Inicio > Mis eListas > encuentrohumboldt > Mensajes

 Índice de Mensajes 
 Mensajes 2447 al 2466 
AsuntoAutor
233/08 - ENFOQUES Encuentr
234/08 - MOVILIDAD Encuentr
235/08 - NUEVO MOD Encuentr
236/08 - LOS DELIT Encuentr
237/08 - XI ENCUEN Encuentr
238/08 - O ENSINO Encuentr
239/08 - Propostas Encuentr
240/08 - Feliz Añ Encuentr
241/08 - NOCHE EN Encuentr
Fw: 240/08 - Feli Encuentr
242/08 - TURISMO E Encuentr
Fw: 240/08 - Feli Encuentr
Fw: Re:240/08 - F Encuentr
243/08 - UNA MIRAD Encuentr
Fw: Felíz Año Encuentr
244/08 - Políticas Encuentr
245/08 - Flexibili Encuentr
Fw: Prosperidad y Encuentr
Re: Fw: Prosperida julio ar
246/08 - TERRITÓRI Encuentr
 << 20 ant. | 20 sig. >>
 
ENCUENTRO HUMBOLDT
Página principal    Mensajes | Enviar Mensaje | Ficheros | Datos | Encuestas | Eventos | Mis Preferencias

Mostrando mensaje 2507     < Anterior | Siguiente >
Responder a este mensaje
Asunto:[encuentrohumboldt] 239/08 - Propostas e ações de Educação Ambiental no município de Dourados (Mato Grosso do Sul, B rasil): uma análise preliminar
Fecha:Domingo, 7 de Diciembre, 2008  09:46:00 (-0300)
Autor:Encuentro Humboldt <encuentro @..................ar>

Propostas e ações de Educação Ambiental no município de Dourados (Mato Grosso do Sul, Brasil): uma análise preliminar [1]

 

 

Flaviana Gasparotti Nunes[2]

 

 

 

Resumo: Tendo em vista problemática atual que envolve o meio ambiente e seu processo de degradação, a Educação Ambiental adquiriu grande destaque como possibilidade de diminuir ou amenizar tal processo por meio de pressupostos e ações educativas. Sintonizado com esta questão, esta pesquisa tem como objetivo central levantar e analisar as propostas de Educação Ambiental existentes e desenvolvidas nas escolas da rede estadual e municipal de ensino no município de Dourados (MS). A partir deste levantamento, pretende-se identificar e caracterizar as principais concepções e práticas de Educação Ambiental existentes, bem como as formas em que são desenvolvidas no município.

 

 

Abstract: Environmental Education has been greatly highlighted lately due to the problems surrounding our environment and its process of degeneration. EE is regarded
as feasible possibility which would diminish or at least slow this process down by means of educational assumptions and actions. Hence, this research aims at raising and analyzing the existing Environmental Education proposals which have been developed in state and municipal schools in the city of Dourados (MS). Based on this data, we intend to identify and characterize the main existing Environmental Education conceptions and practices as well as ways which this city has been using them.

 

 

 

Introdução

 

Cada vez mais, verifica-se uma mobilização de diferentes áreas do conhecimento humano para entender e reverter o processo de crise ambiental no qual nos encontramos. Os registros históricos mostram que as causas desta crise não são recentes, como são as tentativas e a iniciativas de se entender as razões que levaram o homem a degradar o ambiente em que vive (SILVA e INFORSATO, 2000). Como afirma Cardoso (1995, p.11):

 

(...) se crise é perigo, também é momento de liberação de forças criativas em busca de soluções, em busca de uma nova sociedade, em cujas bases está a solidariedade planetária: entre homens e destes com outros seres vivos e não vivos. Pois todos fazem parte do mesmo universo.

 

A partir da década de setenta, cientes de que a degradação ambiental ultrapassava os limites das ações isoladas, diversas nações resolveram unir forças na busca de soluções. Em 1972, a Conferência de Estocolmo (como ficou conhecida), organizada pela ONU (Organização das Nações Unidas), mostrou que a degradação ambiental estava relacionada com problemas políticos, econômicos e sociais, resultantes da cultura humana e que, para se resolver os problemas ambientais, era preciso mudar valores e unir ações. 

Paralelamente a isso, foi publicado, no mesmo ano, um documento reflexivo resultante das análises do chamado “Clube de Roma”. Este fora composto por um conjunto de cientistas de países desenvolvidos que em 1968 havia se reunido para discutir o consumo e as reservas naturais não-renováveis e o crescimento da população mundial até meados do século XXI.

Reigota (1996,) afirma que o principal mérito dos debates e conclusões do Clube de Roma foi colocar o problema ambiental em nível planetário e como conseqüência disso, realizou-se a Primeira Conferência Mundial de Meio Ambiente Humano. Dessa conferência foram elaborados dois documentos: A Declaração sobre o Meio Ambiente Humano e seu Plano de Ação Mundial.

Tal Plano de Ação apontava para a educação. Não uma educação restrita às escolas (formal), multidisciplinar que transmite conhecimentos, a fim de que os alunos os reproduzam. Mas uma educação interdisciplinar e até transdisciplinar, formadora de pessoas críticas sensibilizadas com questões ambientais e sociais.

Reigota (1996, p. 15) afirma que: “Uma resolução importante da Conferência de Estocolmo foi a de que se deve educar o cidadão para a solução dos problemas ambientais. Podemos, então, considerar que aí surge o que se convencionou chamar de educação ambiental.”

A conferência de Estocolmo (1972), recomendou que a EA deveria ter um enfoque interdisciplinar e ser desenvolvida em todos os níveis de ensino e gradativamente passou a reforçar a necessidade de sua inclusão no ensino informal, não como uma disciplina a mais nos currículos, mas estando presente em todas as disciplinas.

A Educação Ambiental emerge, então, como a solução para os problemas ambientais ou na sensiblização da população a estes problemas. Reigota (1996, p. 53) chega a afirmar que “(...) nos últimos anos ocorreu o boom da educação ambiental, tornando-a um modismo, que confunde os seus praticantes e usuários e muitas atividades exóticas têm sido chamadas de educação ambiental.”   

A UNESCO foi responsável pela divulgação e realização dessa nova perspectiva educativa e promoveu três conferências internacionais em Educação Ambiental ao longo de três décadas: a Conferência de Belgrado em 1975, a Conferência da Tbilisi em 1977 e Conferência de Moscou em 1987.

Já em 1992 foi realizada a Conferência do Rio de Janeiro (Rio-92) também denominada “Conferência de Cúpula da Terra” que aprovou uma série de acordos internacionais oficiais. No que diz respeito à Educação Ambiental, no entendimento de Reigota (1996, p. 17):

 

Nos vinte anos que separam as conferências mundiais de Estocolmo e Rio de Janeiro houve uma considerável mudança na concepção de meio ambiente. Na primeira se pensava basicamente na relação homem e natureza; na segunda o enfoque é pautado pela idéia de desenvolvimento econômico.

Essa mudança se fará sentir nos discursos, projetos e práticas diversas de educação ambiental que surgiram desde então.  

 

Conforme definição da UNESCO (1987), a Educação Ambiental é um processo permanente no qual os indivíduos e a comunidade tomam consciência do seu meio ambiente e adquirem conhecimentos, habilidades, experiências, valores e a determinação que os tornam capazes de agir, individual ou coletivamente, na busca de soluções para os problemas ambientais, presentes e futuros.

A respeito dos conteúdos das declarações resultantes destas conferências, Pedrini (1996, p. 33) identifica uma série de inconsistências e contradições, no entanto, observa que “(...) são importante fonte de consulta para a prática da EA, não tanto pelas suas contradições e pressupostos políticos, alguns claramente neoliberais, mas pelos avanços técnicos apresentados nos pressupostos pedagógicos arrolados. (...)”   

Neste contexto, no caso brasileiro, a Educação Ambiental foi formalmente instituída pela lei federal no 6.938 de 31 de agosto de 1981 que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. A partir de então, foram desenvolvidas algumas ações por parte de vários órgãos como o IBAMA e Ministério do Meio Ambiente no sentido de desenvolver a Educação Ambiental no Brasil.

Na área educacional, destaca-se na década de 1990, a realização dos primeiros Fóruns Nacionais de Educação Ambiental, a instituição do PRONEA (Programa Nacional de Educação Ambiental) pelo Ministério do Meio Ambiente e dos PCN’s (Parâmetros Curriculares Nacionais) pelo MEC, no qual a temática ambiental foi inserida como conteúdo transversal em todas as disciplinas do currículo escolar. Já no final dessa década, o Senado aprovou a lei federal 9795/99 que tem como objetivo oficializar a presença da educação ambiental em todas as modalidades de ensino.

Verifica-se, portanto, a existência de instrumentos legais e meios financeiros para realização da Educação Ambiental no Brasil. Existem, tanto na instância ambiental como educacional, órgãos públicos responsáveis pela realização da Educação Ambiental no país.

Nunes (1995) concorda que a educação é o único processo capaz de modificar atitudes, reformulando conceitos e formando sensibilidade ambiental, mas discorda que esse papel caiba, só à escola. Para que um programa de EA tenha êxito, é necessário que faça parte de um processo mais amplo, que inicie na escola, estenda à comunidade e alerta para os riscos de que a educação ambiental na escola se torne apenas mais um curso ou disciplina a ser adicionada a um currículo já sobrecarregado.

Desde seu surgimento até então, várias foram as dificuldades enfrentadas e superadas por educadores ambientais, entre elas, a formação destes profissionais. Quando formados em áreas técnicas (engenheiros agrônomos, florestais e civis; biólogos, químicos, geógrafos, entre outros), dominavam o conhecimento técnico e científico que são muito importantes, porém, ignoravam conhecimentos na área educacional como psicopedagogia, imprescindíveis para compreender o processo ensino-aprendizagem. Quando formados nas áreas educacionais apresentavam falhas no conhecimento científico e técnico (MEDINA, 1996).

Apesar das dificuldades que se impõem à prática da Educação Ambiental (EA) no contexto escolar, a educação brasileira tem destaque em relação a projetos que envolvem a temática ambiental no ensino formal, pela pertinência do conteúdo, inovação metodológica e respaldo social (REIGOTA, 1999).

Para Pedrini (1998, p. 56) “(...) faltam apenas estímulo à capacitação dos educadores ambientais com base teórico-metodológica e reivindicação e fiscalização da população para que nossos governantes sejam eficazes.”

No entanto, mesmo que a questão ambiental tenha alcançado avanços importantes nos documentos oficiais de ensino e na escola de forma geral, as práticas pedagógicas continuaram restringindo-se a ações isoladas de alguns professores, através de datas comemorativas, como por exemplo, o dia da árvore e a semana do meio ambiente. Algumas vezes até se traduzem em forma de projetos pedagógicos, que dificilmente saem do papel, ou são aplicados apenas pelos professores de Ciências e Biologia, sem um enfoque interdisciplinar (PEGORARO, 1998). Essas ações, ainda que importantes, não são suficientes para atingir os objetivos educacionais.

Neste sentido, Reigota (1996, p. 17-18) adverte que:

 

Se por um lado temos uma grande variedade de práticas que se autodefinem como sendo “educação ambiental”, mostrando a sua criatividade e importância, por outro lado, temos práticas muito simplistas que refletem ingenuidade, oportunismo e confusão teórica, conceitual e política.  

 

Carvalho (1989), em sua tese de doutorado, investigou “A temática ambiental na escola de 1º grau (professores de 1ª a 4ª séries)”. Objetivando compreender como os professores colocavam-se perante a possibilidade de um trabalho educativo que incorporasse questões ambientais, enfatiza que o envolvimento da temática ambiental no ensino é desafio para os professores, e, para enfrentá-lo, devem estar muito bem instrumentados, apesar de reconhecer a falta de material didático.

Com objetivos muito próximos aos de Carvalho, Benetti (1998) também levanta dados sobre as perspectivas dos professores de Ciências em relação à temática ambiental e aponta para a necessidade de se abordar com mais ênfase e clareza a temática ambiental nos programas de formação inicial e continuada de professores. Esta é, também, a visão de Penteado (2000).

Tamaio (2002) cita uma pesquisa realizada pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente de São Paulo (1994) sobre 496 experiências de educação ambiental na rede oficial de ensino do estado de São Paulo no período de 1988 a 1991 a qual identificou algumas concepções subjacentes quanto ao entendimento de educação ambiental e as metodologias utilizadas distinguindo quatro grupos: um grupo que considera como educação ambiental as atividades vinculadas a uma data/evento relativo ao meio ambiente, ao calendário de festas nacionais ou programações diversas como festas para pais, feira de ciências, entre outras; outro grupo vincula educação ambiental a atividades práticas, voltadas para problemas concretos (coleta seletiva, plantio de árvores, horticultura, jardinagem, campanhas de higiene e conservação do patrimônio); um grupo enfatiza o contato com a natureza definida como áreas naturais a partir de observação e estudo; outro grupo destaca os problemas ambientais próximos e a busca de soluções (aspectos econômicos e sociais, resgate histórico, qualidade de vida, relação homem-meio).

A partir desta distinção, o autor realiza uma série de reflexões mostrando os problemas, incoerências e ingenuidade de algumas dessas concepções de educação ambiental. Para ele:

 

A Educação Ambiental não pode se resumir às críticas sobre o processo de ocupação “degradante” que o homem promove na natureza, mas deve analisá-lo dentro de uma teia de relações sociais em que a prática pedagógica desenvolvida na escola é parte integrante de uma sociedade multifacetada por interesses ideológicos e culturais. (Tamaio, 2002, p. 37)                          

 

No mesmo sentido, Reigota (1994, p. 28) afirma que “o desafio da educação ambiental é sair da ingenuidade e conservadorismo (biológico e político) a que se viu confinada e propor alternativas sociais, considerando a complexidade das relações humanas e ambientais.”

Em seu entendimento, a educação ambiental não é necessariamente uma prática pedagógica voltada para a transmissão de conhecimentos sobre ecologia. “(...)Trata-se de uma educação que visa não só a utilização racional dos recursos naturais (...), mas basicamente a participação dos cidadãos nas discussões e decisões sobre a questão ambiental.” (Reigota, 1994, p. 10)     

Para Reigota (1995), a prática de educação ambiental depende da concepção de meio ambiente que se tenha e essas concepções, por sua vez, relacionam-se com os interesses científicos, artísticos, políticos, religiosos, profissionais, etc de cada sujeito.

No entendimento do autor, o meio ambiente não é apenas sinônimo de meio natural, mas sim “(...) um lugar determinado e/ou percebido onde estão em relações dinâmicas e em constante interação os aspectos naturais e sociais. Essas relações acarretam processos de criação cultural e tecnológica e processos históricos e políticos de transformação da natureza e da sociedade.” (Reigota, 1996, p. 21)

Da mesma forma, é importante considerar o próprio conceito de natureza, que no contexto da Educação Ambiental é sempre relacionado à compreensão de ambiente, como sinônimo de mundo natural. Tamaio (2002, p. 37) chama atenção para o fato de que natureza é um conceito categorizado por seres humanos, sendo fundamentalmente político e essas concepções são variadas e estão intimamente ligadas ao período histórico e à correlação de forças políticas das classes sociais determinadas historicamente[3].             

Outra grande dificuldade enfrentada no campo da educação ambiental relaciona-se à avaliação de suas atividades tendo em vista que um dos princípios da EA é sensibilizar indivíduos e a sociedade em geral, em relação ao meio ambiente, para que, sensibilizados, possam mudar valores e, conseqüentemente, comportamentos (Dias, 1992).

Cabe ressaltar que, embora seja possível verificar e avaliar a mudança de comportamentos, tais mudanças não são imediatas, pois necessitam antes de mudanças de valores e estas são mais difíceis de ser observadas. Isso implica em dificuldades para avaliar projetos de EA. Como saber se um indivíduo adquiriu valores?

Neste sentido, Zaballa (1998) apresenta uma escala gradativa para a aquisição de valores e atitudes de uma pessoa considerando: em um primeiro grau, quando aceita mas, não sente necessidade de cumprir normas; em segundo grau, quando existe uma conformidade que implica em reflexão sobre o que significa a norma; e em último grau, quando se interioriza (normas) e aceita-se como regra básica de funcionamento da coletividade. Para o autor: “Considera-se que um aluno adquiriu valor quando: este interiorizou e elaborou critério para tomar posição frente aquilo que se está analisando; uma atitude quando pensa, sente e atua de forma mais ou menos constante frente ao objetivo concreto”.

Já Tomazzelo (2001), ao abordar a problemática da avaliação de projetos de EA, considera relevante a proposta de Sanmartini (apud TOMAZZELO, 2001), de se propor para fazer a análise das seguintes questões:

-          O tema selecionado é relevante em relação ao meio ambiente do aluno?

-          O projeto prevê a promoção de ações dos indivíduos em favor do meio?

-          Permite estabelecer relações entre os problemas locais e os problemas globais do planeta?

-          Supera os limites da sala de aula?

-          Observam-se mudanças de atitudes dos alunos em relação ao meio ambiente?

-          Observam-se mudanças de hábitos ou comportamentos?

-          Observam-se mudanças dos modelos explicativos sobre os problemas ambientais aumentando o seu grau de complexidade?

-          Melhorou a capacidade de análise e de tomada de decisões por parte dos alunos?

 

Ainda em relação à avaliação de projetos ou programas de Educação Ambiental Nunes (1986), concorda que a educação é o único processo capaz de modificar atitudes, e formação de valores, mas discorda que esse processo deva restringir-se à escola.

Segundo ela, para que um programa de Educação Ambiental tenha êxito, é necessário que ele faça parte de um processo mais amplo, que se inicie na escola e se estenda à comunidade e, acima de tudo, que seja permanente e abarque todos os aspectos que envolvam o ser humano, ou seja, biológico, psicológico, sociológico, econômico, político e cultural.

Para Tomazello (2001), o processo mais adequado para a Educação Ambiental é aquele capaz de combinar os componentes: sobre, no e para o ambiente, pois a educação sobre o ambiente, compreende ações que têm por objetivo propiciar informações sobre o ambiente. Estas informações são de natureza cognitiva, fundamentas em conhecimentos biológicos, físicos e químicos do ambiente. A premissa desse processo, é que os problemas ambientais são causados por falta de conhecimento, portanto, a solução reside na informação, (LUCAS apud TOMAZELLO, 2001).

Diante da problemática exposta em torno da Educação Ambiental, sobretudo quanto às concepções e práticas existentes, estamos desenvolvendo uma pesquisa que objetiva avaliar os programas e propostas vigentes em Dourados (MS) tendo em vista a importância do município no contexto regional e estadual.

 

 

Projetos e ações de Educação Ambiental desenvolvidas poder público municipal de Dourados

 

Até o momento foram levantados os projetos de Educação Ambiental desenvolvidos pelo Instituto do Meio Ambiente de Dourados, órgão vinculado às Secretarias de Planejamento e Educação do município.

Conhecendo a realidade de que os recursos naturais são limitados e estão sendo fortemente afetados pelo processo de utilização, exaustão e degradação decorrentes de atividades humanas, o IMAM (Instituto do Meio Ambiente de Dourados) criou um programa denominado Programa Municipal de Educação Ambiental que realiza um trabalho de educação ambiental junto a algumas escolas da rede municipal de ensino, tendo como parceiros a Secretaria Municipal de Planejamento e a Secretaria Municipal de Educação.

O programa teve início em 2004 e oferece suporte técnico e financeiro para as escolas trabalharem com temas direcionados à questão ambiental, ou seja, aplicarem a educação ambiental nas escolas, abrangendo várias atividades para que ocorra sensibilização, percepção ambiental e embasamento teórico sobre a temática conduzindo-os a mudanças de atitudes.

De acordo com o programa, a Educação Ambiental deve ser realizada em toda a comunidade, tendo início em pontos estratégicos para que os objetivos possam ser amplamente alcançados. O programa realiza um trabalho com alunos e professores, abrindo espaço para a reflexão e argumentação em torno das questões ambientais, fugindo da “conscientização” apenas, por imposição de idéias prontas, mas favorecendo a incorporação de mudanças de comportamento no cotidiano podemos obter resultados práticos, formando jovens educadores ambientais para serem disseminadores dos princípios da conservação ambiental e cuidados com a saúde básica.

O principal objetivo do programa é sensibilizar a comunidade escolar (professores, estudantes, direção, pais etc.) para a preservação da região onde vivem. Entende-se que a Comunidade Escolar seja responsável por uma grande parcela dos moradores de um bairro. Sendo assim, encontram-se motivos para que a Educação Ambiental seja incorporada no cotidiano da escola. Sob os diversos recursos didáticos (vídeos, palestras, aulas de campo, mutirões, coleta seletiva) espera-se mostrar a importância da preservação do ambiente em que vivem. Modificar atitudes e práticas pessoais é o primeiro passo para que a comunidade local adote a preservação do ambiente fundamental para o desenvolvimento humano.

Para obter maiores informações sobre esse programa realizamos uma entrevista com o representante do Programa Municipal de Educação Ambiental/PREA no IMAM (Instituto do Meio Ambiente). Esta entrevista teve como base um roteiro elaborado previamente contendo dez perguntas (estas retiradas de uma leitura feita sobre o projeto do PREA) relacionadas ao início do mesmo, seu desenvolvimento, os resultados alcançados, possíveis modificações, objetivos e até mesmo as dificuldades encontradas pelo Programa.

A partir da entrevista, pudemos verificar que, são seis as unidades escolares que participam do PREA, sendo elas: Neil Fioravanti, Profª Elza Farias Kintschev Kuhn, Profª Efantina de Quadros, Aurora Pedroso de Camargo, Lóide Bonfim de Andrade e Weimar Gonçalves Torres.

O principal projeto desenvolvido pelo IMAM, é esse referente às escolas municipais. Este projeto consiste em trabalhar com os alunos das escolas participantes, temas direcionados à questão ambiental, através de 10 monitores escolhidos pela própria sala de aula, juntamente com 1 ou 2 professores (atuando como coordenadores). Cada escola possui um projeto próprio. Este recebe suporte técnico e financeiro para ser desenvolvido. Não só os monitores, mas todos os alunos e professores participam no desenvolvimento do projeto. E por fim, tanto o andamento quanto a conclusão do projeto devem ser apresentados ao IMAM.

O objetivo do IMAM (juntamente com seus parceiros) com a criação desse Programa Municipal de Educação Ambiental em Dourados é, basicamente, o de trabalhar a Educação Ambiental, rever os conceitos de Meio Ambiente, melhoria de vida, e a questão da sustentabilidade.

Para o representante do IMAM, o PREA é um projeto bem sucedido, apesar de enfrentar algumas dificuldades, tais como: (no projeto dos monitores) tratar a questão ambiental, pois se trata também de uma contradição, uma vez que, a realidade da grande maioria é bem diferente do que é ensinado tanto pelas escolas como pelo projeto. Entretanto, mesmo em se tratando de algo um tanto quanto diferente da sua realidade, os alunos procuram através das lições aprendidas, levar tal conhecimento para casa, passando até mesmo para os seus pais, os “reeducandos ambientalmente”. Outra dificuldade enfrentada pelo programa é que, embora todos os alunos possam e devam participar dos projetos do PREA, nem todos o fazem.

O problema consiste então, neste fato: tanto o conhecimento e a prática, bem como os investimentos (bonés, camisetas etc.) concentram-se mais entre os próprios monitores. As escolas não conseguem reverter essa situação. E, não menos importante, a falta de mais financiamentos seja por parte de órgãos públicos, seja pelas empresas particulares, ou até mesmo pela própria comunidade, é um outro problema que afeta bastante o desenvolvimento do programa.

Enfim, o PREA procura reverter todas essas dificuldades, bem como a visão simplista com que tem sido concebida e aplicada a Educação Ambiental, reduzindo-a a processos de sensibilização ou percepção ambiental, geralmente inseridos em conteúdos da área biológica, ou a atividades pontuais no Dia do Meio Ambiente, do Índio, da Árvore, ou visitas a parques ou reservas.

No momento, estamos realizando visitas às escolas envolvidas no projeto do IMAM para verificar o desenvolvimento destas atividades, bem como os principais problemas e questões apontadas pelas mesmas quanto ao projeto.

Nessas visitas, estamos realizando entrevistas com os responsáveis pelos projetos de Educação Ambiental ligados ao Programa Municipal de Educação Ambiental. Tais entrevistas (com coordenadores, monitores e alunos) contribuirão no sentido de reunir elementos para uma avaliação mais fundamentada sobre o alcance das ações desenvolvidas em relação aos objetivos propostos no mesmo.

Entendemos que para uma melhor compreensão e análise desta ação do poder público municipal de Dourados em relação à Educação Ambiental, também será necessário acompanhar o desenvolvimento das atividades do PREA nas escolas envolvidas.

Acredita-se que os elementos obtidos nas entrevistas serão fundamentais para uma reflexão sobre as concepções e práticas de Educação Ambiental desenvolvidas pelo poder público municipal, tomando como referência sua ação mais significativa.

 

 

 

 

A Educação Ambiental nas escolas da rede estadual de Dourados

 

No âmbito das escolas da rede estadual de ensino, foram visitadas aquelas localizadas na zona urbana de Dourados sendo elas: Escola Estadual Floriano Viegas Machado; Escola Estadual Alício de Araújo; Escola Estadual Presidente Tancredo Neves; Escola Estadual Menodora Fialho de Figueiredo; Escola Estadual Presidente Vargas; Escola Estadual Maria da Glória; Escola Estadual Daniel Berg; Escola Estadual Ramona Pedroso; Escola Estadual Castro Alves; Escola Estadual Celso Muller.

Além destas, também visitamos as escolas estaduais Vilmar Vieira Matos e Alicio de Araújo, no entanto, no período em que realizamos as visitas não foi possível obter informações, devido aos responsáveis não se encontrarem na escola. As escolas estaduais Reis Veloso, Floriana Lopes, Abigail Borralho e Dr. Nelson de Araújo foram visitadas e os coordenadores pedagógicos responsáveis afirmaram que as mesmas não possuíam projeto de Educação Ambiental. 

Pudemos constatar as seguintes ações/atividades sendo desenvolvidas nas escolas visitadas: pinturas em muros, orientações em sala de aula a fim de mostrar para a comunidade que o meio ambiente necessita de ajuda, que cada vez mais os impactos ambientais crescem; plantio de árvores; trabalhos interdisciplinares envolvendo as disciplinas de Geografia (aquecimento global, a importância do aterro sanitário), Biologia (tratamento de água), Química (dióxido de carbono – CO2, efeito estufa) e Artes (trabalhos com reciclagem); organização de Feira de Ciências; coleta de materiais recicláveis e exposição de trabalhos resultantes da transformação destes; conscientização quanto ao cuidado com o meio ambiente em que vive no horário de aula; coleta e venda de materiais recicláveis com os recursos investidos na escola, pintando paredes, comprando lixeiros adequados para cada tipo de material reciclável específico; visitas a aterro sanitário; palestras e trabalhos sobre animais e plantas em extinção. Apenas quatro escolas visitadas não possuem projetos de educação ambiental. 

Com base neste levantamento inicial, pretendemos acompanhar mais detidamente algumas escolas, nas quais entendemos existirem propostas de Educação Ambiental mais abrangentes e embasadas, que não se restringem a ações pontuais. Esperamos que o acompanhamento in loco das atividades realizadas nas escolas possa trazer mais elementos para ampliarmos este entendimento, inclusive no sentido de identificarmos possíveis práticas que avancem em relação aos problemas identificados na maioria das ações desenvolvidas pelas escolas.

 

 

Considerações Preliminares

 

A partir dos dados e informações obtidas, pudemos constatar que a Educação Ambiental está presente na maioria das escolas estaduais de Dourados. Em algumas é apenas pontual, com atividades de plantio de árvores no dia da árvore, já em outras escolas há projetos de Educação Ambiental que abrangem a questão ambiental de forma mais ampla.

A Escola Estadual Presidente Vargas, por exemplo, desenvolve um projeto em que o objetivo central é a revitalização da instituição educacional e a atividade busca conscientizar os alunos em cuidar do meio ambiente em que vivem no horário de aula, ou seja, a escola. Os alunos juntam materiais recicláveis, vendem e com o dinheiro adquirido investem na escola, pintando paredes, comprando lixeiros adequados para cada tipo de material reciclável específico melhorando o ambienta escolar.

De uma forma geral, pudemos constatar que as escolas procuram trabalhar a Educação Ambiental numa perspectiva interdisciplinar, no entanto, em alguns casos, as atividades realizadas ainda são pontuais, envolvendo poucas disciplinas. Além disso, possuem finalidade conteudística e informativa restringindo-se à transmissão do conhecimento. Essas atividades são, na maioria das vezes, descontextualizadas em relação à realidade socioambiental existente.

As constatações feitas a partir da identificação das atividades realizadas nas escolas da rede estadual de Dourados (MS) nos conduzem a refletir a partir dos pressupostos teóricos e discussões de alguns autores.

Guimarães (2006, p. 25) entende que a Educação Ambiental para ser crítica precisa desvelar as causas dos problemas ambientais, questionando a visão de mundo historicamente construída e seus paradigmas que entendem a natureza como recurso. Para o autor, a crise ambiental é a crise de um modelo de sociedade e atualmente desenvolve-se uma educação ambiental que não contesta o paradigma da sociedade moderna e isso, em sua opinião, é uma armadilha:

 

A visão ingênua, presa à armadilha paradigmática, tende à reprodução das práticas educativas consolidadas; como por exemplo, a da educação comportamentalista que acredita que dando (transmitindo) ao indivíduo (educando) os conhecimentos (aspecto cognitivo) necessários e ainda provocando nele uma sensibilização (aspecto afetivo) pela questão ambiental, o indivíduo pode transformar seu comportamento incorreto e que, se assim for, ao final teremos como resultado da soma destes indivíduos transformados uma sociedade transformada. (...)

 

Em outra obra (Guimarães, 2004) afirma que a Educação Ambiental não pode continuar sendo considerada como algo à parte da dinâmica social, com ações educativas pouco críticas à realidade, pois isso resulta em posturas políticas conservadoras, mesmo que bem intencionadas. Mais uma vez, ele relaciona isso com a questão paradigmática:

 

Essa visão fragmentária potencializa uma forte tendência ao desenvolvimento, nas escolas, de ações isoladas, voltadas para o comportamento de cada indivíduo (aluno), descontextualizadas da realidade socioambiental em que a escola está inserida e do seu próprio projeto político-pedagagógico, quando há de fato algum que não seja um documento formalmente escrito. (Guimarães, 2004, p. 37)

 

Sendo assim, o autor chama a atenção para o fato de que muitas ações de Educação Ambiental, embora impulsionadas por boas intenções, acabam desenvolvendo uma perspectiva comportamentalista focada no indivíduo, com finalidade conteudística e informativa caracterizadas por mera transmissão do conhecimento. Para ele, é necessária a construção de outra noção de sustentabilidade e o problema está na atual modelo de sociedade vigente que se apóia em valores fragmentários, individualistas etc.

Loureiro (2004), por sua vez, afirma que a Educação Ambiental tem mostrado um caráter moralista com ênfase na dimensão ecológica em detrimento das demais contextualizações do problema ambiental, ignorando a dinâmica social.  O autor defende que a reflexão sobre a problemática ambiental deve estar articulada com a contextualização social, cultural, histórica, política, ideológica e econômica para não cair numa visão de mundo dualista. Em sua visão é impossível a Educação Ambiental  ser praticada de modo descontextualizado das práticas sociais, na medida em que não é possível reverter o quadro apenas com mudanças éticas ou comportamentais, depositando a responsabilidade no indivíduo e eximindo a responsabilidade da estrutura social e o modo de produção.

Diante do exposto e tendo em vista as atividades de Educação Ambiental desenvolvidas nas escolas da rede estadual de Dourados (MS) verifica-se que as questões e problemas levantados pelos autores estão presentes na realidade estudada. Observa-se que na maioria das escolas, as atividades apresentam finalidade conteudística e informativa restringindo-se à transmissão do conhecimento sendo descontextualizadas em relação à realidade socioambiental existente.

No caso das ações realizadas pelo poder público municipal, percebe-se que embora o Programa Municipal de Educação Ambiental (PREA) de Dourados - com base no entendimento do biólogo responsável por seu desenvolvimento - procure “reverter a visão simplista com que tem sido concebida e aplicada a Educação Ambiental, reduzindo-a a processos de sensibilização ou percepção ambiental (...)” na maioria dos projetos e ações desenvolvidas nas escolas ainda predomina um entendimento essencialmente técnico e comportamentalista da questão.

O conteúdo presente no texto do PREA não expressa a relação e importância da Educação Ambiental ser praticada de modo contextualizado com as práticas sociais, percebe-se um direcionamento para as mudanças éticas ou comportamentais.

Os próprios projetos desenvolvidos pelas escolas no ano de 2006 mostram esse caráter: a Escola Aurora Pedroso desenvolveu o projeto “Jardinagem na escola” e “Aprendendo reciclar brincando”; a escola Weimar Gonçalves Torres desenvolveu os projetos “Lixo Reciclável” e “Plantio de árvores no pátio da escola”; a escola Lóide Bonfim desenvolveu o projeto “Reciclar também é cidadania”; a escola Januário Pereira de Araújo desenvolveu o projeto de reciclagem do lixo e a escola Neil Fioravante o projeto “Garça Branca” no qual várias atividades foram desenvolvidas (coleta seletiva, reciclagem de materiais, horta medicinal e orgânica, um plantio de árvores nativas no Parque Arnulfo Fioravante, trilhas ecológicas, oficinas, visitas técnicas, eventos culturais, palestras variadas e outras).

Esperamos que a realização das entrevistas e acompanhamento in loco das atividades de Educação Ambiental tanto em âmbito municipal como nas escolas da rede estadual contribua para uma verticalização das análises aqui iniciadas.    

 

 

 

Referências Bibliográficas

BRASIL. SECRETARIA DA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais – 3o e 4o ciclos do ensino fundamental. Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1998. 

BRASIL, Lei n.º 9.795 de 27 de abril de 1999. Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF: 28 de abril de 1999.

CARDOSO, C. M. A canção da inteireza, uma visão holística da educação. São Paulo: Summus, 1995.

CARVALHO, L. M. A temática ambiental na escola de 1º grau. 1989 826p Tese (Doutorado em Educação), USP. Faculdade de Educação. São Paulo – SP.  

CARVALHO, I. C. M Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2006.  

CARVALHO, M. O que é natureza. São Paulo: Brasiliense, 1991.

LAYRARGUES, P.P. Muito além da natureza: educação ambiental e reprodução social. In: LOUREIRO, Carlos F. B. et al (Orgs.) Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006, p. 72-101.

LEROY, J.P. & PACHECO, T. Dilemas de uma educação em tempo de crise. In: LOUREIRO, Carlos F. B. et al (Orgs.) Pensamento complexo, dialética e educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2006, p. 30-71.

LOUREIRO, Carlos F. B. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

MEDINA, N.  M. Educação Ambiental: Princípios e Objetivos. Revista da Educação AEC, nº 68, Porto Alegre 1988.

__________. Retrospectiva histórica da Educação Ambiental no mundo. Rev. Do PROCIRS. Porto alegre. RS. Vol. 1 nº 1, jan/jun1988.

PEDRINI, Alexandre de G. (Org.) Educação Ambiental: reflexões e práticas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 1998.  

PEGORARO, J. L. Educação ambiental: a temática da flora, da fauna e dos ambientes naturais (expressões da biodiversidade) a partir da educação formal. 1998 174p. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). USP/ESALQ/CF Piracicaba-SP

PENTEADO, H. D. Meio ambiente a formação de professores. 3º ed. São Paulo: Cortez, 2000.

REIGOTA, Marcos. O que é Educação Ambiental. São Paulo: Brasiliense, 1996.

___. Meio Ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1994.

___. Educação ambiental: Fragmentos de sua história no Brasil. In: NOAL, F. REIGOTA, M.; BARCELOS, V. H. de L. (Orgs). Tendências da Educação Ambiental brasileira. Santa Cruz do Sul- RS:  EDUNISC, 2000, p. 13-27.

SILVA, L. F.; INFORSATO, E. D. Algumas considerações sobre as críticas ao conhecimento científico moderno no contexto do processo educativo e a temática ambiental. Rev. Ciência e Educação, v.6, n.2, 2000, p. 169 – 179.

TABANEZ, M.F.  (Orgs.). Educação ambiental, caminhos trilhados no Brasil.  Brasília: IBAMA, IPE, 1997, p. 257-269.

TAMAIO, Irineu. O professor na construção do conceito de natureza: uma experiência de educação ambiental. São Paulo: Annablume:WWF, 2002.

TOMAZELLO, M.G.C.; FERREIRA, T. R. C. Educação ambiental: Que critérios adotar para avaliar a adequação pedagógica de seus projetos? Rev. Ciência e Educação, v.7, n.2, 2001, p.199 -207.

UNESCO. 1987. Congresso Internacional UNESCO/PNUMA sobre la educacion y la Formacion Ambientales, Moscou. In: Educação Ambiental, Situação Espanhola e Estratégia Internacional. DGMA-MOPU, Madrid.

ZABALLA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.



[1] A pesquisa em questão conta com financiamento da FUNDECT – Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul, Brasil.     

[2] Profa. Adjunta da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).  

[3] Em Carvalho (1991) e Gonçalves (1998) pode-se encontrar uma discussão mais aprofundada sobre a historicidade do conceito de natureza. 


Ponencia presentada en el Décimo Encuentro Internacional Humboldt. Rosario, provincia de Santa Fe, Argentina. 13 al 17 de octubre de 2008.