Inicio > Mis eListas > humboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 11121 al 11140 
AsuntoAutor
581/09 - Trabajo d Noticias
580/09 - Argentina Noticias
583/09 - A NATO pr Noticias
582/09 - Carta abe Noticias
586/09 - Argentina Noticias
584/09 - Trelew, e Noticias
585/09 - Argentina Noticias
587/09 - Argentina Noticias
588/09 - ÁREAS VER Noticias
590/09 - Golpes su Noticias
589/09 - Afganistá Noticias
591/ 09 - Capitali Noticias
592/09 - A influên Noticias
593/09 - Bibliogr Noticias
594/09 - Derrota d Noticias
592/09 - A influên Noticias
=?utf-8?B?Tk9BTSBD Charles
596/09 - O turno d Noticias
595/09 - Declaraçã Noticias
597/09 - Las bases Noticias
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
Noticias del Cehu
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 11384     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:NoticiasdelCeHu =?utf-8?B?Tk9BTSBDSE9NU0tZOiAiRkFMQVIgREUgU09CRVJBTklBIENPTE9NQklBTkEg?= =?utf-8?B?w4kgVU1BIFBJQURBIg==?=
Fecha:Viernes, 28 de Agosto, 2009  15:31:30 (-0700)
Autor:Charles Pennaforte <charlespennaforte @.........br>

Internacionales
NOAM CHOMSKY: "FALAR DE SOBERANIA COLOMBIANA É UMA PIADA"

Caracas, 28 de agosto de 2009 (Eva Golinger). A visita de Noam Chomski a Venezuela se produziu em um momento histórico no que ocorrem muitas mudanças na América Latina, potenciais mudanças na relação dos EUA com nações latino-americanas, e atualmente existem importantes tensões e conflitos que causam grande preocupação aos latino-americanos.

 

Neste contexto, e com o recrudescimento das agressões nos últimos meses, com o golpe de estado na Honduras, o aumento da presença militar na Colômbia, com a ocupação de mais de sete bases militares, além de um controle territorial a nível militar na Colômbia, temos também a reativação da quarta frota da armada que ocorreu o ano passado, mas está sendo usada agora neste contexto.

 

Também o tom do discurso para a Venezuela se feito mais forte, acusando a Venezuela de permitir o narcotráfico, terrorismo, e houve um aumento do orçamento militar do Pentágono, para o Comando Sul nesta região.

 

Eva Golinger (EG): É este algum tipo de fenômeno? “Agora com um presidente supostamente progressista na Casa Branca vemos mais ataque contra movimentos progressistas na América Latina”...

 

Noam Chomsky (NC): E no resto do mundo. Mas o que ocorre na América Latina ocorreu por mais tempo. EUA por muito tempo deu por sentado que podia controlar a América Latina, e de fato este foi um princípio básico de sua política externa desde suas origens como república, como uma aspiração, que conseguiram concretizar no século XX. O Conselho de Segurança Nacional, a maior entidade de planejamento, diz que se não podermos controlar a América Latina, como podemos o resto do mundo.

 

Henry Kissinger, quando o golpe do Pinochet, disse: “temos que nos desfazer além de ou não teremos credibilidade no resto do mundo”. Essa é a chave para controlar o mundo, e é obvio grande parte da economia estado-unidenses estava apoiada em investimentos, que eram uma espécie de saque, do século XIX. Tudo isto ocorreu por muito tempo e de distintas maneiras, intervenção militar, golpes de estado, agressões, durante o governo do Kennedy, com agressão de Estado, o exército instaurando Estados de segurança ao estilo neonazi.

 

Logo chegou o período neoliberal, o controle dos países por meios econômicos, mas a finais dos noventa já não era tão freqüente, Venezuela é um exemplo, mas ocorria em muitos outros países. Lentamente os países latino-americanos começaram a escapar do grande período, da época dos conquistadores espanhóis e portugueses, de uma ou outra forma de colonização.

 

Começaram a livrar do FMI, pagar e reestruturar suas dívidas enfocar-se nos problemas internos, e EUA começava a perder controle, e tinha que haver uma resposta, que se desdobrou desde finais dos anos noventa, e que tem duas frentes, um militar, e o outro que denominam promoção da democracia, que é um eufemismo de submissão. A gente é militar e a outra é a submissão, e Obama simplesmente lhes está dando continuidade. Não Começaram a livrar do FMI, pagar e reestruturar suas dívidas enfocar-se nos problemas internos, e EUA começava a perder controle, e tinha que haver uma resposta, que se desdobrou desde finais dos anos noventa, e que tem duas frentes, um militar, e o outro que denominam promoção da democracia, que é um eufemismo de submissão. A gente é militar e a outra é a submissão, e Obama simplesmente lhes está dando continuidade. Não está fazendo nada de novo.

 

Parece diferente ao Bush, mas a razão é se virmos à opinião pública, porta-vozes do governo, eles criticam ao Bush por não prestado atenção a América Latina, e que a região sofreu por isso. De fato é o melhor que passou a América Latina, que os EUA dirija sua atenção a outras regiões. Mas Obama quer remediar essa situação de uma perspectiva progressista liberal, prestando mais atenção a América Latina, o que implica um retorno a políticas mais tradicionais, a militarização e a submissão.

 

O que você menciona é um exemplo, mas vem de antes, de faz muitos anos, por exemplo, o treinamento de militares latino-americanos pelos últimos dez ou quinze anos aumentou em grande medida, possivelmente 50% mais do que era nos anos noventa. E agora a posição militar dos EUA na América Latina é relativamente maior que durante a Guerra Fria. Pela primeira vez, há mais oficiais de treinamento militar que assessores econômicos. A estratégia trocou para um esforço por reconstruir uma estrutura de intervenção potencial, e também para a chamada promoção da democracia.

 

EG: Que experimentamos em grande medida aqui na Venezuela através da USAID, a National Endowment for Democracy com financiamento a grupos opositores e agora com participação em uma campanha de contrainsurgencia ao interior das forças revolucionárias que apóiam ao governo, que tentam neutralizar.

 

NC: Mas estas são políticas de grande data. EUA de fato iniciou uma nova fase do imperialismo faz um século, ao converter-se em uma potência mundial, já tinha sido uma potência regional, mas com a conquista de Filipinas, esse foi o momento crucial, pelos anos 1900, matou a centenas de milhares de pessoas, estabeleceu um controle militar parcial, mas tinham que governar o país. Como governar o país Bom, desenvolveu uma nova forma de colonialismo, com um Estado de vigilância muito complexo, usando a última tecnologia da época para escavar movimentos políticos, para desintegrá-los, promover o faccionalismo.

 

Criaram uma força militar-policial paralela que podia usar a força quando fosse necessário. Era muito minucioso e complexo, e de fato retornou aos países de origem, os Estados de vigilância o Ocidente: EUA, Inglaterra, da Primeira guerra mundial, apoiados no modelo filipino. E segue até hoje. Filipinas é o único país no leste asiático que não participou do rápido crescimento econômico das últimas décadas, e ainda tem uma força militar terrorista, violações a direitos humanos, etc.

 

 

 

 

As técnicas são: primeiro, uma força militar internamente, se for necessária, e segundo a colaboração dos líderes do Estado, por isso é que querem infiltrar os movimentos revolucionários, incitar a separação, escavar o poder de outros grupos e obter benefícios de seus contatos com o poder imperial. Os britânicos e os franceses fizeram coisas parecidas, mas esta vez se fez com grande detalhe, algo novo na história do imperialismo, e é obvio se estendeu a América Latina.

 

Por isso é que depois de cada intervenção, por exemplo, o Haiti, República Dominicana, Nicarágua, onde seja, deixam o país em mãos do Guarda Nacional e em colaboração com líderes do Estado. E o Guarda Nacional é uma força de terrorismo de Estado. O Guarda Nacional haitiana nunca lutou contra outro país. Seu exército luta contra a população, o mesmo com a Somoza.

 

Essa capacidade se perdeu em parte nos anos noventa e agora se reconstrói de outra maneira. Mas é uma tradição antiga. De fato data de muito antes. Vale recordar que os EUA é o único país do mundo que foi baseado como um império. George Washington o descreveu como um império infante e é obvio tiveram que conquistar o território nacional, isso é imperialismo, não cruzaram mares, mas além disso, é imperialismo padrão. Virtualmente exterminaram à população, roubaram-se a metade do território do México e em 1898 começaram a expandir-se a outras regiões, mas o processo é o mesmo.

 

E é importante saber que o fazem com toda franqueza e com uma crença no caráter divino de sua missão. É um país religioso e sempre atuou para cumprir a missão da Divina Providência. George Bush falava nesses termos. Obama não precisa usar as mesmas palavras. É sofisticado. O melhor exemplo, como todos sabem, é a primeira colônia nos EUA: Massachussets. Sua carta institucional é de 1629, estabeleceram seu escudo no que aparecia um índio apontando sua lança para baixo e um pergaminho saindo de sua boca, que dizia “venha a nos ajudar”, assim que os colonos que foram lá a lhes tirar suas terras e exterminá-los estavam convencidos de que estavam respondendo a esse chamado de auxílio, e essa atitude segue na atualidade.

 

Cada agressão, tentativa de submissão tem a mesma inspiração. Outros países imperialistas como a França têm atitudes similares, mas está muito mais arraigada na cultura e crença estado-unidenses. Há um importante fundo religioso, tudo se justifica. O mais que pode acontecer é que se cometam enganos.

 

EG: Isso é também como uma guerra psicológica, uma manipulação da realidade, para dar essa impressão.

 

NC: É importante entender que é aceito internamente. Por exemplo, não se pode fazer um comentário crítico sobre qualquer ação dos EUA Obama, por exemplo, é muito elogiado por ser um dos principais críticos da guerra no Iraque. Qual foi sua crítica“ Disse que era um engano monumental estratégico”. Assumiu a mesma posição que assumiu o estado maior alemão depois do Stalingrado. Ou a posição dos russos sobre o Afeganistão a princípios dos oitenta.

 


E não o chamamos crítica quando é de nossos inimigos, chamamo-lo servilismo ao poder. Mas em nosso caso, as liberais, progressistas o chamam oposição principal. E se pode ir mais à frente e estar ainda dentro do marco doutrinal básico, e vem dessa auto percepção de nobreza, da missão divina de civilizar o mundo, elevá-lo a um maior nível, então a submissão e a militarização são considerados primitivos, e de fato no caso da América Latina a esquerda condena ao Bush por não enfocar-se na América Latina, por não cumprir com a missão civilizadora. Não são surpresas então as ações do Obama.

 

EG: E é um processo cujo ritmo está aumentando rapidamente.

 

NC: Em parte por estas razões e em parte porque os problemas são mais prementes. A chamada “maré rosa” é considerada um verdadeiro perigo. De fato o governo dos EUA está apoiando governos que faz quarenta anos teria tombado. O governo do Brasil, por exemplo. As políticas de Lula não são tão diferentes das políticas do Goulart a princípios dos sessenta, quando o governo do Kennedy iniciou um golpe militar e instalou o primeiro Estado de segurança nacional uso neonazi, e agora é um país amigo, porque todo o espectro se deslocou tanto que agora o EUA deve apoiar ao tipo de governo que antes teria tombado e é obvio tratar de submeter aos outros.

 

EG: Falemos disso especificamente, porque está o tema do aumento de presença militar estado-unidenses na Colômbia, que causou tensão na região. O governo da Colômbia e o governo dos EUA, Obama, sustentam que isto é um assunto bilateral, que isto não é uma ocupação ou o estabelecimento de novas bases militares; é um acordo de cooperação em segurança.

 

Mas alguns dos detalhes que sabemos, além das três bases que os EUA já ocupou sob o Plano a Colômbia, e mais de uma dúzia de estações de radar, é que definitivamente terão acesso a sete bases, uma das quais, no Palanquero, dar-lhes-á acesso aéreo a todo o hemisfério, que não tinham anteriormente, com gigantescos aviões militares de carrega tipo C17, e além disso, está o tema do que os EUA chama defesa interna em um país estrangeiro, com a que treinam forças armadas colombianas, equipamentos comando especiais, forças especiais, a Polícia Nacional colombiana, treinam-nos, comandam-nos e os controlam, e agora existe a possibilidade de uma recolocação da Escola das Américas, agora chamada WHINSEC, na Colômbia, para começar o treinamento em outros países da região.

 

Esta sexta-feira 28 se produz uma reunião de presidentes do Unasur na Argentina para tratar este tema, que muitos dizem que é uma ameaça para a estabilidade regional. Mas há nações que mantêm a posição de que terá que respeitar a soberania colombiana. Com governos apoiados por Washington como o Brasil, e com o golpe na Honduras que foi visto como um ataque contra os países do ALBA.

 

É esta ocupação ou ampliação de presença militar na Colômbia uma tentativa de dividir e impedir um maior progresso da integração latino-americana, primeiro mediante a promoção destes conflitos entre nações, além do conflito entre a Colômbia como governo de direita e Venezuela como governo de esquerda, com países como o Brasil ou Chile, que podem assumir uma posição mais ambígua ou neutra quanto ao respeito da soberania colombiana, que se opõem à expansão militar americano, mas sem chegar a condená-la”.

 

NC: Falar de soberania colombiana é uma piada. O Plano a Colômbia, criado pelo Clinton, é uma intervenção agressiva nos assuntos internos da Colômbia, que teve conseqüências. Há um pretexto, e o pretexto é a guerra contra o narcotráfico, mas é só um pretexto e não se pode tomar a sério. E o estabelecimento das bases militares na Colômbia é uma reação ao feito de que o EUA perdeu sua posição militar em outros países. Equador desativou a base em Manta, que dava aos EUA grande capacidade de vigilância aérea na região. Paraguai era uma espécie de base militar estado-unidenses, e isso já acabou. Tinham que reconstruí-la em outra parte e Colômbia é o único país onde podiam fazê-lo.

 

NC: Falar de soberania colombiana é uma piada. O Plano Colômbia, criado pelo Clinton, é uma intervenção agressiva nos assuntos internos da Colômbia, que teve conseqüências. Há um pretexto, e o pretexto é a guerra contra o narcotráfico, mas é só um pretexto e não se pode tomar a sério. E o estabelecimento das bases militares na Colômbia é uma reação ao feito de que o EUA perdeu sua posição militar em outros países. Equador desativou a base em Manta, que dava aos EUA grande capacidade de vigilância aérea na região. Paraguai era uma espécie de base militar estado-unidenses, e isso já  acabou. Tinham que reconstruí-la em outra parte e Colômbia é o único país onde podiam fazê-lo.

 

O golpe em Honduras é parte de outro processo. Centro América tinha sido tão devastado pelas guerras contra o terrorismo do Reagan que não eram parte da tendência da chamada maré rosa, para a integração latino-americana. Honduras estava no caminho da integração, e bom agora e que eles não acreditam, e em realidade se expandiu na Centro América. Nicarágua é outro caso. Tudo isto me parece que é uma tentativa de recuperar a posição tradicional inclusive antes, faz 10 ou 15 anos o treinamento de oficiais aumentou rapidamente, e trocou agora o treinamento é em táticas de infantaria.

 

A idéia é criar forças paramilitares. Não estão treinando policiais de trânsito. O controle da “ajuda” oficial trocou que Departamento de Estado, agora está em mãos do Pentágono, que é uma mudança relevante. Quando estava sob o Departamento de Estado tinha ao menos em teoria supervisão do Congresso, que quer dizer que havia condições que terei que cumprir sobre direitos humanos, por exemplo, que não se implementavam muito, mas eram uma limitação a possíveis abusos, mas sob o controle do Pentágono, não há regras, tudo é válido.

Agencia Bolivariana de Noticias

 
Atenciosamente,
Prof. Charles Pennaforte
 
Centro de Estudos em Geopolítica e Relações Internacionais
 
Revista Intellector
 
Grupo de Estudos em Reordenamento Territorial (GERT)/CENEGRI
 

Rua Dois de Dezembro, 38 Grupos 602 e 603
Flamengo  - Rio de Janeiro

CEP 22220-040 -  Brasil
Tel: ++ 55 21 2195-1335
Fax: ++ 55 21 2195-1301




Veja quais são os assuntos do momento no Yahoo! + Buscados: Top 10 - Celebridades - Música - Esportes




Crea tu propia Red Social de Noticias
O participa en las muchas ya creadas. ¡Es lo último, es útil y divertido! ¿A qué esperas?
es.corank.com