Inicio > Mis eListas > encuentrohumboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2681 al 2700 
AsuntoAutor
8/10 - Sustentabil Encuentr
9/10 - EUCALIPTO: Encuentr
10/10 - TERRITÓRIO Encuentr
11/10 - UNA PROXÉM Encuentr
12/10 - QUALIDADE Encuentr
13/10 - O TRÂNSITO Encuentr
14/10 - “O CAIS” E Encuentr
15/10 - AEDES AEGY Encuentr
16/10 - Panel "Tur Encuentr
17/10 - A PRÁTICA Encuentr
Fw: 16/10 - Panel Encuentr
18/10 - CAMPESINAT Encuentr
19/10 - DESENVOLVI Encuentr
20/10 - A influênc Encuentr
21/10 - A FAVELA D Encuentr
22/10 - TURISMO E Encuentr
24/10 - AFICHE XII Encuentr
23/10 - A LOS PART Encuentr
25/10 - PRIMERA CI Encuentr
26/10 - ASAMBLEA A Encuentr
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
ENCUENTRO HUMBOLDT
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 2745     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:[encuentrohumboldt] 12/10 - QUALIDADE DOS TRANSPORTES PÚBLICOS SUBURBANOS NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DE SÃO PAULO
Fecha:Sabado, 13 de Febrero, 2010  22:32:05 (-0300)
Autor:Encuentro Humboldt <encuentro @..............org>

QUALIDADE DOS TRANSPORTES PÚBLICOS SUBURBANOS NA REGIÃO CENTRAL DO ESTADO DE SÃO PAULO

                                                                   

 

     Enéas Rente Ferreira

 

A pesquisa se desenvolve nas cidades de Araraquara, São Carlos, Rio Claro e Piracicaba, envolvendo usuários do sistema, pessoas não envolvidas diretamente com a questão, trabalhadores das empresas de ônibus, poder público e empresários. Essa metodologia foi desenvolvida pelo professor Antonio Clovis Coca Pinto Ferraz, em seu último livro, voltada para o transporte coletivo urbano. O que fizemos foi adaptar essa metodologia para o transporte suburbano. Os resultados estão apresentados a seguir.

 

PALAVRAS-CHAVE: Transporte suburbano; Qualidade dos transportes; Satisfação do usuário

 

 

 

 

QUALITY OF SUBURBAN PUBLIC TRANSPORT IN CENTRAL REGION OF THE STATE OF SÃO PAULO

 

The research is developed in the cities of Araraquara, São Carlos, Rio Claro and Piracicaba, involving users of the system, people not directly involved in the issue, employees of bus companies, public authorities and entrepreneurs. This methodology was developed by Professor Antonio Coca Clovis Pinto Ferraz, in his latest book, aimed at the urban public transport. What we did was to adapt this methodology to the suburban transportation. The results are presented below.

 

KEYWORDS: Suburban transportation; Quality of transport; User satisfaction

 

 

INTRODUÇÃO

Este trabalho procura contribuir com a questão das linhas intermunicipais de transporte coletivo regular no Estado de São Paulo.

O tema, ainda, é pouco abordado, apesar do mesmo possuir fatores pertinentes à ciência geográfica, tais como: deslocamento de pessoas, surgimento de grupos importantes no setor de transporte, concentração de capitais, espacialização, história do fenômeno e legislação, entre outros.

Entretanto, a área de transportes tem sido pouco analisada como objeto de estudo do geógrafo na atualidade, apesar de vivermos num momento, em que os centros urbanos se proliferam e crescem em ritmo acelerado e os problemas sociais se multiplicam em grande escala por todo o planeta.

Talvez, o estudo a respeito do tema transportes se tornaria um pouco repetitivo, modificando apenas o nome das cidades, linhas de ônibus, empresas e bairros envolvidos. Ou então, os problemas sejam de difícil solução e não passem pelas diretrizes apresentadas pelos geógrafos.

De qualquer forma, a questão dos transportes, que já foi um dos esteios da ciência geográfica em décadas passadas, hoje é pouco explorada. Talvez, a Geografia tenha se tornado teórica demais, atingindo campos da metafísica e tais assuntos sejam reais demais para o gosto dos geógrafos.

O tema se torna ainda mais interessante por abordar o transporte informal, que ocorre nas cidades de médio e grande porte no país, ainda pouco estudado pelos geógrafos. Em suma, outros meios de transporte estão colocando em cheque a legislação do Estado e o poderio de importantes grupos do setor, que aliados à constante crise financeira que assola o país, estão derrubando vertiginosamente o número de passageiros transportados (Gráfico 01).

Estamos buscando, nesse trabalho, resgatar essa discussão, apresentando dados que comprovem as nossas análises e apontar novos rumos que o setor vem encontrando para superar a crônica e histórica crise econômica.

Para alcançar os nossos objetivos, o presente trabalho partiu de um levantamento bibliográfico, sobre a produção brasileira em transportes, passando por trabalhos e revistas científicas, além das revistas especializadas.

Como exemplo da mobilidade no mesmo, citamos o que ocorreu logo após a última das três datas apresentadas. No mês de abril de 2005, a empresa Viação Bonavita (Campinas), adquiriu a Viação Cidade Azul (Rio Claro), Expresso Limeira (Limeira) e em seguida, a Empresa de Ônibus Via Sol (Capivari). Isso reflete a rapidez das transações e monopolizações no setor.

Outro fator importante são as siglas DER e ARTESP. Os dados do ano de 1996 e do ano de 2002, a agência informante foi o Departamento de Estradas de Rodagem (DER). Para os dados, a partir desta data, serão os da sigla ARTESP (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo).

Um destaque importante é sobre a incorporação do nome Linhas Suburbanas. Creio que existam outras denominações que também poderiam expressar outros nomes para as referidas linhas. Como sugestão,  ficam os nomes Linhas Interurbanas [tema em desuso pelo sistema telefônico], Linhas Intermunicipais e Interurbis. Desta maneira, teríamos essas completando o quadro com FRETAMENTO [F], RODOVIÁRIO [R] e SUBURBANO[S].

 

METODOLOGIA

A história do desenvolvimento urbano está diretamente relacionada à evolução dos meios de transporte. A localização, o tamanho e as características das cidades e os hábitos da população sofrem grande influência dos meios de transporte urbanos.

Segundo FERRAZ (1998), as rotas de transporte sempre tiveram grande influência na localização das cidades, pois a facilidade de comunicação é fator determinante na qualidade de vida e no progresso dos aglomerados humanos.

A análise ocorrera na região central do Estado de São Paulo, envolvendo os serviços prestados em Araraquara, São Carlos, Rio Claro e Piracicaba.

As empresas que possuem linhas suburbanas, envolvendo esses quatros municípios, a saber: Empresa Cruz, Danúbio Azul, Marchiori, Paraty, Ramazini, Reunidas Paulista, Trevisan, Bonavita, Santa Cruz e Vinco.[Quadro 01].

 O transporte coletivo suburbano surge para atender o público que necessita de um serviço eficiente, prático e barato. É um serviço essencial nas cidades, tendo papel social e econômico de grande importância, pois democratiza a mobilidade, na medida em que facilita a locomoção daqueles que não possuem automóveis ou não podem dirigir.

A expansão do sistema suburbano serve para combater o transporte clandestino, visto que, melhorando o serviço, mais eficiente, diminui o espaço da modalidade clandestina.

A função do trabalho é apresentar a realidade considerando o nível de satisfação de todos os atores envolvidos, nos quais se incluem: governo, usuários, empresas do ramo, trabalhadores do setor e a comunidade.

 

OBJETIVOS

Tendo em mente tamanha complexidade, devem-se buscar na opinião da maioria dos usuários habituais do sistema as variações desses padrões de acordo com o espaço geográfico (FERRAZ, 2004). Dessa forma, torna-se imprescindível a aplicação de questionários de opinião pública e privada, baseada no nível de satisfação de vários elementos envolvidos no sistema de transportes suburbanos: usuários, governo, trabalhadores do setor, empresários do setor e comunidade.

Empresa

Itinerário

Quilômetros

Cruz Transportes Ltda

Araraquara/ Américo Brasil.

17,50 Circular

Cruz Transportes Ltda

Araraquara/ Américo Brasil.

13,00 Hospital Nestor Reis

Danúbio Azul

Araraquara/ Matão

35,50

Danúbio Azul

Araraquara/ Jaboticabal

84,00

Marchiori

Piracicaba/ Saltinho

16,80

Paraty

Araraquara/ Matão

36,60

Paraty

São Carlos /Araraquara

42,00

Paraty

Araraquara/ Nova Europa

52,00

Paraty

Araraquara /N. Europa/

44,00

Paraty

Araraquara/ Gavião Peixoto

39,00

Paraty

Araraquara/ Ribeirão Bonito

31,00

Paraty

São Carlos / Ibaté

12,00

Paraty

São Carlos / Itirapina

35,00

Paraty

Matão/ /Sta Ernestina

17,00

Paraty

Matão / Taquaritinga

29,00

Ramazini

Araraquara/ Rincão

41,30

Ramazini

Araraquara /Matão

36,00

Reunidas Paulista

São Carlos/ /Dourado

70,10

Reunidas Paulista

São Carlos/ Ibaté

20,90

Reunidas Paulista

São Carlos/ Usina da Serra

17,00

Reunidas Paulista

São Carlos/ Itirapina

40,00

Trevisan

Piracicaba/ Charqueada

35,00

Viação Bonavita

Rio Claro/ Corumbataí

32,00 W. Luiz

Viação Bonavita

Rio Claro/ Corumbataí

32,00 Estrada Municipal.

Viação Bonavita

Rio Claro/ / Limeira

33,10

Viação Bonavita

Rio Claro/ Limeira

35,30

Viação Bonavita

Piracicaba/ Iracemápolis

27,00

Viação Bonavita

Piracicaba/ Rio Claro

46,00

Viação Santa Cruz S/A

Rio Claro/ Santa Gertrudes

12,70 Estrada Municipal.

Vinco

Rio das Pedras/ Piracicaba

17,00

Vinco

Rio das Pedras/ Piracicaba

24,00 .Rod. do Açúcar

Vinco

Laranjal Pta./ Piracicaba

5,70

Fonte. ARTESP.  2005

 

Quadro 01.  Linhas do Estado de São Paulo: suburbanas, itinerários e empresas envolvidas da região central.

 

A avaliação dos diversos fatores que caracterizam a qualidade do transporte suburbano será realizada com a aplicação de questionários em diferentes matrizes (ver tabelas abaixo) pelos pesquisadores.

 

Modelo de Matriz de Avaliação para os Usuários

Acessibilidade

Distância a pé do inicio e no fim da viagem e comodidade nas caminhadas.

Freqüência

Intervalo entre atendimentos.

Tempo de Viagem

Relação entre o tempo de viagem por ônibus e por carro.

Lotação

Taxa de passageiros em pé.

Confiabilidade

% de viagens programadas realizadas no horário, com alguma tolerância.

Segurança

Índice de Acidentes.

Características dos veículos

Idade, estado de conservação, número de portas, largura do corredor, altura dos degraus e aparência.

Caract. paradas

Sinalização adequada, existência de coberturas e bancos e aparência.

Sistema de Inform.

Nas paradas, em folhetos, por intermédio de telefone, etc.

Conectividade

% de transbordos e existência de integração física e tarifária.

Comportamento dos operadores

Habilidade e precaução dos condutores e tratamento dispensado aos usuários.

Estado das vias

Existência de pavimentação, buracos, lombadas, valetas e sinalização.

Tarifa

Comparação com outras cidades.

 

Modelo de Matriz de Avaliação para os Usuários

Acessibilidade

Distância a pé do inicio e no fim da viagem e comodidade nas caminhadas.

Freqüência

Intervalo entre atendimentos.

Tempo de Viagem

Relação entre o tempo de viagem por ônibus e por carro.

Lotação

Taxa de passageiros em pé.

Confiabilidade

% de viagens programadas realizadas no horário, com alguma tolerância.

Segurança

Índice de Acidentes.

Características dos veículos

Idade, estado de conservação, número de portas, largura do corredor, altura dos degraus e aparência.

Características das paradas

Sinalização adequada, existência de coberturas e bancos e aparência.

Sistema de Informações

Nas paradas, em folhetos, por intermédio de telefone, etc.

Conectividade

% de transbordos e existência de integração física e tarifária.

Comportamento dos operadores

Habilidade e precaução dos condutores e tratamento dispensado aos usuários.

Estado das vias

Existência de pavimentação, buracos, lombadas, valetas e sinalização.

Tarifa

Comparação com outras cidades.

 

Modelo de Matriz de Avaliação para os Empresários

Fatores

Parâmetros para avaliação

Rentabilidade do Capital

Taxa de rentabilidade do capital das empresas

Prazo para recuperar o investimento

Período de concessão ou permissão

Reconhecimento pelo trabalho

Imagem das empresas e do sistema perante a comunidade e o governo

 

Modelo de Matriz de Avaliação para os Trabalhadores

Fatores

Parâmetros para avaliação

Salários e outros benefícios

Comparação com outras cidades e outros setores

Jornada de trabalho

Respeito às leis e normas do trabalho

Instalações físicas

Protegidas e com sanitários, ventilação, etc

Reconhecimento e respeito

Dos superiores, colegas e da comunidade.

Integração e motivação

Satisfação com o trabalho e possibilidade de fazer sugestões

Oportunidade de desenvolvimento

Possibilidade de treinamento e progresso na empresa

 

Modelo de Matriz de Avaliação para a Comunidade

 

Você sabe o que é uma linha Suburbana?

Sim ________

Não ________

 

Fatores

Parâmetros para avaliação

Contaminação do Ar

Presença de veículos lançando produtos tóxicos

Poluição sonora

Presença de veículos barulhentos

Prejuízo para o trânsito

Alta concentração de ônibus em alguns locais

Segurança

Índice de acidentes

Degradação de espaços públicos

Forma de ocupação e aparência dos espaços públicos destinados a estações, terminais e pontos de parada.

Valor da tarifa

Comparação com outras cidades

Estética (poluição visual)

Aparência do ônibus, dos locais de parada e das estações e terminais.

Situação dos trabalhadores

Condições de trabalho dos empregados no setor

Cumprimento da lei

Grau de respeito das empresas às leis e regulamentos

Imagem do Serviço

Opinião da população e dos meios de comunicação

 

Modelo de Matriz de Avaliação para o Governo

Fatores

Parâmetros para avaliação

Valor da tarifa

Estudos e comparação com outras cidades

Qualidade do serviço

Estudos e comparação com outras cidades

Eficiência do serviço

Estudos e comparação com outras cidades

Justiça financ. das empresas

Existência de compensação tarifaria

Imagem do Serviço

Pesquisas com usuários e noticias nos meios de comunicação

Satisfação dos Usuários

Estudos e pesquisas

Satisfação da comunidade

Estudos e pesquisas

Satisfação dos trabalhadores

Estudos e pesquisas

Satisfação dos empresários

Estudos e pesquisas

Relação UrbanoxSuburbano

Integração entre linhas

 

 

AS PRINCIPAIS EMPRESAS DO TRANSPORTE COLETIVO INTERMUNICIPAL DA ÁREA EM ESTUDO

Empresa Reunidas Paulista Transporte Ltda.

Empresa fundada em 25/09/1948, com sede na cidade de São Paulo, bairro da Barra Funda, e com garagens distribuídas pelas cidades de Angra dos Reis (RJ), Araçatuba, Andradina, Bauru, Campinas, Ilha Solteira, Jaú, Lins, Penápolis, Pereira Barreto, Pirajuí, Ribeirão Preto, Campo Grande (MS), Santo Anastácio, São José do Rio Preto, São Paulo e Três Lagoas (MS).

Atualmente a empresa pertence ao grupo Patrocínio - Administração e Participação S/A - presidida por Constantino de Oliveira, com 1.038.170.131 quotas e Áurea Caixeta de Oliveira - esposa do presidente do grupo, com 470.506.429 quotas.

O grupo Patrocínio - Administração e Participação está sediado na cidade de Brasília (DF), e Áurea Caixeta de Oliveira é a presidente do Expresso União Ltda., empresa que serve importantes cidades do Estado do Rio de Janeiro.

 

Empresa Cruz de Transportes Ltda

A Empresa Cruz pertenceu, de 1967 até 26/09/85, aos irmãos Cruz de Araraquara (SP). Após esta data, a empresa passou para a direção da Construtora Rio Preto Ltda, Sociedade por Quotas de Responsabilidade Ltda, com sede na cidade de São Bernardo do Campo (SP).

Atualmente, a formação do capital da firma é composto por Áurea Caixeta de Oliveira - Áurea Administração e Participação Ltda - com 1.440.000 quotas, de R$ 1,00 e Rui Martins de Oliveira, com 360.000 quotas de R$ 1,00.

A Empresa Cruz, com sede na cidade de Araraquara, (SP) recebeu as concessões de suas linhas num período compreendido entre os anos de 1967 e 1981. Num primeiro momento, as linhas ocorrem entre a cidade sede e centros importantes da região.

 

Viação Santa Cruz S.A.

Outro grupo importante é composto pela empresa Viação Santa Cruz S.A., na década de 80 com a compra do Expresso Cristália S/A, e em 2000, para gerenciar a Viação Nasser Ltda.

O senhor Eugênio Mazon, já havia adquirido anteriormente as empresas Viação Bizacchi, Rápido Pinhal e a Viação Nossa Senhora de Fátima. Sua atuação é no interior dos Estados de São Paulo e Minas Gerais e atualmente conta com 1700 operários, 500 veículos e 2,000. 000 de passageiro mês (www.gruposantacruz.com.br).

O Grupo Santa Cruz, empresa do ramo de transportes, é composto pela Viação Santa Cruz S.A., Expresso Cristália Ltda. e Viação Nasser Ltda. O sólido grupo, gerador de aproximadamente 1.500 empregos diretos, tem em sua frota cerca de 500 veículos, entre ônibus, caminhões e utilitários, que percorrem aproximadamente 5.500.000 quilômetros transportando mais de 2.000.000 de passageiros ao mês, proporcionando segurança, pontualidade e conforto.

 

Viação Bonavita - VB Transportes e Turismo Ltda

A VB foi fundada em 1927 e atua nos segmentos de transporte de passageiros e encomendas, além do fretamento. A melhoria constante nos serviços e a preservação do meio ambiente são preocupações constantes da empresa.

A VB Transportes e Turismo Ltda. é uma das empresas mais tradicionais do setor de transporte de passageiros na região de Campinas. A empresa, antiga Viação Bonavita S.A. Transportes e Turismo, foi adquirida pelo Grupo Rápido Luxo Campinas no dia 15 de julho de 2003, foi fundada em 1927 por Rafael e Antonio Bonavita.

Destaco também o grupo Belarmino, empresário de origem portuguesa distribuidor dos veículos Mercedes Benz do Brasil, com revendas nas cidades de Taboão da Serra e Campinas [Mercedes Sambaíba] proprietários das empresas intermunicipais da Viação Bonavita, Rápido Luxo Campinas, [Região Metropolitana de Campinas] Intersul, [Vale do Ribeira] Osastur [São Paulo e Sorocaba] e as recém adquiridas Cidade Azul, Expresso Limeira e Via Sol.

 

Viação Trevisan Ltda e Viação Noivacolinense Ltda

Os arquivos históricos da empresa Trevisan bem como da Viação Noivacolinense (Vinco) não foram encontrados para incrementar este estudo. No entanto contamos com alguns dados referentes às atribuições da empresa Trevisan. Estes dados foram conseguidos junto a Agência Reguladora de Serviços Públicos (ARTESP) de modo que constam: “A linha intermunicipal suburbana de auto-ônibus entre os Municípios de Charqueada e Piracicaba, que tem como permissionária a empresa Viação Trevisan Ltda, em seu trecho compreendido pelo perímetro urbano da cidade de Charqueada, com uma extensão a ser percorrida de 3,5 quilômetros”. (ARTESP, 2007).

 

Viação Paraty

Fundada em 1982, no município de Ibaté, a Viação Paraty operava apenas a linha rodoviária São Carlos/Ibaté. Em 1985, com 7 ônibus, a empresa foi adquirida pelo Grupo Santa Cecília, de São Paulo, e no mesmo ano iniciou sua trajetória de expansão das atividades para o fretamento e turismo. O primeiro cliente neste segmento foi a Lápis John Faber. Aqui se iniciavam os trabalhos na cidade de São Carlos. Em 1987, já com alguns clientes de fretamento em São Carlos, a Paraty expande sua área de atuação e inicia a operação em Araraquara com a Linha urbana Selmi-Dei / Yolanda Ópice. No ano seguinte, começa a operação do transporte urbano de Matão.

Atualmente, a Paraty conta com aproximadamente 400 veículos, entre ônibus e microônibus, atuando em todos os tipos de serviço de transporte de passageiros: urbano, suburbano, rodoviário, fretamento e turismo.  A empresa está presente em diversas cidades da região de Araraquara, entre elas: São Carlos, Matão, Américo Brasiliense, Tabatinga, Santa Rita do Passa Quatro, Ibaté, Itirapina, Gavião Peixoto e outras. (Fonte: http://www.vparaty.com.br/empresa.php)

 

A ESTRUTURAÇÃO DAS LINHAS SUBURBANAS

Destacamos a legislação oficial do Estado de São Paulo, que envolve o transporte coletivo intermunicipal, com o regulamento a seguir:

O Regulamento do Serviço Intermunicipal Regular de Transporte Coletivo de passageiros - Decreto nº 29.913, de 12/05/89, foi alterado pelos Decretos nº30.945, de 12/12/89, 31.104, de 27/12/89 e nº40.842, de 16/05/96. Secretaria de Transportes. Governo do Estado de São Paulo.

O Parágrafo 3 do referido regulamento diz: Os serviços de transporte coletivo classificam-se em: Rodoviário convencional; Rodoviário especial; Rodoviário leito; Suburbano convencional e Autolotação.

Por outro lado, o regulamento mostra que: Artigo 7 - O serviço suburbano convencional é aquele que apresenta as seguintes características:

As passagens são, em geral, cobradas no interior dos ônibus, durante a realização das viagens que, por sua vez, poderão ser registradas em dispositivos controladores de passageiros.

A origem, as paradas intermediárias e o destino relativo às viagens, processam-se, geralmente, em abrigos de passageiros convencionais;

Utiliza ônibus tipo urbano convencional, com especificação própria, identificada, entre outros, por apresentar poltronas fixas, sem numeração; por dispor no mínimo, de duas portas, uma dianteira e outra traseira, destinadas à entrada e saída de passageiros e por não possuírem bagageiros nem porta-pacote;

Permite o transporte de passageiros em pé com taxa de ocupação pré-fixada;

Utiliza vias inseridas predominantemente, em regiões com densidades demográficas significativas e que, devido a freqüentes paradas, proporcionam viagens com velocidade médias inferior àquelas realizadas nos serviços rodoviários.

Mas o Artigo 37 diz: Não será permitido o transporte de passageiro em pé, salvo:

Nas linhas de características suburbanas;

Para prestação de socorro, em caso de acidente ou avaria.

Outra constatação, merecedora de destaque, ocorre em relação a não cobrança do seguro obrigatório.  Nesse caso, eles invertem a lógica da venda normal da passagem, não cobrando o seguro obrigatório, a fim de possibilitar uma passagem mais barata para o usuário.

O que ocorre na pratica, é o ingresso do passageiro no ônibus, pagando a passagem para o motorista ou cobrador, dependendo  do movimento da linha, e o não recebimento de nenhum comprovante da presença do usuário dentro do veiculo.

Voltando a fazer o papel de advogado, não existe comprovante nenhum, relativo a presença do passageiro dentro do veiculo.

Primitivo sistema de controle de passageiros, foi desenvolvido pela empresa Viação Danúbio Azul, na linha suburbana  Araraquara/Jaboticabal, na qual eles entregam uma espécie de senha, demonstrando o percurso a ser desenvolvido pelo passageiro, faltando a data que o percurso esta sendo realizado e o número da linha, estabelecida pela ARTESP .

 

Apresentação dos Resultados de Rio Claro.

Os resultados foram alcançados através da tabulação dos dados obtidos com aplicação dos questionários de avaliação dos cinco atores envolvidos no contexto do transporte público suburbano. Esses resultados foram usados na confecção dos mapas do trajeto das linhas suburbanas Rio Claro-Araras (Auto 8368-01 – Via SP-330 / SP-316 / SP 310, através da Viação Santa Cruz S/A) e Rio Claro-Piracicaba (Auto 8548-01 – Via SP 127, através da Viação Bonavita S/A) dentro do município de Rio Claro.

Segundo proposto anteriormente na metodologia foram entrevistadas no mês de abril de 2006 na Praça da Liberdade, na Prefeitura Municipal de Rio Claro-SP, na garagem da Viação Bonavita S/A (Rio Claro) e no Terminal da avenida C. F. Matarazzo Jr. (próximo ao Shopping Center Rio Claro) chegando a um total de 76 pessoas.

O terminal de linhas suburbanas de Rio Claro, ocorre na área central da cidade. As condições das instalações para os usuários são precárias entretanto, a localização é extraordinária, ficando encostada ao zona central de negócios e ao terminal urbano de passageiros.

São Carlos

São Carlos está localizada no centro geográfico do Estado de São Paulo à 255 Km da capital paulista. Sua posição geográfica se encontra a 47º30’ e 48º30’ Longitude Oeste e 21º30´ e 22º30´ Latitude Sul.

Já a população em 2007 estava estimada em 212.956 habitantes em uma unidade territorial de 1.141 Km², com um crescimento demográfico de 2,4% ao ano. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 2000 se encontrava em 0,841 e o PIB em R$ 2.472.749.700,00 com um valor per capita de R$ 11.950,62.

Em São Carlos foi construído um terminal de passageiros especialmente para o transporte suburbano. Apesar de sua precariedade ele se localiza ao lado de terminal intermunicipal da cidade. Desta maneira, existe o efeito positivo, da proximidade entre ambos, entretanto, ele é aberto deixando o usuário sujeito a todas as intempéries do clima.  

Araraquara

Araraquara está localizada estrategicamente no centro do Estado de São Paulo, tendo como coordenadas geográficas 21º47'37"(latitude sul) e 48º10'52" (longitude oeste), com uma altitude média de 646 metros em relação ao nível do mar.

Os ônibus suburbanos partem do terminal intermunicipal da cidade, juntamente com as linhas intermunicipais. A bilhetagem é realizada dentro do veiculo, não sendo cobrado a taxa de embarque do passageiro, colaborando para diminuir o preço da passagem.

 

Piracicaba

O município de Piracicaba está localizado a oeste e à 180 km de São Paulo, os principais acessos são as rodovias Anhanguera e Bandeirantes.

Segundo o site do Centro de Informática do Campus “Luiz de Queiroz” a área total do município é de: 1.312,30 km2, o que faz dele o 19o. município do Estado de São Paulo em extensão territorial.

A população está estimada em 300.500 habitantes, sendo que a população feminina é de 151.100 habitantes e a masculina de 149.400 habitantes. Do total 286.960 é urbana e 13.540 é rural. A taxa geométrica de crescimento anual da população é de 1,34%.[foto 07]

As linhas suburbanas de ônibus que partem de Piracicaba ocorrem do terminal intermunicipal da cidade. Os usuários dispõem de um relativo conforto, como bancos para acomodações, cobertura para embarque  no veiculo.

 

RESULTADOS APRESENTADOS

De acordo com a análise feita a partir dos dados obtidos em pesquisas podemos dizer que a situação da qualidade do transporte nos municípios de Piracicaba, São Carlos, Rio Claro e Araraquara apresentam, de forma geral, um quadro bastante satisfatório.

Este resultado está baseado, principalmente, na opinião dos usuários e da comunidade de cada município pesquisado. Para esta pesquisa foi elaborado um questionário que visava medir a satisfação dos usuários quanto aos seguintes aspectos:

 

CONCLUSÃO

De acordo com o levantamento de dados notou-se que o transporte público suburbano para o seu bom funcionamento necessita de uma integração física e tarifaria do sistema; sistema de comunicação por rádio entre os ônibus e uma central de comando operacional; abrigos decentes; acesso fácil e direto; freqüência satisfatória; tempo de viagem compatível com a distância do percurso; lotação adequada; confiabilidade e segurança; sistema de informações atualizado, abundante e de fácil visualização, comportamento educado dos operadores; vias conservadas e tarifa justa. Nesse sentido o transporte público suburbano tomaria o lugar em curtas distâncias do transporte coletivo rodoviário, cabendo a este o papel de viagens mais longas.

A aquisição de dados através das pesquisas realizadas durante o estudo foi de certa forma tranqüila no que diz respeito à comunidade e usuários do sistema. Entretanto, no que concerne a aquisição de dados junto aos empresários e trabalhadores das empresas que possuem a concessão das linhas suburbanas, houve certa dificuldade devido à má vontade e burocracia.

É importante salientar que muitas vezes os funcionários, empresários e governo omitem suas reais opiniões acerca da qualidade envolvendo o transporte público suburbano, assim como usuários e comunidade podem supervalorizar possíveis insatisfações.

As empresas de ônibus estão cada vez mais fechadas para o contato com a comunidade acadêmica.  Acredito que a grande concorrência existente no setor seja uma das causas preponderantes para que esse fato ocorra.

Entre as quatro cidades analisadas, percebesse uma grande aceitação por esse tipo de transporte coletivo, se bem que em muitos dos casos o usuário não tem consciência  que esse é um novo tipo de transporte.

Ele trás algumas vantagens para o usuário. No tocante ao espaço urbano, existe uma discreta concorrência  entre as empresas  suburbanas com o transporte coletivo urbano, notadamente quando o suburbano adentra ao centro comercial da cidade, “tirando” teoricamente o usuário do transporte coletivo. O fato fica mais grave quando as empresas são concorrentes.

Importante destacar que o trajeto no espaço urbano é determinado pelo poder municipal, arbitrando os interesses entre os grupos econômicos e antagônicos. A infra-estrutura necessária para a operação do sistema, não requer grandes investimentos por parte do poder publico, restringindo-se a placas de parada de ônibus suburbanos e geralmente algum espaço publico para servir de embarque e desembarque  para o sistema.

A cidade de São Carlos foi a que realizou o maior investimento, construindo um local de embarque junto ao terminal intermunicipal. As demais aproveitaram terminais existentes[Araraquara e Piracicaba] e Rio Claro utiliza precário “ Bar do Ponto”.

No capitalismo presente, as informações envolvendo empresas, nem sempre estão a disposição de pesquisadores. Fomos barrados em São Carlos e não tivemos acesso ao nível empresarial.

A metodologia apresentada pelo professor Antonio Clovis Coca Pinto Ferraz se mostrou pertinente para esse tipo de pesquisa, podendo migrar do urbano para o suburbano com pequenas modificações.

 

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARTESP. Apresentação na Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo. São Paulo. Disponível em: < http://www.artesp.sp.gov.br> Acesso em: 28 maio de 2002.

BUPEC - Plano de transporte rodoviário intermunicipal. Cidade, 1990. p. 127. Mimeografado.

CANO, W. et al O processo de urbanização paulista no período de1970- 89 . In: CENÁRIOS da urbanização paulista. São Paulo. Governo do Estado de São Paulo, 1992.

DER. Boletim do Departamento de Estradas de Rodagem. São Paulo, outubro de 1948.

FELEX, J.B. Região, habitantes e transportes. 1990. 66 f. Tese (Livre Docência) - EESC – Universidade São Paulo, São Carlos, 1990.

FERRAZ, A. C. P. TORRES, I. G. E., “Transporte Público Urbano”. 2ª Edição, Editora Rima, 2004, 428 páginas.

 FERREIRA, E. R. “O Transporte Coletivo Intermunicipal do Estado de São Paulo:As Linhas Suburbanas”. Tese de Livre Docência, Unesp, Rio Claro,Igce,2006.

FERREIRA, E. R. A evolução da malha rodoviária no Estado de São Paulo- 1950/2002- A questão do transporte coletivo intermunicipal suburbano. Rio Claro: Igce/Unesp, 2003. 60p.

LOMBARDO, M. A.et alli. Qualidade do Transporte Público Suburbano no município de Rio Claro-sp.Igce.Unesp. Rio Claro.(digital). 2006

 

Plano Diretor Transporte Urbano para o Município de Rio Claro – SP. Logitrans. Curitiba. 2004.

SÃO PAULO. SECRETARIA DE TRANSPORTE. Plano de Transportes, Diário Oficial do Estado de São Paulo. Poder Executivo, São Paulo, 20 jun. 1990. Seção de Transportes, p. 16-24.

SÃO PAULO. SECRETARIA DE TRANSPORTE. Regulamento do Serviço Intermunicipal Regular de Transporte Coletivo de Passageiro, Diário Oficial do Estado de São Paulo. Decreto-lei 29.913, 12 de maio de 1989.

www.artesp.sp.gov.br/servicos/permisooes/servicos_del_transcoletivo_dadosatuais.asp

www.cigri.usp.com.br

www.der.sp.gov.br/_malha/rdodo_online.asp

www.empresacruz.com.br/historia.asp

www.emtusp.com.br/empresa/intermediario.htm?sistema_todos&regiao=todas&pg=buscaregiao.htm

www.galeria.portalinterbuss.net

www.grupobonavita.com.br/

www.gruposantacruz.com.br

www.reunidas.com.br/reunidas/sobre/historia.html

www.rioclaro.sp.gov.br/

www.setpesp.org.br/institucional/associados/index.asp. Acessado em 29/10/2008

www.valespbus.com/fotos/

www.vparaty.com.br/empresa.php


Ponencia presentada en el XI Encuentro Internacional Humboldt – 26 al 30 de octubre de 2009. Ubatuba, SP, Brasil




Crea tu propia Red Social de Noticias
O participa en las muchas ya creadas. ¡Es lo último, es útil y divertido! ¿A qué esperas?
es.corank.com