade social (KRATOCHWIL: 1988, 266), uma que no mundo dos fatos institucionais seria o mais apropriado porque no jogo – forma como Kratochwil às vezes trata os regimes – promessas e contratos fazem parte (KRATOCHWIL: 1988, 272).

Assim, Kratochwil mostra que os regimes têm elementos com regras e referências e leis e cortes da sociedade civil que também podem interpretar essas normas. Não basta observar o comportamento, faz-se necessário ir até as normas produzidas intersubjetivamente que constituem a prática social e que devem ser descoberto por uma epistemologia interpretativa (KRATOCHWIL: 1988, 277).

As Organizações Internacionais ganham validade e existem, portanto, dentro de um quadro maior de compreensão dos fatos sociais no plano internacional. Existem enquanto estrutura normativa e sua prática se ocorrem por meio da comunicação. Essas organizações também atuam segundo a lógica do capitalismo global, criando uma situação de desenvolvimento desigual (MURPHY, 2005) e como instrumento hegemônico das potências capitalistas (COX, 1999).

 

CONCLUSÃO

Em Relações Internacionais, esses conceitos geográficos apresentados devem ser flexibilizados. Podemos sim ver as organizações internacionais como um espaço em que há o fluxo de idéias e que se presta a uma reprodução social. Mas também, devemos perceber que o tipo de reprodução é diferente. Em tese, as Organizações Internacionais servem aos interesses do Capitalismo, uma vez que são os Estados que fazem parte delas. Mas também, as Organizações Internacionais fazem parte da geografia do homem concreto, uma vez que Estados não se comunicam.

São indivíduos que de alguma forma fazem parte do Estado que vão se comunicar. Essa comunicação, essa troca de idéias também vai ocorrer em um espaço, o espaço da política internacional. E ela também vai se prestar à reprodução da sociedade internacional enquanto tal. Um bom exemplo disso é a importância da estrutura dual da Organização das Nações Unidas, em que há uma Assembléia Geral, fruto da necessidade de maior democratização das Relações Internacionais, mas que, ao mesmo tempo, como mecanismo necessário a sua existência até os dias atuais, possui o Conselho de Segurança reproduzindo a distribuição de poder do fim da Guerra Fria.

Segundo Ruy Moreira,

“Existiria uma relação de reciprocidade histórica do espaço e da sociedade em que a determinação se dá na troca dialética do determinado e do determinante analisada por Lefebvre (A re-produção das relações de produção. Lisboa: Publicações Escorpião, 1973) e por Milton Santos. E que faz a vez da relação sujeito-objeto, em que o espaço, uma vez criado como objeto pelos sujeitos no processo de criação da sociedade na história, se reverte por sua vez em criador dos próprios sujeitos de sua criação”. (MOREIRA: 2007, 33).

As Organizações Internacionais existem também nessa dialética na tentativa de compelir os Estados a uma determinada ação, são criadas pelos próprios Estados, os quais passam a respeitar essas organizações, com ressalvas, ainda que não correspondam ao seu interesse. É o caso, por exemplo, da Organização Mundial do Comércio e do seu Sistema de Solução de Controvérsias. Ainda que os Estados Unidos sejam condenados por tal órgão, o regime continuará funcionando e as determinações serão cumpridas.

É claro que isso não acontece com todo o tipo de regime e de organização. A Sociedade Internacional se organiza a partir de diversas estruturas, entre as quais as próprias Organizações Internacionais e essas mesmas organizações fazem parte da rede de forma diferente. Assim como as cidades se inserem de maneira diversas, de forma mais ou menos intensa, os temas que compões a agenda internacional geram regimes que podem ou não ter a devida importância para os atores das relações internacionais a ponto de gerarem maior ou menor institucionalização.

É o caso, por exemplo, do regime do meio ambiente que não consegue, por falta de interesse dos Estados, constituir uma Organização Internacional ou mesmo fazer com que os principais poluidores respeitem as suas decisões. Mesmo o Conselho de Direitos Humanos que possui grande institucionalidade deixa a desejar quando se procura pela sua efetividade.

Assim, analisar a questão das redes e o papel dos espaços e fluxos no interior das mesmas gera ganhos analíticos importantes para as relações internacionais. A

crise atual do capitalismo, ainda que não possa ser explicado diretamente por questões das Organizações Internacionais, deve ser observado a partir dessa ótica.

A economia global gerou inúmeros fóruns de discussão, como o G7 e organizações como o Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, como a própria Organização Internacional do Comércio que tiveram grande papel em anos anteriores e que participavam ativamente das redes internacionais de decisão e eram um grande pólo de fluxos de decisões.

A atual crise forçou uma menor participação dessas organizações nos fluxos de decisão que ficou por conta de outros pólos de decisão, como o Estado e de grupos que se tornaram importantes e apareceram em canais de comunicação como o G20. Gera-se uma nova significação para a economia internacional que merece destaque para o seu desenvolvimento futuro, temas os quais esse trabalho não tem a pretensão, nem o espaço necessário para.

 

 

BIBLIOGRAFIA

 

ALBERT, Mathias. Observing world politics: Luhmanns systems theory of society and International Relations. Millennium: Journal of International Studies, vol. 28, n. 2, 1999.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. (A era da informação: economia, sociedade e cultura, v. 1). São Paulo: Paz e Terra, 1999.

COX, Robert W. Approaches to world order. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1999.

HABERMAS, Jürgen. Direito e Democracia. Entre a Facticidade e a Validade. 2 v. 4ª Ed. Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro: 2003.

HARVEY, David. Condição Pós-moderna: uma pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 1992.

______________. Social Justice and the city. Londres: Edward Arnold, 1976.

______________.Spaces of global capitalism: towards a theory of uneven geographical development. Nova York: Verso, 2006.

HASENCLEVER, Andreas; MAYER, Peter; RITTBERGER, Volker. Theories of International Regimes. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 2004. 248 p.

HERZ, Mônica; HOFFMANN, Andrea Ribeiro. Organizações Internacionais: história e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

KRASNER, Stephen D. (org.). International Regimes, Ithaca, NY: Cornell University Press, 1983.

KRATOCHWIL, Friedrich. Regimes Interpretation and the „Sciences of Politics: A Reappraisal. Millennium: Journal of International Studies, 1988, v. 17, nº. 2, disponível em: http://mil.sagepub.com>.

_____________________.; MANSFIELD, Edward D. International organization: a reader. Nova York, EUA: HarperCollins College Publishers, 1994.

MOREIRA, Ruy. O que é geografia. São Paulo: Brasiliense, 2004.

_____________. Pensar e ser em Geografia: ensaios de história, epistemologia e ontologia do espaço geográfico. São Paulo: Contexto, 2007.

MURPHY, Craig N. Global institutions, marginalization, and development. Nova York, EUA: Routledge, 2005.

RUGGIE, John G. Constructing the world polity: essays on international institutionalization. Nova York, EUA: Routledge, 2002.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia Nova: da crítica da geografia a geografia crítica. São Paulo: Hucitec, 1978.

WENDT, Alexander. Social theory of international politics. Cambridge, UK: Cambridge University Press, 1999.

 

Ponencia presentada en el XI Encuentro Internacional Humboldt – 26 al 30 de octubre de 2009. Ubatuba, SP, Brasil.
 




Crea tu propia Red Social de Noticias
O participa en las muchas ya creadas. ¡Es lo último, es útil y divertido! ¿A qué esperas?
es.corank.com