Inicio > Mis eListas > encuentrohumboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 3401 al 3420 
AsuntoAutor
37/13 - O Valor da Encuentr
38/13 - POPULAÇÕES Encuentr
39/13 - Região, Im Encuentr
40/13 - A Construç Encuentr
41/13 - A ORGANIZA Encuentr
42/13 - O alimento Encuentr
43/13 - XV ENCUENT Encuentr
44/13 - Estrada de Encuentr
45/13 - Território Encuentr
46/13 - Geografías Encuentr
47/13 - ESPAÇO PÚB Encuentr
48/13 - Que nature Encuentr
49/13 - El surgimi Encuentr
50/13 - Ações Antr Encuentr
51/13 - 2da. CIRCU Encuentr
52/13 - Mapa Sede Encuentr
53/13 - Sede del E Encuentr
54/13 - A Geografi Encuentr
55/13 - Viaje post Encuentr
56/13 - Crisis, vi Encuentr
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
ENCUENTRO HUMBOLDT
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 3478     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:[encuentrohumboldt] 41/13 - A ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO SOJÍFERA E SUCROALCOOLEIRA NO BRASIL
Fecha:Martes, 30 de Julio, 2013  17:12:22 (-0300)
Autor:Encuentro Humboldt <encuentro @..............org>

 

 

A ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO SOJÍFERA E SUCROALCOOLEIRA NO BRASIL

 

Profa. Dra. Marta da Silveira Luedemann

IGDEMA/Universidade Federal de Alagoas

Maceió – Alagoas – Brasil

 

 

A presente pesquisa busca avaliar as transformações ocorridas no espaço agrário brasileiro a partir da modernização e expansão da produção sojífera e sucroalcooleira. Também procura verificar a inserção do capital estrangeiro na agroindústria brasileira, nos dois segmentos nos últimos 30 anos.

A sojicultura e a sucrocultura representam as maiores áreas agrícolas do Brasil e os maiores índices de produção além de estar associado à segmentos importantes da agroindústria, na elaboração de produtos alimentares, energéticos, agrícolas e industriais. Entre 1970 e 2006, a cana-de-açúcar ocupou 4 milhões de hectares, saltando de 1,7 para 5,7 milhões de hectares; enquanto a produção sojífera passou a ocupar, em consórcio com a milhicultura, 2,2 milhões para 17,9 milhões de hectares no mesmo período. A produção brasileira nesses setores inovou tecnologicamente na cadeia produtiva agrícola e industrial, inicialmente concentrando capitais domésticos.

Historicamente, a produção sucroalcooleira concentrou-se na região nordeste e apenas na metade do século XX foi superada pela moderna agricultura do sudeste do País. Por sua vez, a soja mantinha-se cativa das condições edafo-climáticas das áreas temperadas do sul, tradicional região produtora de grãos.

Contudo, foi a partir dos anos 1970, que os planos nacionais de desenvolvimento promoveram políticas de substituição de importações (principalmente petróleo) e de diversificação das exportações. No setor agrícola, estas políticas incidiram na ampliação da escala de produção, alterando a organização espacial da produção, com a inclusão de novas terras, antes ociosas ao capitalismo. A produção de cana-de-açúcar para a fabricação açúcar e álcool combustível e de soja para a exportação, tornaram-se importantes produtos destinados à conversão da balança comercial do País em superavitária. Integradas ao planejamento estatal, a organização da produção agrícola e a inovação tecnológica de cultivares garantiram a reestruturação da produção sucroalcooleira no nordeste e a implantação da moderna agricultura no centro-oeste brasileiro, com a incorporação de terras planas de tabuleiros e chapadas, apropriadas para a mecanização. A EMBRAPA rompe as limitações climáticas da soja e desenvolve a primeira cultivar em solos tropicais, garantindo a fixação definitiva de contingentes populacionais que virão rapidamente constituir nova rede urbana no planalto central brasileiro. Na cadeia de produção, a agroindústria brasileira apoiada pelos grandes investimentos públicos no setor de bens de produção, pode então, acompanhar as transformações do setor, inclusive ampliando em escala e escopo.

Nos anos 1990, as políticas neoliberais promoveram fortes transformações na economia brasileira e consequentemente na organização espacial da produção. A desregulação da economia associada a abertura comercial e a valorização do câmbio incidiram na quebra de várias empresas seja de capital bancário, industrial, comercial ou agrícola. O processo promoveu um grande movimento de desnacionalização da economia formando um forte oligopsônio no esmagamento e comércio de soja. A desnacionalização do complexo sucroalcooleiro vem ocorrendo mais lentamente, se aprofundando na região sudeste onde a natureza e a infraestrutura da renda da terra atrai grandes investimentos externos de várias partes do mundo.

Os impactos da abertura comercial e da internacionalização da cadeia de produção sojífera e sucroalcooleira é objeto de pesquisa nas regiões sudeste, centro-oeste e nordeste do Brasil.

 


Esta ponencia será expuesta en el XV Encuentro Internacional Humboldt a desarrollarse entre los días 09 y 13 de setiembre próximos en la Ciudad de México, México.


 





DeepSkyColors en Facebook!
Imagenes de nuestro planeta y del Universo desde los ojos de un fotógrafo español Visita la página en Facebook y dale a ME GUSTA!