Inicio > Mis eListas > encuentrohumboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2447 al 2466 
AsuntoAutor
233/08 - ENFOQUES Encuentr
234/08 - MOVILIDAD Encuentr
235/08 - NUEVO MOD Encuentr
236/08 - LOS DELIT Encuentr
237/08 - XI ENCUEN Encuentr
238/08 - O ENSINO Encuentr
239/08 - Propostas Encuentr
240/08 - Feliz Añ Encuentr
241/08 - NOCHE EN Encuentr
Fw: 240/08 - Feli Encuentr
242/08 - TURISMO E Encuentr
Fw: 240/08 - Feli Encuentr
Fw: Re:240/08 - F Encuentr
243/08 - UNA MIRAD Encuentr
Fw: Felíz Año Encuentr
244/08 - Políticas Encuentr
245/08 - Flexibili Encuentr
Fw: Prosperidad y Encuentr
Re: Fw: Prosperida julio ar
246/08 - TERRITÓRI Encuentr
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
ENCUENTRO HUMBOLDT
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 2511     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:[encuentrohumboldt] 242/08 - TURISMO E MOTIVAÇÃO RELIGIOSA: REFLEXÃO S OBRE O TURISMO
Fecha:Martes, 9 de Diciembre, 2008  08:37:34 (-0300)
Autor:Encuentro Humboldt <encuentro @..................ar>

TURISMO E MOTIVAÇÃO RELIGIOSA: REFLEXÃO SOBRE O TURISMO

 

CLAUDEMIRA AZEVEDO ITO[1]

 

Resumo

 

Este trabalho trata das motivações das viagens e dos deslocamentos. O turismo comparece como elemento importante na realização e na busca da experiência da liberdade. Esta busca pela felicidade, muitas vezes, se realiza por meio de peregrinações, romarias e visitas a lugares sagrados. Peregrinação e turismo se assemelham nos seguintes aspectos: ambos estabelecem uma jornada voluntária e temporal para um lugar fora de sua residência habitual; a possibilidade de serem fenômenos de massa; o desenvolvimento de atividades que fogem da rotina e tem reflexos socioeconômicos similares. Verifica-se que atualmente os peregrinos desfrutam de momentos de lazer, onde a busca espiritual e vivencia da fé permite o rompimento do cotidiano. As peregrinações passam a ser um acontecimento social. Ou seja, observa-se que as peregrinações e festas religiosas se revestem de novos significados, como fenômeno de forte coesão humana, passa a ser simultaneamente cerimônia religiosa e como lazer. Observa-se que o lazer e o consumo se entrelaçam às obrigações e ritos religiosos.  Peregrinos e turistas se misturam e disputam espaços de consumo e de lazer. Há o processo de espetacularização da religião e construção da relação dialética entre mercado e fé.

 

 

Palavras chaves:  Turismo religioso, turismo, peregrinação.

 

 

 

 

1. Motivações do turismo

 

 

As motivações das viagens são estudadas por diversas especialidades. A Sociologia destaca-se, e apresenta na “Sociologia do Turismo” as reflexões sobre as motivações das viagens e do turismo. Krippendorf (2001) aponta em suas pesquisas as seguintes motivações das viagens: “Para desligar, relaxar; para fugir da vida diária, mudar de ambiente; para recuperar as forças; para entrar em contato com a natureza; para comer bem; para descansar, não fazer nada; para ir de encontro ao sol; para ter companhia; para ver outros países, ver o mundo; para cuidar da saúde e beleza; rever parentes e amigos; entre outros.” p.44-45.

Desde a década de 1960, quando se torna mais visível o fenômeno turístico, a motivação das viagens praticamente não sofreu alteração, entretanto, a partir da década de 1970, o crescimento do turismo mais ativo. Os turistas têm apresentado cada vez menos as respostas: “ desejo de dormir, de descansar, de não fazer nada, em contrapartida tem crescido as categorias: divertir-se, distrair-se, brincar, praticar esportes ou hobbies.

Macedo (2002) corrobora com este raciocínio. Afirma que a partir da década de 1970, houve o despertar de uma visão ambientalista do turista, foram valorizados os lugares de difícil acesso, com pouca ou inexistente infra-estrutura, pouco povoado, onde a rusticidade impera. “ Tornam-se pontos de atração turística praias extensas bordejadas de falésias, e coqueirais, ilhas remotas, regiões de mata densa, vilas de pescadores” p.204. É a “busca do Éden”.

Os “paraísos turísticos são identificados e podem passam por dois processos diferentes. Primeiro, onde após a identificação, o lugar é protegido, com a criação de parques, restrição de visitação ou plano de manejo. E, segundo, onde logo após a “descoberta” o lugar passa de suas formas rústicas para loteamento, com transformação radical de sua paisagem. Macedo (2002,p.205). Em ambas hipóteses, inicialmente o destino é elitizado e, aos poucos, em velocidades diferentes são popularizados, ou estandardizados.

O turista é influenciado pelas discussões da questão ambiental, bombardeado cotidianamente com informações sobre aquecimento global e poluição atmosférica, busca em suas viagens o “paraíso”. Dessa forma, exerce maior demanda por destinos que apresentam características naturais, cuja paisagem se mantenha despoluída e longe da degradação. Ao experimentar destinos “naturais” o turista passa pelo processo de diferenciação social e cria a ilusão de estar fora do capitalismo industrial As viagens de turismo tornam-se a possibilidade de ruptura do cotidiano, participam do processo de afastamento do individuo das redes relacionais do qual faz parte no dia a dia. É evasão temporária e a sensação de liberdade denominada de “descotidianização” por Carmo (2006)

De modo geral, as motivações das viagens podem ser agrupadas em: Viajar é fugir; viajar é descansar e refazer-se; viajar é compensar e integra-se socialmente; viajar é comunicar-se; viajar é alargar o próprio horizonte; viajar é ser livre e independente; viajar é partir para a descoberta de si mesmo; e viajar é ser feliz. Sendo que cada viajante ou turista aponta uma, duas ou mais motivações, as quais se mesclam e se superpõem. Krippendorf (2001) justifica que o desejo de fuga é criado pelo cotidiano urbano-industrial, e por isso aparece como a maior prevalência nas pesquisas. “O turismo, cada vez mais, assemelha-se a uma fuga em massa face às realidades cotidianas, em direção ao reino imaginário da liberdade”. (KRIPPENDORF, 2001, p. 47).

O turismo comparece como elemento importante na realização e na busca da experiência da liberdade, assim como, os avanços tecnológicos tem grande contribuição. Tuan (1983) afirma:

Instrumentos e máquinas ampliam a sensação de espaço e espaciosidade do homem. (...) Quando o transporte é uma experiência passiva, a conquista do espaço pode significar a sua diminuição. A velocidade que dá liberdade ao homem, faz com que ele perca a sensação de espaciosidade. (...) O espaço é um símbolo comum de liberdade no mundo ocidental. (TUAN, 1983, p. 60-61)

Tuan (1983) afirma “as vidas humanas são movimento dialético entre refúgio e aventura, dependência e liberdade” p.61. Carmo (2006) baseando-se em Tuan (1983) analisa esta busca pela liberdade.

Os homens necessitam de espaço e de lugar, sendo o lugar a segurança e o espaço, a liberdade. O homem está ligado ao primeiro e deseja o segundo. Então, o espaço revela-se como algo que permite o movimento. (...) A experiência do espaço e do tempo é primeiramente subconsciente. (CARMO, 2006, p.28)

Dessa forma, muitos turistas ao serem questionados sobre suas motivações respondem: “Viajar é ser livre e independente”. Krippendorf (2001) afirma que ser livre é apresentado como possibilidade de dispor de si mesmo, livre de coerções, liberado das obrigações e regras. Trata-se da busca da sensação de liberdade, uma evasão: desenvolver e vivenciar atividades diferentes do cotidiano, de forma temporária e controlada, de forma que, depois da fuga, há a satisfação do retorno, num processo contraditório de valorização da liberdade da opressão do meio social em que vive, e simultaneamente valorizando-o, por novas vivencias e pelo distanciamento do habitual.

Podemos, enfim, fazer o que quisermos, mesmo que isso seja não fazer nada. Somos livres sem pressões, somos nossos próprios senhores. (...) A viagem é tempo livre total, a forma mais libertadora de lazer, posto que deixa o ambiente habitual para o mais longe possível. A viagem é uma dupla liberdade: se está livre do trabalho e longe de casa. (KRIPPENDORF, 2001, p. 49).

O mesmo autor afirma que, com menor freqüência, aparece nas pesquisas sobre motivações: “Viajar é partir para a descoberta de si mesmo”, denunciando o descontentamento com si mesmo, e as viagens se tornariam o principal instrumento do autoconhecimento, onde sozinho e fora das pressões do cotidiano haveria oportunidade para “descobrir a harmonia interior, para compararmos a outros e descobrir nossas aptidões”. A viagem é comparada a uma experiência de uma segunda vida, na qual seriam projetados os verdadeiros anseios e esperanças. E, por isso, é corrente a afirmação de que viajar é ser feliz.

Esta “busca pela felicidade” ou pelo “bem estar espiritual”, muitas vezes, se realiza por meio de peregrinações, romarias e visitas a lugares sagrados. Na essência “as peregrinações constituem um fenômeno ligado à natureza do ser humano. O peregrino percebe-se como alguém que está à procura de Deus, em busca de respostas e de socorro para as suas necessidades espirituais e materiais” Ribeiro, 2002, p.19. Cabe salientar que, o fenômeno das peregrinações comparece em muitas culturas, sua forma, periodicidade e lugares a serem visitados são criados historicamente.

 

 

2. Turismo religioso

 

 

Segundo Ribeiro (2002) “desde a antiguidade, as peregrinações se caracterizam pela movimentação das pessoas e pelos rituais que as acompanham”. P.19.  A relação com o sagrado se confunde com a veneração e orações nos lugares santos, assim como, fazer pedidos, render graças, fazer e pagar promessas, fazer oferendas. Abumanssur (2003) afirma que “desde sempre” o ser humano movimenta-se  em busca do sagrado para adorar, consultar, festejar e conhecer.  

Na História Ocidental, na Europa, o fim do Império Romano e a organização da sociedade em feudos, desestimularam a realização das viagens, os poucos deslocamentos se transformaram em aventura.  Entretanto, Na Idade Média, destacam-se a organização de peregrinações para Jerusalém ou santuários da Europa. “Grandes expedições eram organizadas para visitação dos centros religiosos da Europa e para libertar Jerusalém do domínio dos árabes. Talvez tenha sido estas viagens as precursoras das viagens de grupos.” Ignarra (2003,p.4)

Neste período, as peregrinações compõem o quadro onde a fé e as penitencias convivem com o projeto político de conquista e ocupação de vastas regiões. Para tal, foram ampliados os cultos aos santos, multiplicaram os festejos e as romarias para visitar templos e túmulos. Roma e os sepulcros dos apóstolos Pedro e Paulo, assim como, para o túmulo de Tiago. Ribeiro (2002).

As peregrinações de cristão a Roma foram registradas desde o século VI, dando origem à denominação de “romeiros”.  No Século IX, a descoberta da localização da tumba de Santiago de Compostela iniciou uma das rotas mais importantes dos peregrinos do mundo.

Na Idade Média, muitas cidades tinham sua economia impulsionada pelas peregrinações. Os peregrinos buscavam os lugares santos e as relíquias destes, por serem supostamente miraculoso, em alguns lugares o movimento de recursos possibilitava investimentos nas áreas das artes e arquitetura. Abumanssur (2003,p. 53).

O questionamento sobre o “turismo religioso” merece destaque, pois o fenômeno das peregrinações religiosas e sua estrutura de serviços e hospitalidade criada em meio a ato de fé, de penitencia e de sacrifício, parece ser ambíguo tratar como turismo, fenômeno associado ao lazer e  ao prazer.

Silveira (2004) esclarece que o termo “turismo religioso” surgiu na década 1960, e ganhou grande destaque nos setores ligados ao estudo do turismo, assim como dentro da própria igreja católica. Entretanto, lembra que é utilizado, muitas vezes, erroneamente como sinônimo de romaria e peregrinação.

Pode-se falar em turismo religioso quando o sagrado migra como estrutura de percepção para o cotidiano, para as atividades festivas, o consumo, o lazer, quando enfim, os turistas passam a viver eventos, como os natais, não mais vinculados à tradição cristã e ao que ela prescreve, mas como uma experiência inusitada, espiritual e consumista ao mesmo tempo. (SILVEIRA, 2004. p.2)

O exemplo citado pela autora é o Natal de Gramado e Canela, que com profusão de luzes e cores cria um evento singular que em quase nada lembra a origem do festejo cristão. A figura do Papai Noel torna-se o centro: com aparições pirotécnicas, acompanhados de duendes e outras figuras criadas pela fantasia humana.  Tudo para incentivar o consumo e o deleite.

Ainda, na tentativa de diferenciar peregrinação e romaria de turismo religioso. Steil (2003) alerta:

“ Acreditamos que o ponto fulcral reside no grau de imersão e de externalidade que cada uma dessa experiências pode proporcionar. Enquanto as romarias e peregrinações tendem a ser vivenciadas como um ato religioso de imersão no sagrado, o turismo, mesmo quando adjetivado como religioso, caracteriza-se por uma externalidade do olhar, fundamental para que um evento possa ser considerado como turístico.”(STEIL, 2003, p. 35).

Peregrinação e romaria são termos comumente utilizados entre peregrinos, romeiros e religiosos para sua auto-definição, marcando-a, dentro do contexto religioso, diferentemente do termo turismo Religioso, usado no âmbito comercial e administrativo. Dessa forma, os peregrinos e romeiros apresentam reservas em utilizar a designação de turismo para qualificar os seus deslocamentos motivados por sentimento religioso. Vale lembrar que não apresentam o mesmo comportamento: o deslocamento do peregrino ocorre estritamente por motivação espiritual, cumprir promessas, agradecer uma graça recebida, participar de um ato religioso.

Segundo Steil (2003), há grande resistência dos agentes religiosos em usar o termo turismo para designar romarias e peregrinações, pois há o receio de que estes eventos saiam do controle eclesiástico e passem para o âmbito do Estado e do mercado. Os religiosos rejeitam a idéia de que as visitas aos lugares sagrados, incorporados aos pacotes turísticos, seja apenas um item dentro deles, equiparando-se a uma visita a museus, casa de espetáculos ou a um parque temático. “ Para os religiosos, esse modelo de visitas estaria retirando a centralidade e profundidade do ato religiosos, que se perde em meio às ações dispersivas e superficiais do turismo” Idem,p.46.

Peregrinação e turismo se assemelham nos seguintes aspectos: ambos estabelecem uma jornada voluntária e temporal para um lugar fora de sua residência habitual; a possibilidade de serem fenômenos de massa; o desenvolvimento de atividades que fogem da rotina e tem reflexos socioeconômicos similares. Dias (2003) completa, as peregrinações contemporâneas se identificam  cada vez mais com as atividades turísticas: utilizam os mesmos meios de transporte e a mesma infra-estrutura como todo tipo de viagem. Enfatiza, ainda que “Torna-se, deste modo, cada vez mais fácil perceber as semelhanças entre peregrinação e turismo do que assinalar as diferenças entre estes fenômenos sociais e, neste sentido, peregrinação pode ser considerada como uma forma de turismo.” p.23

Pode-se afirmar que na sua origem e motivações a peregrinação e romarias se diferem em muito do turista. Entretanto, para alguns autores a peregrinação é uma forma de turismo e é apontada como precursora deste, pois existe o compartilhamento e uso comum, tanto pelo peregrino quanto do turista, dos equipamentos e instalações turísticas. Dias (2003) afirma “Turismo religioso é aquele empreendido por pessoas que se deslocam por motivações religiosas e/ou para participação em eventos de caráter religioso. Compreendem romarias, peregrinações e visitas a espaços, festas, espetáculos e atividades religiosas. p.17. Isto é, para este autor não há diferença entre turistas e peregrinos.

Verifica-se que atualmente os peregrinos desfrutam de momentos de lazer, onde a busca espiritual e vivencia da fé permite o rompimento do cotidiano. As peregrinações passam a ser um acontecimento social. Ou seja, observa-se que as peregrinações e festas religiosas se revestem de novos significados, como fenômeno de forte coesão humana, passa a ser simultaneamente cerimônia religiosa e como lazer. A recreação torna-se cada vez mais presente.

 

 

3. Turismo religioso no Brasil

 

 

As peregrinações acompanharam as transformações sócio-culturais. Anteriormente associadas às penitencias como forma de comunhão com o sagrado e fortalecimento da fé, onde os peregrinos dedicavam o tempo às orações, sacrifícios, cânticos, reflexão e suplicas comumente acompanhada pelo jejum. Hoje, apropriadas pelas atividades do turismo, as peregrinações são incorporadas pelo turismo religioso e assumem importância econômica, pois peregrinos também são consumidores de bens e serviços: Transporte, alimentação, hospedagem, serviços médico-hospitalares, lembrancinhas, lazer e recreação.

As festas religiosas passaram a ser incluídas no calendário de eventos oficiais, se qualquer diferenciação de outros eventos culturais, independentemente de seu cunho religioso ou profano. Tornaram-se atrativos turísticos comercializados nos mesmos moldes de outros produtos turísticos. Dessa forma, as atividades paralelas e simultâneas às manifestações religiosas ganham atenção, no sentido de atrair mais visitantes, assim como, prolongar sua estadia.

Apesar do conforto proporcionado pelos setores de alimentação e hospedagem, parte dos fieis consideram que em se tratando de peregrinação a penitência é essencial. Para atender este público, são oferecidos roteiros alternativos, onde a mística é resgatada, a aventura é valorizada, assim como o contato com a natureza. Exemplos podem ser citados: Santiago de Compostela, na Espanha, no Brasil, a fé católica criou vários caminhos: O Caminho da Padroeira, percorrido a pé na Serra da Mantiqueira e no Vale do Paraíba, nos estados de São Paulo e Minas Gerais; Caminho Santo de Nhá Chica em Minas Gerais; O Caminho de Anchieta no Espírito Santo.

No Brasil as festas religiosas, ligadas ou não ao catolicismo são muito comuns. As procissões e festas religiosas são consideradas como as mais antigas manifestações comunitárias urbanas. Toda comunidade, freguesia, município tem seu padroeiro, e conseqüentemente uma festa em sua homenagem. As festas marianas são incontáveis, assim como suas denominações: Nossa Senhora do Rosário, Nossa Senhora Aparecida, Imaculada Conceição, Nossa Senhora de Nazaré, Nossa Senhora da Piedade, e assim por diante. Missas, vigílias, penitências, queima de fogos e quermesses fazem parte destas celebrações.

Em muitas localidades, as festas do ano novo têm seu ápice como o Reisado, no dia 6 de janeiro. O festejo chegou ao Brasil através dos colonizadores portugueses e celebra o nascimento do Menino Jesus. Em Portugal é conhecido como Reisada ou Reseiro. No Brasil é recheado de histórias folclóricas, mas sua essência continua a mesma, com uma mistura de temas sacros e profanos. O Reisado é formado por um grupo de músicos, cantores e dançarinos que percorrem as ruas das cidades e até propriedades rurais, de porta em porta, anunciando a chegada do Messias, pedindo prendas e fazendo louvações aos donos das casas por onde passam. As doações dos fieis, geralmente itens alimentícios, são transformados em banquete oferecido a toda a comunidade em festa. De modo geral, o Reisado não exerce muita atração de visitantes, pois sua existência está na base de solidariedade da comunidade local, e suas relações são regidas pela fé e não pelo interesse comercial.

Entretanto, grande parte das festas religiosas passou pelo processo de transformação em produto turístico. Nestas as procissões, cânticos, andores, velas, flores, sacerdotes entre outros elementos são observados por milhares de pessoas. Agentes da iniciativa privada e do poder público transformam o ritual religioso em algo a ser comercializado. Horários, roteiros e ritos são alterados para atender ao turista, neste caso, o freguês, que sempre tem razão.

No Brasil, os rituais ligados às religiões afro-brasileiras têm grande potencial de crescimento como atrativo turístico. O Candomblé, o Tambor de Crioula entre outras já fazem parte de roteiros turísticos em diversas localidades. As religiões de origem oriental, como o Budismo e seitas como a Messiânica também abrem seus templos para visitação, onde a contemplação dos jardins e da arquitetura oriental dá o toque de exotismo.

O crescimento das igrejas evangélicas, a partir da década de 1980, foi acompanhado pela organização de grandes encontros e festivais de música gospel, estes eventos movimentam, a cada ano, um numero maior de fieis.

Ainda dentro da diversidade religiosa e cultural alguns lugares merecem destaque por atrair visitantes pela motivação espiritual/esotérica: O Vale do Amanhecer em Brasília; a Chapada dos Guimarães em Mato Grosso, São Tomé das Letras em Minas Gerais são os principais exemplos.

Dentre as centenas de possibilidades e exemplos de destinos religiosos no Brasil, a Basílica de Nossa Senhora Aparecida, na Cidade de Aparecida do Norte no Estado de São Paulo, ganha notoriedade, não somente por ser Padroeira do Brasil, mas pela capacidade de atração de turistas, romeiros e peregrinos. A Basílica de Aparecida, o maior Santuário Mariano do Mundo, em dias festivos chega a receber mais de 150 mil pessoas por dia.

Em Aparecida, os espaços de consumo multiplicam-se e  vendem de tudo no “Shopping do Romeiro”. Aparelhos eletro-eletrônicos, artesanato local, lembrancinhas, quinquilharias “made in China”, convivem pacificamente com imagens sacras, rosários, crucifixos. Silveira (2003) afirma:

Mas o elemento que marca indelevelmente o espaço urbano de Aparecida é o consumo, atividade que envolve mais processo simbólico do que uma unívoca racionalidade econômica, pois ao consumir nele se estabelecem relações sociais. (SILVEIRA, 2003, p. 96)

Religião e turismo têm sua intersecção no consumo. Os fieis e visitantes são de todos os segmentos sociais, de diferentes religiões, utilizam de diversos meios de transporte, enfim apresentam, ou representam a diversidade sócio-econômica da sociedade brasileira. Fazem suas súplicas, pagam promessas e agradecem as graças recebidas, alguns pela primeira vez, outros cumprem o ritual por vários anos, até em continuidade a seus pais e avós.

Cumprido o ritual litúrgico, acorrem às compras, fazer a refeição e usufruir do lazer. Ou seja, transpor a fronteira e simultaneamente construir a fluidez entre a religião e o consumo. Passar de peregrino para turista, da aura de reflexão e sofrimento para a leveza do consumismo.

Finalizando, verifica-se que o lazer e o consumo se entrelaçam às obrigações e ritos religiosos.  Peregrinos e turistas se misturam e disputam espaços de consumo e de lazer, confundem-se em meio à multidão. Há o processo de espetacularização da religião e construção da relação dialética  entre mercado e fé. 

 

 

 

4. Referências Bibliográficas

 

ABUMANSSUR, Edin S.(org.) Turismo Religioso: Ensaio Antropológico sobre Religião e Turismo. Campinas, Papirus, 2003.

BARRETTO, Margarita. Manual de Iniciação ao Estudo do Turismo.  Campina, Papirus, 1995.

BOYER, Marc. Historia do Turismo de Massa. Bauru, Edusc, 2003.

CARMO, Evanice S. O espaço do Fenômeno Turístico no Contexto Atual. In RUSCHMANN, Doris & SOLHA, Karina. T., Planejamento Turístico. Barueri, Manole, 2006.

CASTRO, I. E. Paisagem e turismo. De estética, nostalgia e política. In : YAZIGI, C (org)  Turismo e Paisagem. São Paulo: Contexto, 2002. 121-140p.

CORIOLANO, L.N.M.T. Turismo e Geografia: Abordagens Críticas. Fortaleza, Ed. UECE, 2005.

CRUZ, Rita de Cássia Ariza da : As paisagens artificiais criadas pelo turismo.  In : YAZIGI, C (org)  Turismo e Paisagem. São Paulo: Contexto, 2002. 107-120p.

DIAS, Reinaldo & SILVEIRA, Emerson J.S. (org.) Turismo Religioso: Ensaios e Reflexão. Campinas, Alínea, 2003.

Figueiredo, S.L. & Manhi, c.a, Análise Comparativa de Paisagem em Turismo: Sistema de Referência. In Ruschmann, d. & solha, k.t., Planejamento Turístico. Barueri, Manole, 2006, p.p154-174.

IGNARRA, Luiz R. Fundamentos do Turismo. São Paulo, Thompson, 2003.

ITO, Claudemira. Percepção da Paisagem e Meio Ambiente no Turismo. Anais III Fórum Ambiental da Alta Paulista, Tupã, 2007 (digital)

KRIPPENDORF, Jost. Sociologia do Turismo: Para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo, Aleph, 2001.

KRIPPENDORF,J. Sociologia do Turismo: Para uma nova compreensão do lazer e das viagens. São Paulo:Aleph, 2001.

MENESES, Ulpiano T. Bezerra : A paisagem como fato cultural. In : YAZIGI, C (org).Turismo e Paisagem. São Paulo, Contexto, 2002.

OURIQUES, H. R. A Produção do Turismo: Fetichismo e Dependência. Campinas, Alínea, 2005.

SILVEIRA, E. J. S. Turismo e Consumo: A religião como lazer em Aparecida.  In ABUMANSSUR, Edin S.(org.) Turismo Religioso: Ensaio Antropológico sobre Religião e Turismo. Campinas, Papirus, 2003.

STEIL, Carlos A. Peregrinação, Romaria e Turismo Religioso: Raízes epistemológicas e interpretações antropológicas. In ABUMANSSUR, Edin S.(org.) Turismo Religioso: Ensaio Antropológico sobre Religião e Turismo. Campinas, Papirus, 2003.

TRIBE,J. Economia do Lazer e do Turismo. São Paulo, Manole, 2003.

TUAN, Y. Espaço e Lugar. São Paulo:Difel, 1983.

XAVIER, H. A Percepção Geográfica do Turismo. São Paulo, Aleph, 2007.

YAZIGI, C (org) Turismo e Paisagem. São Paulo, Contexto, 2002.

  


[1] - Departamento de Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia. Campus de Presidente Prudente - Universidade Estadual Paulista- UNESP.

Fone: 55 18 32295388 / Fax: 55 18 3221 8212 - ito@fct.unesp.br


Ponencia presentada en el Décimo Encuentro Internacional Humboldt. Rosario, provincia de Santa Fe, Argentina. 13 al 17 de octubre de 2008.