Inicio > Mis eListas > encuentrohumboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 3235 al 3254 
AsuntoAutor
13/12 - TERRITÓRIO Encuentr
14/12 - ALGUMAS CO Encuentr
15/12 - A EDUCAÇÃO Encuentr
16/12 - INFINDÁVEI Encuentr
17/12 - Panel “Pro Encuentr
18/12 - CIERRE DEL Encuentr
19/12 - XIV ENCUEN Encuentr
20/12 - SEGUNDA CI Encuentr
21/12 - Rumbo al X Encuentr
22/12 - XIV ENCUEN Encuentr
23/12 - XIV ENCONT Encuentr
24/12 - Rumbo al X Encuentr
25/12 - Hasta el 1 Encuentr
26/12 - Até dia 15 Encuentr
27/12 - POLÍTICAS Encuentr
28/12 - DIFUSÃO TE Encuentr
29/12 - ABORDAGENS Encuentr
30/12 - QUESTÕES M Encuentr
31/12 - O USO DA T Encuentr
32/12 - Os comple Encuentr
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
ENCUENTRO HUMBOLDT
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 3282     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:[encuentrohumboldt] 218/11 - TURISMO PEDAGÓGICO: CONCEITOS E APLICAÇÃO.
Fecha:Miercoles, 21 de Diciembre, 2011  09:39:30 (-0300)
Autor:Encuentro Humboldt <encuentro @..............org>

TURISMO PEDAGÓGICO: CONCEITOS E APLICAÇÃO.

 

 

Claudemira Azevedo Ito

– Docente do Departamento de Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia – FCT Presidente Prudente.

Luan Ferreira Castro,

 Nívea Damaceno Noel Silva,

 - UNESP – Discentes do Curso de Geografia da Faculdade de Ciências e Tecnologia- FCT Presidente Prudente.

 

 

 

Resumo

Estas reflexões são frutos do trabalho realizado na EMEIF Ettore Marangoni em Presidente Prudente. Esta atividade foi aplicada a salas de terceira série, com visitas monitoradas a lugares de interesse turístico da cidade de Presidente Prudente. Buscou-se a proximidade entre turismo pedagógico e o ensino processo ensino aprendizagem, pois na prática do turismo está presente o processo de aprendizagem. Ao visitar um lugar, o turista entra em contato com suas singularidades: Expressões artísticas, folclóricas, geografia e história, entre outros, que podem estimular e enriquecer o arcabouço de conhecimento e conceitos deste indivíduo. A visitação planejada, organizada e reflexiva de lugares históricos, turísticos ou de características comuns pode auxiliar na compreensão  e reflexão de muitas áreas de conhecimento, seja ela uma disciplina escolar, temas transversais e temáticas interdisciplinares.  A prática do turismo pedagógico desenvolvido sob os preceitos da aula-passeio idealizada por Freinet ajuda os alunos a entender a complexidade da realidade: as relações socioculturais e históricas que transformam a paisagem e os espaços. Assim o aluno passa a refletir sobre o seu cotidiano, a realidade local, aprende a observar e analisar o espaço vivido. Passa a perceber que o espaço é construído e reconstruído pela sociedade, e que esta é composta por agentes que interagem entre si. E, o mais importante, é compreender o seu papel neste contexto, o seu lugar enquanto cidadão, seus direitos e deveres e suas possibilidades de contribuir na transformação desta sociedade.

 

1. Conceito de turismo pedagógico

 

Muitos autores discutiram o conceito de turismo, que diante da complexidade do tema enveredaram por diferentes critérios de análise, desde as motivações que geram os deslocamentos e sua intensidade, abrangência dos fluxos. Desta forma, pode-se analisar o turismo por suas características enquanto atividade econômica e suas atribuições quanto aos impactos na economia local, regional ou nacional. Daí surgiram as preocupações dos efeitos do turismo na balança comercial dos países, investimentos do poder público e do setor privado, geração de emprego e renda, arrecadação de impostos e tributos, ou seja, uma análise baseada de dados estatísticos com destaque aos índices de caráter econômico, visando o aumento dos fluxos turísticos, a manutenção das taxas de lucro dos investidores do setor, assim como, as estratégias de planejamento e organização do mercado turístico.

Entretanto, as ciências humanas têm estudado o turismo contemporâneo a partir do dado prático, de que trata-se de hábito de consumo, criado e estimulado a partir das conquistas sociais dos trabalhadores do século passado. Segundo Boyer (2003) é a partir da evolução das leis trabalhistas no que diz respeito às folgas e férias dos trabalhadores é que surge o maior impulso ao desenvolvimento do turismo, especialmente o turismo de massa. Este autor chama a atenção para a perspectiva de análise do turismo a partir das diferenças de poder aquisitivo das camadas sociais, a elite foi a precursora do consumo do turismo. O que foi logo imitada pelos trabalhadores na medida em que conseguiam a regulamentação das folgas e férias remuneradas.

O turismo do século 20, turismo de grande número, não engendrou realmente um novo discurso, ou renovou a visão de mundo. Ele reforçou o esquema do desenvolvimento turístico com suas três fases: Invenção de distinção – difusão e apropriação dos modelos por camadas inferiores – em seguida novas invenções de distinções. Quanto mais forte é a imitação, maior é a necessidade de inovar – como na moda a analogia se impõe. Boyer (2003, p63)

 

Neste processo de popularização do turismo aparecem dois elementos fundamentais: A imitação dos hábitos de consumo da elite, a qual dispunha de certa monopolização por conta do preço elevado do lazer e do turismo até as primeiras décadas do Século 20. O segundo elemento é a reivindicação dos trabalhadores pelo tempo de lazer, do descanso, do refazer as forças físicas, assim como, o tempo necessário para que a classe trabalhadora pudesse se aproximar das artes, esportes e das viagens – elementos que contribuiriam para a melhoria da formação intelectual dos trabalhadores.

Antes destas reivindicações sociais as viagens de turismo eram usadas como instrumento pedagógico, a formação dos jovens ingleses era complementada por viagens na Europa.

No Século 16 começou a haver um incremento nas viagens particulares (não-oficiais). Nesta época não havia meios de comunicação, a não ser a escrita e mesmo o livro não era algo de circulação maciça: a forma de conhecer o mundo, outras culturas, outras línguas era viajando. (grifo nosso). Barretto (2003, p.47)

 

Estas viagens, chamadas de ‘“Tours”, eram praticadas pelos jovens da aristocracia britânica com fins educacionais, eram realizadas com a companhia de preceptor ou individualmente. Os jovens seguiam em viagem com os conselhos dos pais e orientações dos Guides, os quais exaltavam as virtudes pedagógicas das viagens que “forma a juventude”, “abre o espírito”, afasta o preconceito” e, leva a conhecer os outros povos”. Boyer (2003, p.57).

Esta prática, posteriormente, fez disseminar o interesse dos pais em enviar seus filhos para todo tipo de viagem escolar, intercâmbio de jovens, cursos e estágios no exterior.

Ito (2009) afirma o turismo entendido como prática social pode e deve ser associado com a construção de saberes, sendo que viajar e visitar lugares, longe ou perto, curta ou longa duração, a trabalho ou lazer, não importa, a necessidade de viajar é criada pela sociedade. Krippendorf (2003) afirma que as pessoas viajam por uma grande quantidade de motivações e, ele alerta “Diversas motivações permanecem no domínio do inconsciente ou do subconsciente e não podem vir a tona por perguntas assim tão simples” p.44. As pesquisas elaboradas por Krippendorf, na Alemanha, apontam dados reveladores sobre as motivações das viagens de turismo, a maioria aponta razões como: “ desligar, relaxar; fugir da vida diária, mudar de ambiente; estar em contato com a natureza”, assim como comparecem “recuperar as forças; ir ao encontro do sol; comer bem; fazer o que quiser, ser livre”, isso mostra o descontentamento com o cotidiano do ambiente urbano industrial com suas imposições de comportamento, horários e responsabilidades.

Entretanto, a lista de motivações aponta também interesses como: “comunicar-se. Viajar é alargar o próprio horizonte; viajar é partir para a descoberta de si mesmo”, isto demonstra a busca de conhecimento, “desejo de descobrir”, “ de ir conscientemente ao encontro de outros seres humanos, outras regiões e culturas” Krippendorf (2003) p. 51.

Silva e Nascimento (2006) procuram diferenciar o turismo cultural do pedagógico, e buscam em Andriolo e Faustino (1999) a seguinte explicação:

o turismo cultural é aquele resultante da exploração da herança e do patrimônio cultural. Já o turismo pedagógico seria o que serve às escolas em suas atividades educativas que envolvem viagens. Não obstante possuir momentos de lazer, não é realizado com este fim. Silva e Nascimento (2006) p. 4.

 

Silva e Nascimento (2006) afirmam que o ”turismo pedagógico deve ser entendido em sua vertente de conhecimento e construção de respeito a culturas distintas, passadas e presentes, como elemento fundamental da formação global de crianças e adolescentes” p4.

Vinha et al (2005) apontam como princípio básico do Turismo pedagógico:

A possibilidade de ampliação das demandas dos estudantes, pois na escola em geral, centra suas atividades nas demandas dos professores, esquecendo-se que os estudantes precisam de envolvimento ativo para a construção do conhecimento e da formação da cidadania. Na educação infantil, damos às crianças, diversos materiais como blocos, areia, para construírem; tempo para brincar; propomos passeios; depois, pelo resto dde sua escolaridade, retiramos tudo isso e queremos que elas sejam criativas, profissionais competentes. Vinha et al (2005,p2)

Beni (2002) define turismo pedagógico como sendo a retomada da prática da realização de viagens culturais, organizadas por colégios e universidades da Europa e Estados Unidos, e algumas escolas de elite no Brasil. Nestas viagens os estudantes seguem orientados e acompanhados por professores e especialistas da instituição de ensino, e executam programas de visitas a atrativos histórico-culturais.

Neste sentido, o processo ensino aprendizagem ganha reforço na mediada em que o estudante aumenta a sua percepção do objeto de estudo, pois a metodologia de ensino utiliza simultaneamente vários sentidos, ao mesmo tempo em que ouve as explicações do professor, o aluno mantém contato direto com a paisagem, de tal sorte, que pode observar mais detalhes, questionar, vivenciar o espaço – sentir seus odores, ouvir seus ruídos, conhecer seus habitantes e seus costumes.

Dessa forma, sem minimizar a importância do professor no processo ensino aprendizagem, valoriza-se o aluno, tornando-o o centro da construção do seu conhecimento, cujo processo pode ser ainda enriquecido, com o contato com a alteridade: conhecer o outro, culturas, povos, grupos sócias com regras e costumes próprios. Alem do que todo o processo deverá ser norteado por princípios pedagógicos pautados na interdisciplinaridade, uma vez que os lugares e as paisagens são palco de estudos de diversas ciências.

Dessa forma, Raykil e Raykil (2005) afirmam:

Viajar, conhecer pessoas e lugares possibilita ao aluno justamente o que é proposto pelos PCN’s, a cidadania ativa que só se dá mediante a vivencia que se tem com objeto de estudo. Só se ama o que se conhece, é um jargão popular que se enquadra nesse contexto, “conhecer” as belezas naturais, a riqueza cultural ou os problemas do país somente através de contextualizações superficiais em sala de aula não caracteriza a cidadania ativa. Para intervir positivamente é preciso literalmente conhecer, in loco. Raykil e Raykil (2005, p7)

 

Bonfim (2010), apoiando-se em diversas reflexões de Demo e Freire, aponta para necessidades da mudança no enfoque da educação, “trata-se da passagem de um processo de “ensino aprendizagem” para um processo de “aprender a aprender”, onde o primeiro tem como característica o repasse de lotes de conhecimento, e o segundo privilegia a atitude do questionamento construtivo numa relação teórica e prática” p.117.

 

 

2. Aula-passeio e a prática de Freinet

Um dos primeiros educadores a perceber a importância da ampliação do ensino aprendizagem para fora do ambiente escolar foi Célestin Freinet. Sua obra “Lês dits de Mathieu”, publicada no Brasil sob o título “Pedagogia do Bom Senso” aponta caminhos para a reflexão da prática do professor. Suas idéias eram baseadas na observação do comportamento do home do homem do campo, da natureza e nos hábitos dos animais. Segundo Elias (1997) a proposta pedagógica de Freinet está alicerçada na postura diante da vida, “na prática, procurava seguir o empenho dos alunos e transformá-los pelo trabalho, por uma vivência coletiva, permeada pelo meio ambiente, pela ação. Para ele, a liberdade faz parte do aprendizado histórico-social”:p.17.

Freinet criticava a postura controladora dos educadores, em seu texto “tratadores e educadores”, constrói uma analogia entre a metodologia da criação de animais e algumas práticas pedagógicas de “empanturramento e condicionamento”:

Lamento os educadores que são apenas tratadores e pretendem tratar metódica e cientificamente os alunos, encerrados em salas onde, felizmente, permanecem algumas horas por dia.

A sua grande preocupação é fazer engolir a massa de conhecimentos que irá encher cabeças ingurgitadas até a digestão e a náusea. A arte deles é de empanturramento e condicionamento, e também da medicação suscetível de tornar assimilável as noções ingeridas.

Conserve nos seus alunos o apetite natural. Deixe-os escolher os alimentos no meio rico e propício que vocês lhe prepara. Então, você será um educador. Freinet (1988, p44) Grifo nosso.

 

Esta metodologia era definida por “uma pedagogia essencialmente prática e cooperativa”, conforme afirma Elias:.

Havia em Freinet como uma necessidade biológica e moral para conviver com uma classe social(dos docentes, principalmente), refletir com eles sobre os elementos do meio de que ele mesmo fazia parte, para propor uma escola democrática, capaz de formar seres livres para decidir o seu destino coletivo e pessoal. Elias (1997:26).

 

A aula passeio proposta por Freinet, era baseada na sua vivencia de homem de origem simples, uma interpretação do modo de vida das aldeias onde morou, “seus escritos referem-se, constantemente, à natureza, à vida rústica, ao meio que lhe ensinou o essencial, especialmente a participação das crianças na vida e no trabalho dos adultos” Elias (1997:16). Sua proposta pedagógica está alicerçada na postura diante da vida, “na prática, procurava seguir o empenho dos alunos e transformá-los pelo trabalho, por uma vivência coletiva, permeada pelo meio ambiente, pela ação. Para ele, a liberdade faz parte do aprendizado histórico-social” Elias (1997:17).

Freinet acreditava que educar é construir coletivamente, baseando em quatro alicerces fundamentais: A cooperação- forma de construção social do conhecimento; a comunicação- forma de integrar este conhecimento; a documentação- registro diário do que se constrói e por fim, a afetividade – elo essencial entre as pessoas e o objeto de conhecimento. ITO (2010)

Assim,afirma Elias (1997) a pedagogia de Freinet pode ser entendida como “prática coletiva” pois seu objetivo maior é o desenvolvimento da compreensão crítica da realidade e a ação participativa na transformação, conforme a designação do coletivo, referendando a idéia de que o sujeito da ação coletiva é o conjunto de indivíduos que participa do processo.

A aula passeio proposta por Freinet apresenta-se como possibilidade de enriquecimento das atividades e ações pedagógicas. Sua metodologia permite que a criança alcance três objetivos principais: Autonomia – vivendo situações reais, assumindo novas responsabilidades e descobrindo capacidades; Pesquisa- ampliar o campo das investigações, chegando a descobertas inesperadas e interessantes e; Integração- privilegia o encontro com o outro (colega, monitor ou professor) em ambiente fora do cotidiano, incentivando o desenvolvimento do vínculo afetivo.

Destaca-se a preocupação de Freinet em planejar as atividades, organizando-as em cinco fases: Motivação, preparação, ação, prolongamento e comunicação.

A motivação é a fase inicial do processo. Presupõe a apresentação dos fatos e acontecimentos que são foco de discussão ou o interesse quanto ao lugar a ser visitado. A preparação é a fase onde ocorre o planejamento, onde devem ser privilegiados aspectos como o plano pedagógico, o plano financeiro e material, onde os participantes, crianças e adultos preparam-se para se adaptarem às regras coletivas de conduta, tais como: fazer fila, hora de lanche, subdivisão do grupo, desembolso de recursos, conduta dentro de veículos, normas de segurança.

A “ação” é a visita/passeio em si, para muito sé o auge da  atividade. Momento de rompimento do cotidiano, de contato com a auteridade, de integração interna do grupo e deste com outros. É rico em proporcionar situações de construção de conhecimento, onde todos os sentidos captam informações e sensações, onde professores e estudantes podem explorar o ambiente. As observações e indagações de todos devem ser observadas para posterior análise e discussão.

A fase chamada de “prolongamento” é facilitada pelo prolongamento das relações afetivas estabelecidas entre o grupo e o lugar visitado e é fundamental para a realização da fase seguinte: A comunicação que poderá ocorrer por diferentes linguagens conforme a escolha do professor e segundo as habilidades do grupo de alunos: Jornal, exposições, teatro, música, ou seja, cada grupo pode decidir como realizar a comunicação do conhecimento adquirido. Este é um processo democrático que deve respeitar o interesse de cada turma.

 

3. Aplicação do Turismo pedagógico e da Aula-passeio

No ano de 2010 este trabalho foi desenvolvido na Escola Municipal Ettore Marangoni de Presidente Prudente-SP, localizada no Distrito de Montalvão, a cerca de 15 Km da Cidade. A população deste distrito é diminuta, conta com apenas duas escolas, uma Municipal, com salas de primeira à quarta série, e uma escola estadual com atendimento de quinta à oitava serie e ensino médio. A população apresenta baixa renda, com prevalência de atividades profissionais braçais e pouca escolaridade.  As atividades desenvolvidas tiveram a participação da diretora, da coordenadora pedagógica e dos professores da terceira série. 

A partir das observações do trabalho realizado pode-se afirmar que é facilmente factível a união entre turismo e pedagogia, com objetivo de agregar mais qualidade na educação.  Muitos estudiosos destacam a prática do turismo e suas possibilidades na construção de saberes. As viagens, independentemente da distância percorrida, concorrem para convivência entre os povos e com ambientes naturais diferentes. Dessa forma, a prática social do turismo é associada a construção de saberes.

A correlação entre turismo e educação é patente. Pois na prática do turismo está presente o processo de aprendizagem, conceitos de diversas áreas do conhecimento são construídos e reelaborados, pois não se pode negar que ao visitar um lugar, o turista entra em contato com suas singularidades: Expressões artísticas, folclóricas, geografia e história, entre outros que podem estimular e enriquecer o arcabouço de conhecimento e conceitos deste indivíduo. Ito (2010)

A utilização de atividades fora da sala de aula é utilizada para a compreensão de diversos conteúdos de várias áreas de conhecimento.  Segundo Ito (2010) Os Parâmetros Curriculares Nacional (PCNs) é bastante explicativo e detalhado quanto aos objetivos e conteúdos de cada ciclo. Os conteúdos que podem ser trabalhados a partir do turismo são muitos, destacam-se no primeiro ciclo os “blocos temáticos e conteúdos: O estudo da paisagem local”. Verifica-se que as dimensões apresentadas abordam “observação e descrição de diferentes formas pelas quais a natureza se apresenta na paisagem local” , “a caracterização da paisagem local: suas origens e organização, as manifestações da natureza em seus aspectos biofísicos, as transformações sofridas ao longo do tempo”; “ identificação da situação ambiental da sua localidade: proteção e preservação do ambiente e sua relação com a qualidade de vida e saúde”; “ produção de mapas ou roteiros simples considerando características da linguagem cartográfica como as relações de distância e direção e o sistema de cores e legendas”; “valorização de formas não-predatórias de exploração, transformação e uso dos recursos naturais”; Estas dimensões propostas pelos PCNs são facilmente apreendidas no âmbito do turismo, pois a paisagem é a primeira instância do contato do turista com o lugar visitado e na maioria das vezes, os atributos da paisagem são os principais atrativos e centro da motivação para o visitante.

A discussão sobre o espaço geográfico, o conhecimento sobre o processo de transformação do espaço pelo homem, que ocorre conforme a sociedade se  organiza econômica e socialmente e o homem é sujeito da construção destas transformações pode ser apreendida com visitas a áreas históricas ou museus na cidade.

Segundo os  PCNs há a valorização do espaço topológico – vivido, percebido e com laços emotivos. “A percepção que os indivíduos e comunidades têm do lugar nos quais se encontram e as relações singulares que com ele estabelecem fazem parte do processo de construção das representações de imagens do mundo e do espaço geográfico. As percepções, as vivências e a memória dos indivíduos e dos grupos sociais são, portanto, elementos importantes na constituição do saber geográfico.”, p.76. Apud Ito (2010)

Para finalizar, a visitação planejada, organizada e reflexiva de lugares históricos, turísticos ou de características comuns pode auxiliar na compreensão  e reflexão de muitas áreas de conhecimento, seja ela uma disciplina escolar, temas transversais e temáticas interdisciplinares.  A prática do turismo pedagógico desenvolvido sob os preceitos da aula-passeio idealizada por Freinet ajuda os alunos a entender a complexidade da realidade: as relações socioculturais e históricas que transformam a paisagem e os espaços. Assim o aluno passa a refletir sobre o seu cotidiano, a realidade local, aprende a observar e analisar o espaço vivido. Passa a perceber que o espaço é construído e reconstruído pela sociedade, e que esta é composta por agentes que interagem entre si. E, o mais importante, é compreender o seu papel neste contexto, o seu lugar enquanto cidadão, seus direitos e deveres e suas possibilidades de contribuir na transformação desta sociedade.

 

 

 

4. Referências Bibliográficas

 

ANDRADE, José Vicente. Turismo: fundamentos e dimensões. 8ª ed. São Paulo: Ática, 2000.

ARENDIT, Ednilson José. Introdução à economia do Turismo. 2ª ed. Campinas: Alínea, 2000.

BENI, Mario Caros,  Análise estrutural do turismo. 7ed. São Paulo

BONFIM, Mailane Vinhas de Souza. Por Uma Pedagogia Diferenciada: Uma reflexão acerca do turismo pedagógico como prática educativa. In Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, v. 12, nº 1.p. 114 – 129, jan/abr. 2010. Disponível em www.univali.br/revistaturismo. acesso em 10/05/2010

BOYER, Marc, História do Turismo de Massa. Bauru: Edusc,2003.

ELIAS, Marisa D C, Célestin Freinet: Uma pedagogia de atividade e cooperação. Petrópolis:Vozes, 1997.

FREINET, Célestin. Pedagogia do bom senso. 2 ed. Trad. J. Batista. São Paulo:Martins Fontes. 1988.

ITO, Claudemira A. Turismo: Reflexão sobre a produção científica do tema. In Anais do 8º Encuentro Internacional Humboldt. Colón- Argentina- 2006. Digital.

________ Turismo Pedagógico: Relato de Experiência no Ensino Fundamental. In Anais VI Seminário de Pesquisa em Turismo do MERCOSUL - SeminTUR

 Universidade de Caxias do Sul – UCS, Caxias do Sul. disponível em: www.ucs.br/ucs/tplSeminTur2010- acesso em 20 de agosto de 2010.

KRIPPENDORF,J. Sociologia do Turismo: Para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo:Aleph, 2003.

LEMOS, Amália I. G. Turismo: impactos sócio-ambientais. São Paulo: Hucitec, 1996.

LOPES, Amanda Cristina Teagno. Educação Infantil. São Paulo:Cortez,2009.

MOLINA, S. O pós-turismo. São Paulo: Aleph, 2003, 144p.

MOLINA, Sergio E. e RODRÍGUES, Sergio A. Planejamento integral do Turismo. 1ª ed. Bauru: Sagrado Coração de Jesus, 2001.

OURIQUES, H. R. A Produção do Turismo: Fetichismo e Dependência. Campinas: Alínea.2005.

PANOSSO NETTO, A. Filosofia do Turismo: Teoria e Epistemologia. São Paulo: Aleph, 2005.

RAYKIL, Eladyr Boaventura; RAYKIL, Cristiano. Turismo Pedagógico: uma interface diferencial no processo de ensino-aprendizagem. In: Revista Eletrônica- Global Tourism- Turismo e Educação, 2005. Disponível em:  http://www.periodicodeturismo.com.br> Acessado em: 20/02/2010

RODRIGUES, A B.. Turismo e Espaço. São Paulo: Hucitec, 1997.

_________. Turismo e geografia – reflexões teóricas e enfoques regionais. 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 2000.

RUSCHMANN, D. V. de M. Turismo e planejamento sustentável: a proteção do meio ambiente. Campinas: Papirus, 1997.

SAMPAIO, Rosa M.W.F, A aula-passeio transformando-se em aula de descobertas. In ELIAS, Marisa D C.(org) Pedagogia Freinet:Teoria e Prática. Campinas:Papirus, 1996

XAVIER, Herbe, A Percepção Geográfica do Turismo, São Paulo:Aleph,2007.

YAZIGI, C. Turismo – espaço, paisagem e cultura. 2ª Edição. São Paulo; Hucitec, 2000.

 

 Ponencia presentada en el XIII Encuentro Internacional Humboldt. Dourados, MS, Brasil - 26 al 30 de setiembre de 2011.  






BeRuby te regala un euro!
- SOLO PARA ESPAÑA - En BeRuby puedes ganar dinero haciendo lo que ya haces en la red
beruby